ASSINE

Coronavírus: por que o uso da cloroquina virou bandeira de Bolsonaro

Medicamento se mostrou promissor no combate ao coronavírus, mas comunidade científica pede cautela devido aos efeitos colaterais e a eficácia não totalmente comprovada

Publicado em 01/05/2020 às 16h48

O debate a respeito do uso da cloroquina – um remédio para combater a malária – no tratamento de pacientes com coronavírus foi politizado. Uma das bandeiras do presidente Jair Bolsonaro para se contornar a pandemia, o consumo do medicamento foi um dos principais pontos de discordância entre ele e o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, que acabou demitido.

Presidente da Repúblico Jair Bolsonaro
Líderes de direita, como Bolsonaro, tentam usar a cloroquina como arma política, ainda que não haja respaldo científico. Crédito: Alan Santos/PR

Além do presidente, outros líderes de direita têm defendido o uso do remédio na rede pública de saúde, ainda que as pesquisas quanto a sua eficácia não tenham sido adequadamente comprovadas e não haja consenso na comunidade acadêmica. A cloroquina ganhou os holofotes no início de março, quando o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou resultados promissores da substância. O próprio Trump, no entanto, já deixou de falar do remédio com a frequência costumeira.

Enquanto pesquisadores fazem testes e checam os resultados iniciais do uso do medicamento em pessoas com o coronavírus, críticos de Bolsonaro passaram a duvidar da eficácia. Por outro lado, defensores do presidente pedem que seja determinado o uso da medicação em massa de forma imediata e acusam os que se contrapõem de “conspirar contra Bolsonaro”. Mas, afinal, por que o uso da cloroquina tem sido defendido com tanto afinco por presidentes de direita?

Especialistas da política apontam que o medicamento foi a oportunidade encontrada pelo presidente para colocar combustível na polarização que, quanto mais intensa, maior a chance de ele vencer adversários em 2022. No campo acadêmico, há quem sustente que o presidente busque beber da fonte da onda "anticientífica", sobretudo entre a ala olavista de seus apoiadores, ao jogar "a culpa" pelo não uso do medicamento em cima de pesquisadores.

"NÃO TEM CONLUIO PARA ATRASAR A CURA", DIZ PESQUISADOR

A Gazeta conversou com o pesquisador e professor do Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde da Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, Rômulo de Paula Andrade. A instituição é uma das que conduzem a pesquisa com a cloroquina no país.

Andrade explica que a medicação é usada desde 1944 e, além da malária, já foi usada para tratar pacientes com chikungunya, ebola e outras gripes. Contudo, a substância nunca recebeu estudos definitivos, uma vez que as contraindicações e efeitos colaterais são bastante graves.

"Será uma maravilha se for descoberto que a cloroquina cura as pessoas, mas a gente não tem certeza. Ninguém está querendo travar ou diminuir a pesquisa, mas existe um método científico para se avaliar resultados. Um pesquisador faz os testes em uma amostragem significativa, lança uma análise, outros pesquisadores vão avaliar e aprovar se esse método é seguro ou não. Neste momento de pandemia tem cientistas sem dormir, trabalhando sem parar para se ter uma ciência segura", explica.

No último dia 11, um estudo brasileiro com o uso do medicamento foi interrompido após pesquisadores perceberem que pacientes que recebiam o tratamento com dosagens mais altas – semelhantes às que haviam sido experimentadas na China – desenvolveram arritmias cardíacas. No sexto dia de tratamento, segundo o jornal New York Times, 11 pacientes haviam morrido. O caso aconteceu no Amazonas.

Rômulo de Paula Andrade

Pesquisador e professor do Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde da Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz

"Governos populistas tentam dar soluções simples para questões complexas, mas o coronavírus não tem solução simples. A propaganda política trabalha com um imaginário que existe ‘um grande conluio para evitar que a verdade venha à tona’. Há filmes dos anos 90 sobre pandemias em que protagonistas descobrem vacinas em duas horas. E aí as pessoas perguntam, ‘nossa, mas com a tecnologia que temos hoje ainda não descobriram?’. Não existe cura milagrosa. Acho que esse pensamento acontece porque a ciência não tem se comunicado com a sociedade e a sociedade não sabe como a ciência funciona. Talvez essa seja a grande lição"

ONDA ANTICIÊNCIA E A "POLARIZAÇÃO" DO VÍRUS

Doutor em Relações Internacionais e professor da Faap-SP, Vinícius Rodrigues Vieira lembra que há uma onda anticiência ganhando fôlego no mundo e governos populistas têm aproveitado essa agenda para se aproximar dos mais pobres. 

"O discurso é de desqualificar quem pesquisa, dizer que 'são pessoas que vivem às nossas custas nas universidades' e que 'não ligam para o povo'. Durante a pandemia que vivemos, a possibilidade de um medicamento que possa trazer a cura deve ser analisada a partir de uma resposa científica bem embasada, mas há quem busque um 'elixir da cura', enquanto o melhor remédio, pelo o que se tem visto, é manter o isolamento", pontua.

Ainda que os testes da eficácia da cloroquina mostrem que o medicamento não é totalmente seguro – há estudos que apontam para arritmias cardíacas, perda da visão, distúrbios sanguíneos, dermatológicos, gastrointestinais, neurológicos e neuromusculares – o remédio tem sido defendido por Trump.

O gesto do norte-americano, que foi seguido por Bolsonaro, soa para Vieira como uma estratégia de quem quer ser o anunciador do "elixir da cura" antes da hora. O pesquisador argumenta que a bandeira levantada pelo presidente pode ser uma tentativa de vencer seus dois principais adversários no campo da Centro-Direita, que são os governadores de São Paulo, João Dória (PSDB), e do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC).

“Bolsonaro já estava se preparando para enfrentá-los. Com a crise, os governadores sentiram a pressão do coronavírus mais de perto por comandarem grandes máquinas da saúde, e precisaram dar uma resposta. O presidente vai às redes e classifica a posição dos governadores como ideológica e resolve apostar que “há uma cura que não deixam ele usar” e que “o impacto econômico do isolamento vai aumentar o desemprego”. Isso me parece uma tentativa de eliminar os adversários e tentar se escorar no apoio dos mais pobres, que, infelizmente, serão os primeiros a perder seus empregos”, aponta.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Jair Bolsonaro Coronavírus Donald Trump Cloroquina

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.