> >
Loja de irmão de traficante é fechada por vender falsificações em Anchieta

Loja de irmão de traficante é fechada por vender falsificações em Anchieta

Polícia Civil diz que dono do local é suspeito de homicídio e irmão de chefe do tráfico de bairro de Guarapari; estabelecimento foi fechado durante uma operação

Publicado em 9 de julho de 2024 às 13:37- Atualizado há 11 dias

Ícone - Tempo de Leitura 2min de leitura
Loja de roupas com produtos falsificados em Anchieta é interditada
Loja de roupas com produtos falsificados em Anchieta é interditada . (Polícia Civil)

Uma loja de roupas que vendia produtos falsificados em Anchieta, no Litoral Sul do Espírito Santo, foi interditada na última sexta-feira (5) durante uma operação da Polícia Civil. A corporação disse que o estabelecimento pertence ao irmão de Willian Zanoli, vulgo “Terceirão”, apontado pelos policiais como chefe do tráfico de drogas no bairro Santa Mônica, em Guarapari.

Conforme as investigações, o irmão de “Terceirão” também é responsável por movimentar os valores oriundos da comercialização de drogas na região. O suspeito, que não teve nome divulgado pela corporação, está foragido em razão de um mandado de prisão por crime de homicídio consumado. 

O caso é investigado pela Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Guarapari. Segundo a Polícia Civil, mesmo foragido, ele mantinha uma loja no bairro Justiça, em Anchieta. Eram comercializados roupas e acessórios de marcas falsificadas. No dia da diligência, desdobramento da Operação Epílogo, policiais foram até a loja, mas ele não estava no local.

Loja de roupas com produtos falsificados em Anchieta é interditada (Polícia Civil)

Os policiais civis foram recebidos pela irmã do suspeito, que estava responsável pelo comércio. Além dos itens falsificados, a loja não tinha alvará de funcionamento e, segundo relatado pela investigada, o comércio não emitia notas fiscais das vendas.

Foram apreendidos casacos, camisas, calças, bermudas, calçados, acessórios, cuecas, fones de ouvido, dois terminais de pagamento eletrônico e R$ 320,00. A mulher de 34 anos assinou um termo circunstanciado (TC) pelo crime previsto no artigo 190, inciso I, da Lei 9.279/1996, e foi liberada após assumir o compromisso de comparecer em juízo.

Segundo a Polícia Civil, Willian, o "Terceirão", apontado chefe do tráfico de Santa Mônica, em Guarapari, foi preso em uma operação da Polícia Federal, em conjunto com a Polícia Militar do Paraná, em maio deste ano. O detido era um dos principais alvos das forças de segurança do Espírito Santo. Sua transferência depende de decisão judicial.

Este vídeo pode te interessar

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rapido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta

A Gazeta integra o

The Trust Project
Saiba mais