ASSINE

Imagens mostram ex-funcionário de hotel para animais agredindo cães em Vila Velha

Uma das proprietárias do estabelecimento, a estudante de medicina veterinária Lorença Ferreira Barros, contou que o suspeito foi dispensado há pouco mais de duas semanas, no dia 26 de setembro

Publicado em 14/10/2020 às 09h37
Atualizado em 14/10/2020 às 18h21
Ex-funcionário de creche para animais em Jardim da Penha grava vídeos praticando maus-tratos
Ex-funcionário de creche para animais em Jardim da Penha grava vídeos praticando maus-tratos. Crédito: Reprodução | Twitter

Imagens que têm sido compartilhadas nas redes sociais mostram um ex-funcionário de creche e hotel para animais em Vila Velha*, praticando maus-tratos a cães. O primeiro registro mostra o homem segurando um cachorro pequeno pelo pescoço e depois jogando ao chão, reclamando que o animal "late o dia inteiro". Já no segundo, o suspeito aparece em um vídeo afirmando que uma determinada cadela "o odeia" e então atira com força um brinquedo nela, mandando calar a boca, enquanto o animal foge assustado.

* Erramos: essa matéria foi publicada informando que o caso ocorreu em Vitória. No entanto, a empresa conta com duas unidades, sendo uma em Vila Velha e outra na Capital. Os vídeos da reportagem foram registrados na filial de Vila Velha. A informação foi corrigida às 17h37 do dia 14 de outubro.

Procurada pela reportagem de A Gazeta, uma das proprietárias do estabelecimento, a estudante de medicina veterinária Lorença Ferreira Barros, contou que o suspeito foi dispensado há pouco mais de duas semanas, no dia 26 de setembro. "Ele fez uma experiência com a gente, havia sido indicado por uma cliente e por um amigo próximo. Falaram que ele precisava muito do emprego para ajudar a mãe e demos a oportunidade. Mas ele apresentava problemas de indisciplina e o dispensamos. Ele ficou três semanas na unidade de Vitória e três semanas na de Vila Velha", relata.

Lorença disse ainda que não sabia que o rapaz agredia os animais e que nunca havia suspeitado que ele chegaria a este ponto, até porque foi contratado por indicação de uma cliente. "Isso ele nunca tinha demonstrado, gostava de parecer um apaixonado pelos cachorros. Falsidade, né? Mas tinha problema de insubordinação e indisciplina, chegava muito atrasado e não se dava bem com a equipe. Descobri hoje que ele tem antecedente criminal", conta.

Para a empresária, fica a indignação. "Eu vou fazer o que for para ele pagar pelo que fez, nem que eu vá até o inferno atrás dele, caso a Justiça não faça o suficiente. A gente entende qualquer coisa quanto aos funcionários, como atrasos, por exemplo. Mas o mínimo é ter paciência e cuidar com amor dos animais. Todo mundo que trabalha com a gente ama os animais. Hoje quando recebi os vídeos eu já mandei mensagem nos grupos e falei que estamos tomando as medidas cabíveis. As pessoas nos apoiam porque nos conhecem. A gente ama os animais. É muito amor para depois chegar esse rapaz se passando por coitado e fazer o que fez", desabafa.

A empresária pede ajuda: "As pessoas podem ligar para o 181 e denunciar, para fazer efeito. Não me isento de responsabilidades, vamos providenciar instalar câmeras que ficarão on-line para os clientes, não temos o que esconder", acrescentou.

Acionada pela reportagem, A Polícia Civil informou que o caso foi registrado nesta terça-feira (13) na 2ª Delegacia Regional de Vila Velha, e será encaminhado para Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente e Patrimônio Cultural (DPMAPC) para apuração dos fatos. Para que a apuração seja preservada, nenhuma outra informação será repassada.

Procurado o suspeito, as ligações não foram atendidas até o momento.

CACHORRO DE 2 ANOS MORREU NO LOCAL EM AGOSTO

A secretária Andréa Passos, de 48 anos, costumava levar o cachorro da raça Spitz Alemão, de 2 anos, chamado Oreo, para a creche em Jardim da Penha. Segundo relato dela, no dia 23 de agosto, no entanto, ao ir buscá-lo no hotel, ouviu latidos de agonia e soube que o cão havia sido atacado por outro animal maior, não tendo resistido. "Meu cachorro sempre foi muito saudável. Coloquei na creche e nesse dia eu fui buscar. Eu estava na frente do estabelecimento. Quando o funcionário veio me entregar, apareceu um Bull Terrier e matou o Oreo na mesma hora", descreve.

"Ouvi os gritos e escutei o funcionário batendo no cachorro para tentar largar o Oreo. Quando o funcionário saiu de dentro da creche, que eu consegui ver, veio arrastando a coleira do meu cachorro, morto, com rastro de sangue. Ele não morreu de susto, como ele alegou, foi atacado por outro cachorro", disse.

Questionada sobre o incidente, a proprietária da creche afirma que foi uma fatalidade. "O cachorrinho, infelizmente, foi atingido por um cachorro maior, não tivemos nem como prestar socorro. Fizemos tudo o que poderíamos para a tutora, mas ela, com razão, está indignada até hoje, não questiono. Nós mantivemos todos os nossos clientes, prestamos nosso serviço com amor. Quem nos conhece se mobiliza em nos apoiar", concluiu.

Bairro Jardim da Penha Polícia Civil crime Pets Maus tratos

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.