ASSINE

Segunda Ponte: atraso em obras é histórico

A ponte foi inaugurada pelo ex-presidente João Baptista Figueiredo em 1979, seis anos após o início das intervenções e com vários adiamentos

Publicado em 13/10/2019 às 19h43
Em maio de 1979, as obras da Segunda Ponte chegavam à reta final. Crédito: Romero Mendonça
Em maio de 1979, as obras da Segunda Ponte chegavam à reta final. Crédito: Romero Mendonça

Importante ligação entre Vitória e os municípios de Cariacica e Vila Velha, a Ponte do Príncipe, popularmente chamada de Segunda Ponte, completa neste domingo (13) 40 anos de sua inauguração, marcada por várias curiosidades. Como toda grande intervenção realizada no país, os adiamentos e atrasos também fazem parte da sua história. 

  1. 01

    O início

    Prevista para ser construída em pouco mais de um ano, a Segunda Ponte passou por três administrações estaduais até ser concluída. Antes mesmo de começar, teve o seu primeiro atraso: a obra deveria ter começado em outubro de 1972, mas em dezembro daquele ano o governo informou que obra começaria em janeiro. De fato, só começou em dezembro de 1973, na administração de Arthur Carlos Gerhardt.

  2. 02

    Primeiro adiamento

    Quando foram iniciadas as intervenções, o governador anunciou que seriam concluídas no final de 1974, mas em julho daquele ano já veio o primeiro atraso: nova previsão ficou para fevereiro de 1975.

  3. 03

    Suspensão

    Em abril de 1975, já no governo de Elcio Álvares e dois meses após o prazo que havia sido dado, a administração informa que os trabalhos estavam suspensos devido à indefinição sobre a transferência de encargos da obra para um órgão federal, que hoje é o Dnit.

  4. 04

    Orçamento e cimento

    Em julho de 1975, as obras seguiam em ritmo lento e era necessária uma reprogramação financeira, elevando o custo. Somou-se a isso o fato de que, em agosto,  faltava cimento no mercado contribuindo para o atraso.

  5. 05

    Ponte do Gato

    Como dois anos após o início das obras, a estrutura ainda estava na parte terrestre e não tinha "entrado na água",  passou a ser chamada de "Ponte do Gato".

  6. 06

    Novos atrasos

    Em fevereiro de 1976, Elcio Alvares foi informado pelo governo federal que a obra não seria entregue mais naquele ano, mas estava prevista para o segundo semestre de 1977.  Em novembro de 1977, mais um adiamento: agora a data seria em outubro de 1978.  A razão para este novo atraso era o fato de o projeto não ter sido concebido levando em consideração a construção da Rodoviária de Vitória.

  7. A Gazeta - fyyx68m
    07

    Pilares

    Problemas em dois pilares no centro da baía de Vitória tinham sido mais graves do que a avaliação inicial  do governo, e o prazo da obra foi estendido para fevereiro de 1979. Naquele ano, fizeram nova promessa: julho ou agosto. A inauguração só foi acontecer mesmo no dia 13  de outubro, e ainda sem a conclusão dos acessos.

  8. 08

    Tráfego liberado

    Antes da inauguração oficial,  o tráfego foi liberado na Segunda Ponte para testes. Era o dia 5 de outubro, mas só na véspera foi que o governo do Estado soube que deveria fazer o procedimento e ainda havia várias pendências, como a conclusão do acesso à ponte.

  9. 09

    Euforia

    O governador Eurico Rezende estava bastante eufórico com a liberação do tráfego e foi o primeiro a fazer a travessia, em carro oficial. Quando chegou do outro lado, saiu do veículo e ficou aguardando o primeiro motorista passar. Depois de 10 minutos, Ivan Luiz Luker atravessou a ponte em seu Fusca amarelo, e foi cumprimentado pelo governador.

  10. A Gazeta - 4db5sqtxmjr
    10

    Recepção

    Cerca de cinco mil pessoas assistiram, em Jardim América, Cariacica, a inauguração da Segunda Ponte, em solenidade que foi conduzida pelo ex-presidente João Baptista Figueiredo - o último do regime militar.

  11. 11

    Novas obras

    Tecnicamente, Segunda Ponte é o trecho que vai de Vitória até a descida para Jardim América, em Cariacica, que faz parte da BR 262. O trecho (parte seca) que vai de Jardim América até a Avenida Carlos Lindenberg, em Vila Velha, é um viaduto e foi batizado recentemente com o nome de Governador Gerson Camata Os dois trechos vão passar por obras de manutenção ainda este ano

A Gazeta integra o

Saiba mais
segunda ponte

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.