ASSINE

Oito em cada dez detentos voltam para a prisão após liberdade no ES

O dado foi confirmado pelo secretário estadual de Justiça, Luiz Carlos Cruz

Publicado em 02/09/2019 às 13h12
Atualizado em 07/09/2019 às 13h43
Índice alto é resultado da cultura do encarceramento, segundo secretário estadual de Justiça. Crédito: Divulgação
Índice alto é resultado da cultura do encarceramento, segundo secretário estadual de Justiça. Crédito: Divulgação

Cerca de 80% dos presos que são colocados em liberdade voltam para o sistema prisional capixaba. O dado foi confirmado pelo secretário estadual de Justiça, Luiz Carlos Cruz. A informação veio à tona em meio ao anúncio do mutirão carcerário, que pode colocar 3 mil detentos em liberdade.

Diante desses números, um questionamento se faz: se tantos presos voltam ao sistema após a liberdade, onde deveriam ser concentrados os esforços para diminuir esse índice?

Para o secretário a resposta é ressocialização, mas a cultura do encarceramento no sistema prisional brasileiro faz com que a solução fique em segundo plano.

"Identificamos que a reincidência é muito alta e o esforço da ressocialização não é uma prática brasileira. A maioria dos sistemas prisionais, quase que a totalidade, são voltados para o encarceramento. Para manter o preso encarcerado sob custódia até que venha ganhar a liberdade. Quando ele ganha a liberdade sem nenhum tipo de tratamento, volta a reincidir no crime. É uma coisa lógica, mas uma lógica perversa que vem perdurando no sistema prisional", explicou.

15% dos presos estudam ou trabalham

O próprio sistema prisional capixaba é exemplo dessa prática. Somente 15% dos custodiados nas unidades do Estado estudam ou trabalham.* Atualmente, o Espírito Santo tem 23,8 mil presos, mas as unidades prisionais deveriam receber, no máximo, 13,8 mil detentos.

*Esta reportagem foi atualizada às 11h07, após a Secretaria de Estado da Justiça (Sejus) informar que 15% dos custodiados nas unidades prisionais do Estado estudam ou trabalham, e não 15% das unidades prisionais que oferecem estudo ou trabalho aos custodiados.

O objetivo para os próximos quatro anos, segundo o secretário, é dobrar a oferta de trabalho e educação nos presídios. Para isso, uma subsecretaria de ressocialização foi criada na pasta.

Luiz Carlos Cruz explica ainda que o Estado está trabalhando para viabilizar um financiamento de 100 milhões de dólares junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Os recursos seriam aplicados em mais vagas para o sistema prisional e na construção de um centro de ressocialização.

Secretário estadual de Justiça, Luiz Carlos Cruz. Crédito: José Carlos Schaeffer
Secretário estadual de Justiça, Luiz Carlos Cruz. Crédito: José Carlos Schaeffer

"Temos uma carta consulta ao BID buscando financiamento para construção de mais duas unidades: uma unidade de regime fechado de segurança média e um centro de reintegração social, que seria a outra ponta do sistema. É praticamente uma escola técnica onde o preso do semiaberto já teria as oficinas laborais. A formação profissional já conjugada com uma planta laboral, seja indústria de blocos de concretos, marcenaria, costura", disse.

No cenário atual, os presos e egressos têm outras ferramentas como a Lei Progresso, que obriga empresas que tenham vinculo com o governo a contratarem um número mínimo de presos para a realização de serviços e o Escritório Social, que encaminha egressos para a qualificação profissional.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.