Galpões de Jardim da Penha não serão da comunidade

A União afirmou que não existe possibilidade do espaço ser cedido para se tornar centro cultural. Moradores dizem que local parece abandonado

Publicado em 16/05/2018 às 16h27
Galpões do Instituto Brasileiro do Café (IBC) são usados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Crédito:    Ricardo Medeiros
Galpões do Instituto Brasileiro do Café (IBC) são usados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Crédito: Ricardo Medeiros

A sensação dos moradores de Jardim da Penha, em Vitória, é de que os galpões enormes do Instituto Brasileiro do Café (IBC) estão abandonados. A vontade de dar outra finalidade ao local se arrasta por décadas e por diferentes mandatos. Agora, o desejo de fazer da área um centro cultural, por exemplo, deverá ser novamente guardado. A União, responsável pelo imóvel, afirmou que não existe possibilidade do espaço ser cedido à administração municipal.

Sob responsabilidade da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) do Ministério da Agricultura, os galpões são usados atualmente para abastecimento de milho. De acordo com a Conab, pequenos criadores de aves, suínos, ovinos, caprinos e bovinos são atendidos no local. Além disso, também há o Programa de Vendas em Balcão, que atende cerca de 500 agricultores da Grande Vitória e municípios vizinhos com o fornecimento do grão.

Ainda segundo a Conab, o espaço também é utilizado para abastecimento de cestas de alimentos com produtos da agricultura familiar para as comunidades indígenas, quilombolas e assentados da reforma agrária, além de atender pessoas atingidas por catástrofes climáticas em parceria com a Defesa Civil.

"Muitos moradores de rua ficam concentrados nos galpões. De noite a gente não pode nem passar perto porque fica muito perigoso", afirmou a dona de casa Lorena Contarini, de 51 anos. Crédito:    Ricardo Medeiros
"Muitos moradores de rua ficam concentrados nos galpões. De noite a gente não pode nem passar perto porque fica muito perigoso", afirmou a dona de casa Lorena Contarini, de 51 anos. Crédito: Ricardo Medeiros

Além disso, o espaço é usado também como estoques de café, milho, feijão, arroz e leite em pó por meio da Política de Garantia de Preços Mínimos. Dessa forma, a Conab esclareceu que “como está em plena operação, não há projeto novo para o local, só manutenção das instalações”.

No total, os galpões tem 21 mil metros quadrados e são avaliados em cerca de R$ 44 milhões. A ideia de tornar o espaço um centro cultural existe desde a época em que Victor Buaiz estava à frente da Prefeitura de Vitória, entre os anos de 1989 e 1992.

A intenção é compartilhada pela gestão atual de Vitória. Procurada, a prefeitura destacou, por meio de nota, que para que isso aconteça é preciso a cessão do espaço pela União. “O município pretende receber o espaço para implantação de equipamentos públicos que atendam à comunidade, que será ouvida oportunamente sobre esse uso. A prefeitura salienta que após a cessão será elaborado um projeto de uso para buscar captação de recursos", informou.

No ano passado, a Conab informou que em 2013 o órgão tentou levar o serviço do galpão para Viana, mas o projeto foi suspenso em 2017 pelo Ministério da Agricultura. Dessa forma, a Conab informou, por meio de nota, que não possui outro armazém na Grande Vitória para executar o trabalho que é operacionalizado no imóvel.

MORADORES

Apesar da Conab afirmar que os galpões estão em pleno funcionamento, a comunidade reclama da sensação de abandono e da concentração de moradores de rua e usuários de droga que fazem do local um abrigo.

“De noite a gente não pode passar. Fica concentrado um monte de morador de rua. Tenho uma neta que gostaria que brincasse na rua como minha filha brincou, mas é impossível porque é muito perigoso”, comentou a dona de casa Lorena Contarini, de 51 anos.

Segundo Lorena, a situação dos galpões é a mesma desde quando começou a morar no bairro, há 31 anos. A também dona de casa Paola Rocha, 34, disse que desde que se entende por gente a sensação é de abandono. Quando precisa passar perto dos galpões, ela prefere dar uma volta maior para evitar ser assaltada.

A dona de casa Paola Rocha, de 34 anos, gostaria que o local fosse um shopping ou uma praça. Crédito:    Ricardo Medeiros
A dona de casa Paola Rocha, de 34 anos, gostaria que o local fosse um shopping ou uma praça. Crédito: Ricardo Medeiros

“O local poderia ser um shopping porque a área é enorme. Ou então um parque como a Pedra da Cebola para ter uma opção para as crianças brincarem”, observou.

O presidente da Associação de Moradores de Jardim da Penha, Dárcio Bracarense, ressaltou que a União deveria convidar o município a assumir a responsabilidade de uso e manutenção do espaço.

“Acredito que a União mal consegue gerenciar os imóveis públicos do país, como o do trágico incêndio em São Paulo, e deveria reconhecer sua incapacidade de utilização, ou então de subutilização, dos galpões do IBC”.

jardim da penha vitória vitória

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.