ASSINE

Coronavírus: ES entra em estado de emergência em saúde pública

O decreto, publicado no Diário Oficial desta segunda (16), autoriza que o Estado poderá estabelecer isolamento, quarentena, exames médicos, testes laboratoriais e outras medidas profiláticas

Publicado em 16/03/2020 às 08h00
Atualizado em 16/03/2020 às 08h03
Governador do Espírito Santo Renato Casagrande. Crédito:  Hélio Filho/Secom
Governador do Espírito Santo Renato Casagrande. Crédito: Hélio Filho/Secom

O decreto do estado de emergência no Espírito Santo por causa da pandemia de coronavírus foi publicado no Diário Oficial, nesta segunda-feira (16). A partir da data, então, entra em vigor o decreto anunciado pelo governador Renato Casagrande na última sexta-feira (13). 

Esse tipo de ato do governo, que é semelhante ao Decreto de Calamidade Pública, por exemplo, serve na prática para desburocratizar a administração pública, possibilitando a compra mais rápida de medicamentos e materiais hospitalares, além da contratação de profissionais da área por meio da dispensa de licitação. Para justificar o pedido, o governo citou, no texto, "a necessidade do emprego urgente de medidas de prevenção, controle e contenção de riscos, danos e agravos à saúde pública" referentes ao coronavírus. Ele contém medidas sanitárias e administrativas.

Para enfrentamento dessa emergência de saúde, o decreto autoriza que o Estado poderá estabelecer isolamento, quarentena, exames médicos, testes laboratoriais, coleta de amostras clínicas, vacinação e outras medidas profiláticas, tratamentos médicos específicos, estudo ou investigação epidemiológica, exumação, necropsia, cremação e manejo de cadáver; e campanha de comunicação para utilidade pública.

CASOS DE RECUSA

O texto do decreto prevê que nos casos de recusa à realização dos procedimentos recomendados e definidos nesta legislação, como o isolamento, quarentena e exames médicos, por exemplo, os órgãos competentes deverão adotar as medidas administrativas e judiciais cabíveis, com o objetivo de atender o interesse público e evitar o perigo ou risco coletivo.

O decreto de emergência autoriza também o Estado a fazer requisição administrativa para contratar bens ou serviços para tratamento, o que significa que nem todas as medidas vão precisar seguir os ritos legais das licitações, que tem o trâmite mais lento. Será possível fazer contratações com hospitais privados, independentemente da celebração de contratos administrativos, e com profissionais da saúde, sem acarretar formação de vínculo empregatício com a administração pública.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.