ASSINE
Talita Moreti, Rosa Schorling, Sonia Grobério e Emiliana Emery foram pioneiras em espaços predominantemente masculinos no ES
Talita Moreti, Rosa Schorling, Sonia Grobério e Emiliana Emery foram pioneiras em espaços predominantemente masculinos no ES. Crédito: Acervo Pessoal/ Reprodução A Gazeta

Série de A Gazeta conta histórias de mulheres pioneiras no ES

Dia Internacional da Mulher marca a luta pela conquista de direitos e espaço no mercado de trabalho. A Gazeta selecionou as histórias de quatro protagonistas capixabas, que abriram caminho para outras mulheres

Tempo de leitura: 2min
Vitória
Publicado em 05/03/2020 às 10h47
Atualizado em 06/03/2020 às 12h49

Ao longo da história, as mulheres protagonizaram movimentos sociais em todo o mundo. Reivindicaram melhores condições de vida, mudanças nas relações de trabalho, o direito ao voto e a liberdade sexual. 

Este protagonismo, apesar de muitas vezes ser ignorado na história, foi reconhecido mundialmente em 1975, com a oficialização do dia 8 de março como Dia Internacional da Mulher. 

Beatriz Nader

Professora doutora e pesquisadora de História das Relações de Gênero

"Muitos eventos considerados importantes na economia, na política e na sociedade tiveram origem no trabalho e nas reivindicações das mulheres. E, isso não nos é passado na história. É como se fossemos invisíveis. Por isso, essa celebração (Dia da Mulher) é necessária para lembrarmos aos homens, e a muitas mulheres, a nossa importância, e que estamos vivas e vendo o que ocorre ao nosso redor"

O Dia Internacional da Mulher tem origem na luta das mulheres por direitos durante os séculos XIX e XX. A primeira proposta de uma data em homenagem a elas aconteceu em 1910, pela alemã Clara Zektin. Na época, as reivindicações por melhores condições de trabalho, redução da jornada e salários maiores eram pauta de protestos femininos no mundo. 

Dia Internacional da Mulher tem origem nas lutas sociais das mulheres durante os séculos. Crédito: Pixabay
Dia Internacional da Mulher tem origem nas lutas sociais das mulheres durante os séculos. Crédito: Pixabay

No ano seguinte, um incêndio em uma fábrica têxtil nos Estados Unidos matou 130 operárias. O episódio, que foi associado às péssimas condições de trabalho do lugar, fortaleceu a luta pela criação da data, que aconteceu em 1975.

REIVINDICAÇÕES

O Dia Internacional da Mulher nos lembra que ainda temos muitas reivindicações a fazer. As mulheres continuam ganhando menos do que os homens, sendo minoria em cargos de poder e não tendo total direito de decidir sobre o próprio corpo. A igualdade de gênero ainda é ilusão. 

Beatriz Nader

Professora e pesquisadora de História das Relações de Gênero

"Ainda há um grande desprezo por nossos trabalhos, nossas experiências e nossas profissões. A nossa sociedade ainda acredita que política é coisa para homem, por exemplo. Muitas lutas também se fazem necessárias para as mulheres se manterem no mercado de trabalho. Temos ainda a ideia de que o filho é da mãe e é ela quem tem de se responsabilizar por ele"

PIONEIRAS NO ESPÍRITO SANTO

Na busca pela igualdade de gênero, muitas mulheres se destacaram no Espírito Santo. Algumas delas conquistaram direitos que eram exclusivos aos homens, abrindo caminho para outras mulheres.

Tivemos aqui, uma das pioneiras na luta pelo direito de votar. Em Guaçuí, Emiliana Emery foi a terceira mulher a solicitar um título de eleitor à Justiça brasileira, em 1929.

Rosa Schorling foi a primeira mulher aviadora do Estado a primeira paraquedista do Brasil. Crédito: Reprodução Arquivo Pessoal/Gildo Loyola
Rosa Schorling foi a primeira mulher aviadora do Estado a primeira paraquedista do Brasil. Crédito: Reprodução Arquivo Pessoal/Gildo Loyola

Onze anos depois, em 1940, a primeira aviadora do ES, Rosa Schorling, desafiava o paraquedismo. Em um ato histórico no Rio de Janeiro, a capixaba se tornava a primeira mulher a pular de paraquedas no Brasil. 

Em 1973 era a vez de Talita Moretti fazer história no Estado. Ela se tornou a primeira mulher motorista de ônibus do ES, ao dirigir um veículo da viação Alvorada que fazia a linha Ibes-Vitória.

67 mulheres formavam a primeira turma de policiais militar do Estado. Crédito: Polícia Militar do ES
67 mulheres formavam a primeira turma de policiais militar do Estado. Crédito: Polícia Militar do ES

Já no início da década de 80, elas exerciam a carreira militar pela primeira vez no Estado. Uma turma de 67 mulheres foi aprovada no primeiro concurso que permitiu a entrada de mulheres na Corporação. Sonia Groberio e Ada Carniato faziam parte desta seleção. Em 2010, Sonia, então tenente-coronel Sonia, era nomeada a primeira mulher a assumir o comando de um batalhão no Estado. 

Para ressaltar a importância do pioneirismo feminino, A Gazeta vai contar as histórias destas mulheres. Serão quatro reportagens que você vai conferir a partir de hoje, até domingo, quando se celebra o Dia Internacional da Mulher. 

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.