ASSINE

Agora é definitivo: 3ª Ponte vai ficar sem cobrança no sentido Vila Velha

Segundo Júlio Castiglioni, estudos mostraram que a cobrança de R$ 2 em apenas um sentido traz benefícios importantes para parte dos motoristas

Publicado em 15/10/2018 às 11h51
Trânsito na Terceira Ponte congestionado . Crédito: Josué Oliveira | Internauta
Trânsito na Terceira Ponte congestionado . Crédito: Josué Oliveira | Internauta

A cobrança de pedágio em apenas um sentido na Terceira Ponte vai continuar de forma definitiva. A informação foi dada em primeira mão à CBN Vitória (92,5 FM) pelo diretor da Agência Reguladora de Serviços Públicos (Arsp), Júlio Castiglioni. De acordo com ele, não houve nem melhora nem piora na quantidade de veículos que passam pela via, mas outros benefícios apareceram.

A cobrança em apenas um sentido começou no dia 17 de junho e seguiu de forma provisória até o fim da noite deste domingo (14). Segundo Castiglioni, estudos mostraram que a cobrança de R$ 2 em apenas um sentido traz benefícios importantes para parte dos motoristas. Antes havia a cobrança de R$ 1 em cada um dos sentidos da via. 

Dois terços dos 45 mil motoristas que passam por dia na Terceira Ponte não trafegam no horário de pico, segundo o diretor. “Dos 45 mil veículos, 30 mil não passam entre 17 horas e 19h30, então essas pessoas já receberam o benefício de não ter que parar na cabine, pagar, receber o troco e acelerar o veículo - sendo que tem o gasto de tempo pela subida ser íngreme. Diminuiu em até 12% o tempo de travessia da via para essas pessoas”, explicou.

Ainda de acordo com o diretor, quem passa pela cobrança automática - com a tag da Rodosol - também sentiu melhorias, visto que antes havia apenas uma ou duas cabines de cobrança no sentido Vila Velha e agora não há mais nenhuma cobrança. “Havia disputa de faixas. Quem saía da Praça do Cauê, por exemplo, precisava passar por faixas de rolamento até chegar na cabine de cobrança automática. Agora não existe mais isso e eles podem usar qualquer uma das faixas de subida”, declarou.

QUANTIDADE DE VEÍCULOS

O diretor também explicou que não houve mudança na quantidade de veículos que passam pela Terceira Ponte e que, possivelmente, poderiam voltar ou ir para Vila Velha por vias alternativas, como a Segunda Ponte ou as Cinco Pontes, causando impacto no trânsito e também financeiramente no contrato de concessão da via.

Na verdade houve uma queda de veículos que passam pela via, ainda que pequena, de 0,05% em setembro e 0,018% em outubro, na comparação com os mesmos meses de 2017.

“Se o motorista for usar a rota alternativa tem que colocar quanto vai gastar de combustível, e os motoristas perceberam que é melhor voltar pela Terceira Ponte e pagar os R$ 2 de pedágio. Essa percepção do usuário ficou estampada no estudo. Não houve mudança comportamental”, declarou.

Castiglioni declarou ainda que o trânsito nem melhorou nem piorou para boa parte dos motoristas. Segundo ele, há reclamações e elogios à Arsp, mas que essa percepção é relativa e que é necessário outros estudos para aumentar a capacidade de escoamento da via.

“Nem melhorou nem piorou no horário de pico. A capacidade de escoamento da Terceira Ponte está esgotada e rapidamente a via é tomada por veículos. Não tem piora porque não tem uma quantidade maior de veículos passando pela ponte, mas existe essa percepção dependendo do horário que a pessoa passa ou se algum evento acontece. As pessoas acabam relacionando isso à cobrança unidirecional”, explicou.

Com informações da Rádio CBN Vitória

A Gazeta integra o

Saiba mais
terceira ponte vila velha

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.