ASSINE

Pais poupam para os filhos antes do nascimento e criam bebês investidores

Economistas afirmam que longo prazo é fundamental para o rendimento do dinheiro. Eles ainda apontam as melhores opções para quem quer criar um fundo para as crianças

Publicado em 09/08/2020 às 07h30
Atualizado em 09/08/2020 às 07h30
Julie Loureiro Frigini, 4 anos, com os pais Igor e Thaisa. Crédito:  Igor Frigini
Julie Loureiro Frigini, 4 anos, com os pais Igor e Thaisa. Crédito:  Igor Frigini

Julie Loureiro Frigini tem apenas 4 anos. Assim como as outras crianças da mesma idade, ela  ainda não está preocupada em escolher uma faculdade nem em saber quanto custa a mensalidade de uma. Mas o pai Igor Frigini já tinha isso em mente antes mesmo de a menina nascer. Logo que descobriu a gravidez da esposa, Thaisa Loureiro Frigini, ele resolveu criar uma poupança para a filha.

Com 10 meses, Julie já era titular de uma caderneta e previdência privada. Todo mês o pai deposita uma quantia nas contas. Além de pagar a faculdade, o dinheiro é uma garantia para o futuro da menina.

Muitos pais podem achar precoce guardar um dinheiro que os filhos só vão usar com quase 18 anos. Mas, o educador financeiro e sócio da Valor Investimentos, Luiz Alberto Caser, afirma que o tempo é o principal aliado dos pais.

Caser, com 35 anos, ainda não tem filhos, mas desde os 30 anos já investe todo mês uma quantia destinada ao futuro da criança, e aconselha: 

Data: 16/12/2019 - Luiz Alberto Caser, da Valor Investimentos
Luiz Alberto Caser, da Valor Investimentos, já poupa para um futuro filho. Crédito: Valor Investimentos/Divulgação

Luiz Alberto Caser

Sócio da Valor Investimentos

"Quanto antes conseguir investir, melhor, porque aí você tem um horizonte de pelo menos 18 anos pela frente. Tempo e longo prazo é o que faz mais diferença para o valor que vai ser poupado"

Começar a poupar pode ser um processo difícil. O educador financeiro afirma que a melhor ferramenta é a organização dos pais. “O primeiro passo é definir uma razão. E pode ser uma ou mais: pagar uma faculdade, um intercâmbio no exterior, comprar um carro. É importante fazer uma estimativa de quanto isso vai custar, e saber o quanto você tem agora e o quanto pretende ter”. 

Caser recomenda ainda que os pais revejam as próprias contas para decidir o valor que vai ser investido. “Não existe um valor certo. Tem que começar com o quanto você pode, e aí projetando o valor de acordo com o planejamento da família”, afirma.

POUPANÇA, PREVIDÊNCIA, AÇÕES, TÍTULOS: QUAL A MELHOR OPÇÃO?

Renan Lima é planejador financeiro e sócio da Alphamar Investimentos
Renan Lima é planejador financeiro e sócio da Alphamar Investimentos. Crédito: Divulgação

Renan Lima

Planejador financeiro da Alphamar Investimentos

"No passado quase toda criança nascia com uma caderneta de poupança. Hoje existem opções melhores"

Com o rendimento da poupança tendo caído nos últimos anos, chegando agora a ter juro negativo, segundo o planejador financeiro da Alphamar Investimentos, Renan Lima, uma boa alternativa é o Tesouro Direto. “É a nova poupança, principalmente para quem quer fazer o dinheiro render em um curto prazo, sem correr riscos”, afirma

O Tesouro Direto oferece títulos públicos federais com diferentes tipos de rentabilidade e diferentes aplicações prazos de vencimento. Além disso, o investimento também é acessível para quem não podem comprometer muito a renda, já que os pais podem fazer aplicações mensais a partir R$ 30.

Qualquer pessoa que tem CPF e uma conta bancária, seja corrente ou poupança, em um banco ou uma corretora, pode investir. No site do Tesouro é possível saber se seu banco está na lista de instituições habilitadas.

O cadastro deve ser feito diretamente na instituição financeira escolhida. Com dinheiro na conta, você pode investir pela plataforma do próprio banco em que o cadastro foi feito, ou pelo site e app do Tesouro Direto.

site do Tesouro ainda disponibiliza a opção de simular de como o dinheiro que vai ser investido pode render, assim os pais conseguem saber qual a melhor aplicação e o quanto precisam aplicar para alcançar determinado objetivo.

Para abrir conta numa corretora,  na maioria das vezes, a criança precisa ter Carteira de Identidade. Algumas agências, no entanto, aceitam a Certidão de Nascimento. Além disso, os documentos dos pais também devem ser apresentados.

O educador financeiro, Caser, afirma que o principal é que os pais se sintam confortáveis tanto financeiramente quanto com a escolha do investimento. “Pais mais conservadores, que não querem ou não podem arriscar o investimento, podem optar pela previdência privada”.

“E para os querem investir em ações, uma opção pode ser aplicar em papéis da própria empresa que o pai ou a mãe trabalha”, recomenda.

ENVOLVA AS CRIANÇAS

Além dos benefícios financeiros, realizar investimentos pode ser o primeiro passo para educação financeira dos filhos. O planejador de investimentos Renan, afirma que se os pais querem criar um adulto investidor, o incentivo a poupança deve vir desde cedo.

O planejador fala isso por experiência própria. Quando o irmão caçula, Felipe Lima, tinha 3 anos, Renan começou a comprar ações de empresas no nome do jovem. Graças ao incentivo do irmão, Felipe, hoje com 20 anos, cursa Economia e desde os 16 anos já vem conquistando a sua independência financeira.

Para que as crianças entendam o valor do dinheiro, os pais podem criar dinâmicas onde os filhos são recompensadas quando fazem uma tarefa de casa, por exemplo, ou quando deixam de comprar um brinquedo mais caro por um mais barato.

“Assim você ensina que é poupar agora para usar no futuro”, aponta o educador financeiro, Caser. Para ele, todo o incentivo é positivo, e os pais podem se surpreender com os pequenos empreendedores que tem dentro de casa.

Criança tem que aprender sobre investimentos desde cedo
Criança tem que aprender sobre investimentos desde cedo. Crédito: Freepik

O QUE OS BANCOS OFERECEM

Sabendo do aumento da procura por produtos financeiros voltados para as crianças, os bancos e corretoras vêm apostando cada vez mais em serviços e investimentos para esse público. Os pais podem contar com uma diversidade de opções desde previdência privada até fundos de ações.

Bradesco Seguros

Bradesco tem o Plano Sobmedida Conservador Prev Jovem é indicado para pais interessados em investir recursos para a educação dos filhos, garantindo escola, universidade e desenvolvimento profissional dos dependentes.

Com esse plano é possível fazer uma contribuição a partir de R$ 50 na contratação do plano e outros aportes adicionais de no mínimo R$ 5, que podem ser feitos a qualquer momento.

As contribuições realizadas para o plano ainda podem ser deduzidas nas declarações de Imposto de Renda, com formulário completo, até o limite de 12% da renda anual tributável. A cada faixa de saldo atingindo, o investimento migra automaticamente para um fundo com menor taxa de administração, e consequentemente mais rendimento.

Banco do Brasil

No Banco do Brasil, os pais só precisam que a criança tenha CPF para abrir uma conta poupança. Com aplicativo BB, é possível também acessar a ferramenta “Investir com um Objetivo”. Inserindo poucos dados, como prazo, contribuição mensal e meta financeira a ser alcançada, a partir do perfil do investidor, a solução já sugere uma carteira de investimentos completa, com a contratação em um único clique.

Os pais, por exemplo, podem criar um objetivo “faculdade do filho”, ao mesmo tempo em que podem ter outros planos, como “casa nova”, e assim por diante. Essa solução permite que as famílias organizem seu orçamento e suas reservas financeiras.

Outro produto oferecido é o Brasilprev Junior, um plano de previdência privada. Neste plano, os pais podem contribuir desde os primeiros dias de vida da criança, até que complete 21 anos.

Ele traz uma gama variada de fundos, que podem ser acessados a partir de contribuições mensais de R$ 100,00. No site do banco, os pais podem encontrar mais informações sobre como contratar o fundo, além de fazer simulação do investimento.

Além disso, para incentivar a diversificação de investimentos, a gestora de fundos do Banco do Brasil, a BB DTVM, tem em seu portfólio fundos de ações com temáticas atuais debatidas no âmbito escolar, como: equidade de gênero, sustentabilidade, saúde e bem-estar e tecnologia. É possível encontrar fundos com aplicação inicial a partir de R$ 15.

Banco Inter

Voltada para crianças e adolescentes, o Banco Inter oferece a Conta Kids. A conta é gratuita e dá acesso à plataforma de investimento do banco, possibilitando a aplicação em modalidades como renda fixa, fundos de investimento, previdência privada, renda variável e ofertas públicas.

Para abrir a conta é necessário que a criança tenha CPF e RG, além dos documentos do responsável. As informações de como o processo pode ser feito podem ser encontradas no site do banco.

Santander

O Santander tem o Prev Primeiros Passos, um plano de previdência para crianças e adolescentes. Os pais podem encontrar várias alternativas para investir mensalmente, do perfil conservador ao mais arrojado.

As informações estão no site do banco, onde também é possível simular o rendimento do valor que será investido, e saber o que é necessário para contratar o plano.

Itaú

O banco Itaú também tem um plano de previdência para as crianças. É indicado para investimentos na educação dos filhos. Segundo informações encontradas no próprio site do banco, a conta pode ficar tanto no nome do filho quanto de um dos pais.

No site, os pais encontram mais informações sobre como contratar o plano, e também é possível simular o valor que vai ser resgatado no futuro.

XP Investimentos

A corretora também oferecer serviços votados para o público infantil, como previdência privada. A empresa oferece três possibilidades: uma que coloca a criança como titular com seu CPF próprio; outra como titular, mas com a mãe ou pai como os responsáveis; a terceira é colocando o filho como beneficiário. 

A empresa também permite que sejam feitos outros investimentos em nome da criança, mas é preciso apresentar todas as documentações para conseguir fazer o cadastro.

BTG Pactual

Também oferece uma gama de produtos de previdência privada, além de possibilidades de investimentos em renda fixa, Tesouro Direito e renda variável.

A conta da criança tem os mesmos benefícios de outra comum. Não há taxa de manutenção, independente da frequência de movimentação da conta, além disso, também não se cobra TED nem custódia para renda fixa, Tesouro Direto e outros investimentos. Há a cobrança de taxa de administração e de performance em alguns fundos.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Economia Previdência do ES crianca previdência

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.