ASSINE

Bolsa supera 118 mil pontos e mostra otimismo de investidores no país

No primeiro pregão do ano a B3 foi impactada pelo otimismo global e também pelas perspectivas futuras para o Brasil

Publicado em 02/01/2020 às 20h46
Atualizado em 09/01/2020 às 15h02
Bolsa de valores. Crédito: Pixabay
Bolsa de valores. Crédito: Pixabay

No primeiro dia útil do ano a Bolsa brasileira bateu um novo recorde. A sessão que abriu o ano de 2020 para o mercado financeiro, nesta quinta-feira (2),  refletiu o otimismo internacional. O pregão do ano e encerrou a sessão em nova máxima histórica do Ibovespa - principal indicador do desempenho médio das ações negociadas na B3 - com avanço de 2,53%, aos 118.573,10 pontos. O volume financeiro foi de R$ 20,99 bilhões. 

 O último recorde registrado pela B3 tinha sido no dia 26 de dezembro, quando encerrou o dia em 117.203 pontos. Especialistas apontam que  a expectativa de avanço nas negociações entre Estados Unidos e China para reduzir a tensão comercial entre as duas maiores potências econômicas do mundo e a decisão do Banco Central chinês pela redução da parcela dos depósitos que os bancos devem manter como reserva, de 13% para 12,5% foram alguns dos impulsionadores do mercado de ações brasileiro.

Na última sessão do ano de 2019, o Ibovespa recuou 0,76%, em um movimento natural de investidores realizando lucros. Durante o ano passado a alta acumulada pela B3 foi de 31,58%, que é a maior variação anual desde 2016. 

Pedro Lang, economista e sócio da Valor Investimentos,  afirma que além da percepção do cenário externo ter melhorado bastante, a tendência é que 2020 seja um ano bom para os investimentos em bolsa, com menos volatilidade e com menor risco. "Sobretudo por conta da melhor relação entre Estados Unidos e China e ser um ano de eleição presidencial nos Estados Unidos. No início do ano o mercado começa a precificar essas coisas. A gente não deve ver a inflação subindo ou alta de juros no mercado internacional, o que faz com que  fiquemos confortáveis em relação à bolsa", explica. 

Além disso, o especialista aponta que na virada do ano existe um fenômeno interessante que se repete anualmente: os meses de dezembro e janeiro são positivos.

Internamente o país vê um primeiro ano de especulações sobre o governo chegar ao fim.  O sócio da Alphamar investimentos, Renan Lima, aponta que a manutenção da economia e a redução das taxas de juros vêm fazendo o valor das companhias se elevar, o que reflete no lucro das empresas e, consequentemente, no preço de suas ações.

"Tivemos um ano de prova com um primeiro ano do governo do novo presidente (Jair Bolsonaro) e a aprovação da reforma da Previdência, um fato gerado e não apenas especulação. Isso dá um voto de confiança para o mercado de que as coisas podem caminhar. Junto a isso estão outras reformas que devem sair do papel ainda em 2020", aponta.

MAIOR OFERTA DE DÓLARES DENTRO DO PAÍS 

Números do Banco Central apontam que o Brasil acumulou saída líquida de pouco mais de US$ 43 bilhões até 27 de dezembro. Mas, a expectativa de mais ofertas de ações em 2020 somada ao alívio nas tensões comerciais alimentam esperanças de uma melhora no fluxo cambial. O mercado projeta taxa de R$ 4,08 ao fim de 2020, segundo a mais recente pesquisa Focus do Banco Central.

Profissionais do mercado têm citado as expectativas de fortalecimento da economia como um suporte à taxa de câmbio, já que tal movimento poderia atrair mais fluxo de capital - com consequente aumento da oferta de moeda no país. Nesta quinta-feira, a moeda americana fechou em alta de 0,32% - cotada a R$ 4,026.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.