ASSINE

58 mil pessoas desistiram de procurar emprego no ES

Número de pessoas que, apesar da necessidade, pararam de buscar emprego cresceu 78,2% em relação ao segundo trimestre de 2019

Publicado em 28/08/2020 às 15h36
Atualizado em 28/08/2020 às 15h37
Desempregado
Apesar da necessidade, 58 mil pessoas desistiram de procurar emprego no ES. Crédito: Freepik

Em meio à pandemia, o número de pessoas desalentadas, isto é, que desistiram de buscar emprego apesar da necessidade, chegou a 58 mil no Espírito Santo no segundo trimestre deste ano, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

São consideradas desalentadas as pessoas que não buscam emprego por considerar que não conseguiriam um trabalho adequado, que não tem a experiência profissional ou qualificação necessária, que não conseguiram emprego por serem jovens ou idosas demais, ou simplesmente por não haver trabalho na área em que vivem.

O quantitativo de pessoas nessa situação saltou 40,8% em relação ao trimestre anterior, pois, até então, havia 41 mil desalentados no Estado. O resultado na comparação com o segundo trimestre de 2019 preocupa ainda mais. Entre abril e junho do ano passado, o Estado contava com 33 mil desalentados, o que significa que, em um ano, a quantidade de pessoas que desistiram de buscar emprego aumentou em 78,2%.

Também houve aumento na força de trabalho potencial, formada por dois grupos: pessoas que realizaram busca efetiva por trabalho, mas não se encontravam disponíveis para trabalhar na semana de referência da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad),  e pessoas que não haviam realizado busca efetiva por trabalho, mas gostariam de ter um trabalho e estavam disponíveis para trabalhar. O número saltou de 94 mil no primeiro trimestre, para 158 mil entre abril e junho, uma variação de 68,9%.

O número de pessoas sem remuneração foi engrossado pelas demissões ocorridas durante o período de crise.  Cerca de 139 mil pessoas deixaram o grupo de ocupadas, no segundo trimestre deste ano, no Espírito Santo, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.