ASSINE

Obra de engordamento na Praia de Camburi deve ser concluída em junho

O objetivo da ampliação é evitar que o processo de erosão destrua quiosques e o calçadão. Com a ação, a praia terá 1.180 metros de extensão restaurados

Publicado em 01/06/2020 às 16h00
Atualizado em 01/06/2020 às 17h58
Vitória - ES - Equipamento instalado na Praia de Camburi para obra de engordamento da faixa de areia.
Equipamento instalado na Praia de Camburi para obra de engordamento da faixa de areia. Crédito: Vitor Jubini

A obra de ampliação da faixa de areia, ou de engordamento, como é chamada, na Praia de Camburi, em Vitória, teve início no dia 15 de maio e deverá ser concluída neste mês de junho. O objetivo da ampliação é evitar que o processo de erosão destrua quiosques e o calçadão. Com a ação, a faixa de areia da praia terá 1.180 metros de extensão restaurados, que vão desde a Ilha do Socó até o Píer de Iemanjá. A largura será de 59,1 metros.

Obra semelhante também ocorreu na Curva da Jurema, também na capital, com início no dia 11 de maio, tendo sido concluída no dia 16 do mesmo mês, em uma extensão de 430 metros de praia. As duas obras, de acordo com o secretário de Meio Ambiente de Vitória, Ademir Barbosa Filho, custarão em torno de R$ 3 milhões aos cofres públicos.

Para justificar a diferença de duração entre as duas obras de engordamento, a Prefeitura Municipal de Vitória (PMV) explica que é preciso levar em consideração que a praia de Camburi é mais extensa e o volume de areia é maior. De acordo com a administração municipal, os trabalhos são feitos 24 horas por dia, durante toda a semana, inclusive aos sábados e domingos. Com isso, a obra já se encontra 35% concluída.

COMO É FEITO O ENGORDAMENTO

Ainda segundo a PMV,  estão sendo utilizados, aproximadamente, 290.000,00 m³ de sedimentos compatíveis com a praia nativa, que é dragado e bombeado por meio de uma "tubulação de recalque flutuante", que nada mais é do que o tubo que pode ser visto na areia durante a obra, de até 2 mil metros. A areia na praia está sendo movimentada por equipamentos de terraplenagem, como tratores esteiras e escavadeiras hidráulicas.

Os sedimentos que são realocados na areia de Camburi são trazidos das chamadas jazidas de empréstimo, que são locais que doam areia. "Imagine as dunas de Itaúnas, são montanhas com areia submersa. Atrás da Ilha do Frade existem dunas de areias submersas também e os sedimentos para as obras são transportados de lá", explicou o secretário.

Para a autoridade, com a obra haverá maior proteção aos quiosques e restauração da área da praia. "O engordamento é feito por meio da dragagem e em conformação de um aterro hidráulico. Com ela, será dado maior espaço para os usuários e maior proteção. A recomposição da praia permitirá o plantio de restinga em toda a extensão da orla, para mitigar o processo erosivo no local e melhorar a qualidade ambiental da cidade", explicou.

Com informações de Diony Silva para a TV Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.