ASSINE

No dia de Iemanjá, conheça a história da estátua que dá nome ao píer

Estátua de Iemanjá, localizada na orla de Camburi, completa 33 anos em dezembro de 2021

Publicado em 02/02/2018 às 13h42
Atualizado em 02/02/2021 às 10h29

Quem passa pela orla de Vitória, próximo à Ponte de Camburi, se depara com a imponente estátua de Iemanjá, com seus cabelos longos e vestido azul. No dia 02 de fevereiro, as religiões do Candomblé e  da Umbanda comemoram o dia da padroeira dos pescadores. 

O pôr do sol visto do Píer de Iemanjá
O pôr do sol visto do Píer de Iemanjá . Crédito: Vitor Jubini

A estátua em Vitória já tem 32 anos de idade.  Em 1988, a estátua foi encomendada pelo prefeito de Vitória, na época, Hermes Laranja. O objetivo era homenagear os praticantes dos cultos afro-brasileiros do Estado. O monumento tem 3,60 m de altura, além da base.

O píer, com largura variando entre 4,70 metros e 4,10 metros, quando inaugurado, tinha como objetivo atenuar problemas de erosão na praia de Camburi, causados por mudança no regime das correntes, considerada como provável conseqüência de aterros realizados no Porto de Tubarão.

Em 1988, o píer foi institucionalizado como ponto turístico, com a inauguração do Monumento a Iemanjá. Segundo registra Willis de Faria, em “Catálogo dos Monumentos Históricos e Culturais da Capital”, o monumento é uma homenagem às tradições afro-brasileiras. A “rainha do mar” apresenta-se de corpo inteiro e mãos abertas, com suas vestes na cor azul celestial.

O monumento, em concreto armado, foi concebido por Iannis Zavoudakis, artista de nacionalidade grega, radicado no Espírito Santo. Traz como inscrição a frase “A luz do sol ilumina a terra, a luz de Deus os que tem fé.

Imagens de drone da Praia de Camburi
Imagens de drone da Praia de Camburi - Pier de Iemanjá. Crédito: Luciney Araújo

Inauguração marcada por homenagem

A pesquisa do Cedoc da Rede Gazeta encontrou a página do Jornal A Gazeta do dia seguinte à inauguração da estátua de Iemanjá. Confira:

Página do Jornal A Gazeta em 1º de janeiro de 1989. Crédito: Reprodução
Página do Jornal A Gazeta em 1º de janeiro de 1989. Crédito: Reprodução

A estrutura do píer

Em 2008, as obras de revitalização do píer de Iemanjá previram a instalação de suportes para varas de pesca na escadaria, que foi refeita para se tornar uma espécie de arquibancada. A proposta era otimizar o uso do píer como espaço contemplativo, além de oferecer condições para os pescadores e para o culto a Iemanjá.

Além disso, em cada lateral da arquibancada, uma escadaria com guarda-corpo facilita o acesso à arquibancada e ao mar, atendendo a pescadores, turistas e visitantes em geral. Para quem quer cultuar a “rainha do mar”, o píer conta com um velário junto ao pedestal da imagem da divindade religiosa do espiritismo.

Estátua de Iemanjá na Praia de Camburi - 2010
Estátua de Iemanjá na Praia de Camburi - 2010. Crédito: Rodrigo Rezende

Este vídeo pode te interessar

Conteúdo originalmente publicado em 02 de fevereiro de 2018. 

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.