> >
Cuidadora é exonerada e investigada após morder aluno de 3 anos em Cachoeiro

Cuidadora é exonerada e investigada após morder aluno de 3 anos em Cachoeiro

Caso ocorreu na última semana e a cuidadora confessou ter mordido a criança, mas alegou ter sido uma brincadeira; caso é investigado pela polícia

Publicado em 27 de maio de 2024 às 17:31- Atualizado há 17 dias

Ícone - Tempo de Leitura 2min de leitura
Sara Oliveira
Repórter / [email protected]

A cuidadora de uma escola de educação básica de Cachoeiro de Itapemirim, no Sul do Espírito Santo, foi exonerada após uma criança relatar ter sido mordida pela profissional dentro da instituição na última semana. Segundo a mãe, a cuidadora disse se tratar de uma "brincadeira".

Aspas de citação

Fiquei com muita raiva [quando soube], comecei a tremer, porque a gente vê a inocência dele. Uma cuidadora fazer uma coisa dessas? É revoltante demais

x
Mãe da criança
Aspas de citação

Por se tratar de um caso envolvendo menor de idade, o nome e localização da escola não serão informados para preservar a integridade da criança.

A mãe relata que soube do caso na última quarta-feira (22), quando a instituição ligou para ela relatando que o filho tinha sido mordido por uma colega de classe. Porém, conversando com o filho em casa, ele relatou que, na verdade, quem o mordeu foi a cuidadora. “Ele falava: ‘não mãe, foi a tia”, relembra a mãe.

No dia seguinte, a moradora foi até a instituição e relatou a versão do filho, cobrando explicações da instituição. Segundo a mãe, após ser confrontada pela gestão da unidade, a profissional confessou que deu a mordida, mas disse se tratar de uma brincadeira com a criança, que também teria mordido ela.

A mãe relata que teve acesso às imagens de monitoramento da instituição, que mostram a cuidadora levando o filho até o banheiro. “Dá para ver que ele já sai de lá com o bracinho pendurado”, disse após assistir ao material gravado.

De acordo com a Prefeitura de Cachoeiro de Itapemirim, além da exoneração da cuidadora, um processo administrativo foi instaurado e o caso foi comunicado ao Conselho Tutelar e ao Ministério Público. A mãe também registrou um boletim de ocorrência na Polícia Civil.

Procurada, a PCES disse que o caso segue sob investigação da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente e ao Idoso (DPCAI) de Cachoeiro de Itapemirim. Por envolver menor de idade, o caso segue sob sigilo.

Sobre o caso, o Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), por meio da Promotoria de Justiça de Cachoeiro de Itapemirim, informou que não houve ainda o recebimento dos autos referentes ao caso em tela. Ao chegarem ao órgão ministerial, segundo o órgão, serão analisados para a adoção das providências cabíveis.

Por meio de nota, o Conselho Tutelar informou que todas as medidas foram tomadas, que o caso foi encaminhado a Vara da Infância e e ao Ministério Público. Em caso de violência o caso é encaminhada para atendimento psicológico.

Este vídeo pode te interessar

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rapido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta

A Gazeta integra o

The Trust Project
Saiba mais