ASSINE
Cerejeiras do Bosque Kaoru Kumazawa viram atração turística a cada inverno capixaba
Cerejeiras do Bosque Kaoru Kumazawa viram atração turística a cada inverno capixaba. Crédito: Christian Nascimento

A história por trás do Bosque das Cerejeiras de Pedra Azul, no ES

Com diversas árvores cobertas por flores em tons de rosa e lilás, o local virou point do Espírito Santo, atraindo milhares de visitantes

Publicado em 04/08/2021 às 19h10

Domingos Martins, na região Serrana do Espírito Santo, é destino certo de turistas e capixabas quando as temperaturas caem, mas um ponto específico da região, em Pedra Azul, ganha destaque durante um curto período de tempo: o Bosque das Cerejeiras.

Com diversas árvores cobertas por flores em tons de rosa e lilás, o local virou point do Espírito Santo, atraindo milhares de visitantes. Mas você, que talvez até já tenha uma foto registrada lá, sabe a história por trás do lugar e o significado das cerejeiras? Para chegar às respostas, vamos voltar no tempo.

Cerejeiras floridas no bosque em Pedra Azul, durante o inverno de 2019
Cerejeiras floridas no bosque aos pés da Pedra Azul, durante o inverno de 2019. Crédito: Christian Nascimento

Antes das árvores colorirem o espaço, o terreno era uma área de pastagem, que até hoje pertence ao Instituto Erling Lorentzen. A plantação foi feita em 7 de setembro de 2008 — ano em que foi comemorado o centenário da imigração japonesa no Brasil. A ideia era deixar um legado e comemorar a data histórica.

Ao todo, são 74 cerejeiras de três espécies: 

  • Okinawa (Prunus Cerasóides Campanula) 
  • Himalaya (Prunus Cerasóides)
  • Yukiwari (Prunus Lannegiana)

É justamente na ordem acima que elas florescem, além de ser a sequência apreciada pelas pessoas, caso andem em linha reta, após a entrada no bosque.

Localizado em Domingos Martins, Bosque das Cerejeiras vira atração durante algumas semanas do inverno capixaba
Localizado em Domingos Martins, Bosque das Cerejeiras vira atração durante algumas semanas do inverno capixaba. Crédito: Fabrício Yee

A espécie Himalaya, cujas flores costumam brotar no final de julho, é a que aparece em maior quantidade, com 40 exemplares. Por isso, a beleza que ela proporciona acaba sendo mais vistosa. Já a Okinawa floresce no final de junho e a Yukiwari no início de agosto. Os espetáculos duram cerca de duas semanas.

Yochimassa Fujihara

Conselheiro da Associação Nikkei de Vitória

"Como o tempo de florada é muito lindo, mas muito pequeno, a cerejeira representa a vida como ela é: bonita e breve"

Cada árvore recebeu o nome da família que fez o respectivo plantio. A maioria é de japoneses: Hashimoto, Isozaki, Nakamura, Kawasaki... Mas há algumas que prestaram homenagens a políticos da época, como o ex-governador Paulo Hartung, e a entidades como o Instituto Estadual de Meio-Ambiente (Iema).

Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho em 2021, atraindo centenas de pessoas por dia. Crédito: Divulgação | Associação Nikkei de Vitória

Logo na entrada também se destacam dois exemplares de cerejeiras que "escapam" da comunidade nipônica: o pé batizado de Eliezer (Batista) e o outro de (Erling) Lorentzen – duas personalidades emblemáticas na história do Espírito Santo e essenciais para que o Bosque das Cerejeiras virasse realidade.

  • Eliezer Batista: ex-presidente da Vale e ex-ministro de Minas e Energia foi responsável por projetar o Porto de Tubarão, em Vitória, importante vetor da economia capixaba. Além de grande fã de Pedra Azul.
  • Erling Lorentzen: membro da família real norueguesa, ele comandou um pelotão contra os alemães na Segunda Guerra Mundial. Na década de 1960, ele foi o fundador da antiga Aracruz Celulose, no Norte do Estado.

"Por causa da exportação de minério, o Eliezer tinha uma relação e simpatia muito grande com o Japão. Foi por intermédio dele que chegamos ao Lorentzen, que foi muito simpático e receptivo, permitindo que fizéssemos o bosque no terreno dele", conta Yochimassa Fujihara, conselheiro da Associação Nikkei de Vitória.

Data: 29/06/2018 - ES - Pedra Azul - Na região de Domingos Martins, apesar de ser uma região culturalmente sob influência alemã e italiana, os proprietários rurais investem em um paisagismo oriental como essa árvore de cerejeira onde uma ave repousa - Editoria: Opinião - Foto: Marcelo Prest - GZ
Ave repousa em um dos galhos das cerejeiras em Domingos Martins. Crédito: Marcelo Prest  | Arquivo A Gazeta

Representante da comunidade japonesa no Espírito Santo, a Associação Nikkei de Vitória foi a responsável por tomar a iniciativa e buscar meios de concretizá-la. O distrito de Pedra Azul foi escolhido porque as cerejeiras só se desenvolvem em locais de maior altitude, em regiões de montanha. O acesso fácil ao local também contribuiu.

Sakura

de pronúncia "sakurá", é a palavra em japonês que significa cerejeira

"Quando essa ideia começou a se mostrar viável, encontramos um especialista em cerejeiras em São Paulo. O nome dele era (Shinichi) Oki. Contratamos ele para vir e dar todo o apoio. As mudas vieram de avião e pequenas, com, no máximo, um metro de altura", lembra Fujihara, sobre o desenvolvimento do projeto.

Apesar da logística e mão de obra interestadual, a concretização do bosque não gerou altas despesas. "Pagamos pela consultoria, que determinou o melhor lugar para a árvore ser plantada, e pelas mudas, que custaram de R$ 15 a R$ 20 cada. O resto do trabalho foi todo voluntário, incluindo a preparação do terreno", disse.

Nascido no Japão, o agrônomo Oki contava que existem mais de mil espécies de cerejeiras. "Essas três espécies que temos aqui são as que se adaptaram melhor ao Brasil, mas são vários tipos: com flores mais claras, mais escuras, mais 'encacheadas'... tem muita variedade", afirma Fujihara.

Cerejeiras floridas no bosque em Pedra Azul, durante o inverno de 2019
Cerejeiras floridas no bosque em Pedra Azul durante o inverno de 2019 . Crédito: Christian Nascimento

No Japão, durante o período da florada das sakuras já centenárias, uma prática secular vem à tona: o hanami. O ato consiste em ver e, mais do que isso, apreciar as flores. "Eles fazem piquenique e visitação. É uma época festiva para os japoneses", revela o descendente.

Embora o nome oficial e atual não seja conhecido por muitos, o Bosque das Cerejeiras se chama, na verdade, "Bosque Kaoru Kumazawa" e é uma homenagem póstuma ao engenheiro civil, que era muito ativo e querido em Pedra Azul. Ele faleceu em 2011, ano em que o local recebeu o nome.

Cerejeiras floridas no bosque em Pedra Azul, durante o inverno de 2019
Nas cerejeiras rosas, símbolo do Japão, pousa um pássaro com as cores do Brasil. Crédito: Christian Nascimento

Vice-presidente do Instituto Lorentzen, o agrônomo Edimar Binotti destaca que Kaoru foi uma espécie de padrinho do projeto. "Ele, junto ao Fujihara, o nosso guru, estava correndo atrás de uma área, e eu participei dessa busca para ter cerejeiras aqui no Estado. Era a paixão dele, por simbolizar a vida", relembra.

Bosque das Cerejeiras: um encanto em Domingos Martins

O Bosque das Cerejeiras, em Pedra Azul, atrai até 2 mil turistas por fim de semana. Árvores exóticas ficam floridas só no inverno, entre julho e agosto, todos os anos no Espírito Santo
O Bosque das Cerejeiras, em Pedra Azul, atrai até 2 mil turistas por fim de semana. Árvores exóticas ficam floridas só no inverno, entre julho e agosto, todos os anos no Espírito Santo. Pedra Azul Ecologia/Divulgação
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano. Divulgação / Associação Nikkei de Vitória
Cerejeiras colorem o cenário já naturalmente bonito de Pedra Azul, em Domingos Martins
Cerejeiras colorem o cenário já naturalmente bonito de Pedra Azul, em Domingos Martins. Christian Nascimento
Localizado em Domingos Martins, Bosque das Cerejeiras vira atração durante algumas semanas do inverno capixaba
Localizado em Domingos Martins, Bosque das Cerejeiras vira atração durante algumas semanas do inverno capixaba. Fabrício Yee
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano. Divulgação / Associação Nikkei de Vitória
Localizado em Domingos Martins, Bosque das Cerejeiras vira atração durante algumas semanas do inverno capixaba
Localizado em Domingos Martins, Bosque das Cerejeiras vira atração durante algumas semanas do inverno capixaba. Fabrício Yee
Primeira florada completa do Bosque das Cerejeiras, em Domingos Martins, aconteceu em 2014
Primeira florada completa do Bosque das Cerejeiras, em Domingos Martins, aconteceu em 2014. Divulgação | Associação Nikkei de Vitória
Bosque das Cerejeiras floriu na segunda quinzena de julho neste ano
Bosque das Cerejeiras floriu na segunda quinzena de julho neste ano. Divulgação | Associação Nikkei de Vitória
Cerejeiras floridas no bosque em Pedra Azul, durante o inverno de 2019
Cerejeiras floridas no bosque em Pedra Azul, durante o inverno de 2019. Christian Nascimento
Cerejeiras do Bosque Kaoru Kumazawa viram atração turística a cada inverno capixaba
Cerejeiras do Bosque Kaoru Kumazawa viram atração turística a cada inverno capixaba. Christian Nascimento
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano. Divulgação / Associação Nikkei de Vitória
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano. Divulgação / Associação Nikkei de Vitória
Cerejeiras do Bosque Kaoru Kumazawa viram atração turística a cada inverno capixaba
Cerejeiras do Bosque Kaoru Kumazawa viram atração turística a cada inverno capixaba. Christian Nascimento
Cerejeiras do Bosque Kaoru Kumazawa viram atração turística a cada inverno capixaba
Cerejeiras do Bosque Kaoru Kumazawa viram atração turística a cada inverno capixaba. Christian Nascimento
O Bosque das Cerejeiras, em Pedra Azul, atrai até 2 mil turistas por fim de semana. Árvores exóticas ficam floridas só no inverno, entre julho e agosto, todos os anos no Espírito Santo
O Bosque das Cerejeiras, em Pedra Azul, atrai até 2 mil turistas por fim de semana. Árvores exóticas ficam floridas só no inverno, entre julho e agosto, todos os anos no Espírito Santo. Pedra Azul Ecologia/Divulgação
Primeira florada completa do Bosque das Cerejeiras, em Domingos Martins, aconteceu em 2014
Primeira florada completa do Bosque das Cerejeiras, em Domingos Martins, aconteceu em 2014. Divulgação | Associação Nikkei de Vitória
Primeira florada completa do Bosque das Cerejeiras, em Domingos Martins, aconteceu em 2014
Primeira florada completa do Bosque das Cerejeiras, em Domingos Martins, aconteceu em 2014. Divulgação | Associação Nikkei de Vitória
Localizado em Domingos Martins, Bosque das Cerejeiras vira atração durante algumas semanas do inverno capixaba
Localizado em Domingos Martins, Bosque das Cerejeiras vira atração durante algumas semanas do inverno capixaba. Fabrício Yee
Localizado em Domingos Martins, Bosque das Cerejeiras vira atração durante algumas semanas do inverno capixaba
Localizado em Domingos Martins, Bosque das Cerejeiras vira atração durante algumas semanas do inverno capixaba. Fabrício Yee
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano. Divulgação / Associação Nikkei de Vitória
Primeira florada completa do Bosque das Cerejeiras, em Domingos Martins, aconteceu em 2014
Primeira florada completa do Bosque das Cerejeiras, em Domingos Martins, aconteceu em 2014. Divulgação | Associação Nikkei de Vitória
Primeira florada completa do Bosque das Cerejeiras, em Domingos Martins, aconteceu em 2014
Primeira florada completa do Bosque das Cerejeiras, em Domingos Martins, aconteceu em 2014. Divulgação | Associação Nikkei de Vitória
Primeira florada completa do Bosque das Cerejeiras, em Domingos Martins, aconteceu em 2014
Primeira florada completa do Bosque das Cerejeiras, em Domingos Martins, aconteceu em 2014. Divulgação | Associação Nikkei de Vitória
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano. Divulgação / Associação Nikkei de Vitória
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano
Árvores do Bosque das Cerejeiras floriram na segunda quinzena de julho neste ano

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.