ASSINE
Caso Maria Nilce: “Assassinato foi um recado para a sociedade”, diz filho
Caso Maria Nilce: “Assassinato foi um recado para a sociedade”, diz filho. Crédito: Arte A Gazeta | Geraldo Neto

“Assassinato foi um recado para a sociedade”, diz filho de Maria Nilce

Em documentário produzido por A Gazeta, Juca Magalhães relata que a execução de sua mãe foi um "crime ostentação" e que, após a morte, foi iniciada a etapa de destruição do legado que ela deixou

Publicado em 05/07/2020 às 09h55
Atualizado em 06/07/2020 às 09h53

O assassinato da jornalista Maria Nilce dos Santos Magalhães,  de 48 anos, teve o objetivo de enviar um recado para a sociedade. A avaliação é de seu filho, Juca Magalhães,  que destaca que o aviso foi claro:  “Quem se meter no nosso caminho é isto que irá acontecer”.

Famosa por ter uma escrita afiada e cheia de personalidade, Maria Nilce conquistou alguns desafetos na alta sociedade capixaba. Foi assassinada no dia 5 de julho de 1989, quando chegava à Academia Corpo e Movimento, na Praia do Canto, Vitória, com a filha Mila. Ao sair do carro, foi abordada pelo primeiro pistoleiro, que realizou um disparo, mas a arma falhou. Ela fugiu e acabou sendo alcançada pelo segundo executor, que a matou com três disparos.

Um "crime ostentação", como destaca Juca Magalhães. “Foi morta de forma covarde, violenta, no meio da rua, em um crime ostentação. Depois ainda viram que precisavam destruir o legado dela, todas as verdades que havia dito ao longo dos anos, e que era preciso dizer que era tudo mentira”, relata  no documentário abaixo. Assista ao vídeo: 

QUEM FOI MARIA NILCE

  • Quem era: jornalista, apresentadora e escritora, Maria Nilce dos Santos Magalhães era proprietária do Jornal da Cidade. Atuou em vários veículos no Espírito Santo.
  • Família: casada com o jornalista Djalma Magalhães, deixou 4 filhos. Uma delas, Mila, a acompanhava no dia do crime.
  • Livros: é autora de cinco livros de crônicas. Junto como o marido, escreveu outros dois sobre personalidades do Espírito Santo.
  • Empreendedorismo: nos últimos anos, ela realizava almoços que comemoravam o dia internacional da mulher, onde reunia as empreendedoras capixabas que se destacavam, algumas citadas em seu livro.
  • Polêmica: era famosa por uma escrita afiada e cheia de personalidade que conquistou alguns desafetos na alta sociedade capixaba. Em diversas entrevistas, Maria Nilce relatava “que não tinha medo de dizer a verdade”. Em relação ao temor que causava, afirmava que “sem temor não havia respeito” e  que "as pessoas respeitavam Maria Nilce”. Em seu jornal, segundo a família, publicava fatos do dia a dia. “Às vezes polêmicos, mas não eram calúnias”, pontua o filho Juca Magalhães.

CRIMES BRUTAIS

Matérias relembrando esse homicídio, que chocou os capixabas, vão ser publicadas de sexta-feira (03) a segunda-feira (06). A história de Maria Nilce é a segunda reportagem de uma série, de A Gazeta, que vai resgatar os crimes brutais que marcaram a história do Espírito Santo. A primeira foi sobre os 20 anos da morte da adolescente Isabela Negri Cassani, de 15 anos, publicada em outubro do ano passado.

Maria Nilce dos Santos Magalhães

Data: 7/12/2001 - Maria Nilce - Editoria: Cidades AG -
 Jornalista, apresentadora e escritora, Maria Nilce dos Santos Magalhães era proprietária do Jornal da Cidade. Atuou em vários veículos no Estado. Arquivo A Gazeta
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Casada com o jornalista Djalma Magalhães, deixou 4 filhos. Uma delas, Mila, a acompanhava no dia do crime. Arquivo de família
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989. Arquivo de família
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Autora de cinco livros de crônicas, junto como o marido, fizeram outros dois sobre personalidades do Espírito Santo. . Arquivo de família
Data: 19/5/2006 - Maria Nilce Guimarães - Editoria: Cidades AG -
Nos últimos anos realizava almoços que comemoravam o dia internacional da mulher, onde reunia as empreendedoras capixabas que se destacavam, algumas citadas em seu livro. Gildo Loyola /Arquivo A Gazeta
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Após 31 anos do assassinato da jornalista Maria Nilce Magalhães, um dos condenados como executor do crime ainda está foragido. Arquivo de família
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989. Arquivo de família
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989. Arquivo de família
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989. Arquivo de família
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989. Arquivo de família
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989. Arquivo de família
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989. Arquivo da família
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989
Maria Nilce dos Santos Magalhães, 48 anos, proprietária do Jornal da Cidade, foi assassinada na Praia do Canto em 5 de julho de 1989

A Gazeta integra o

Saiba mais
Espírito Santo Crimes Brutais espírito santo Maria Nilce

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.