ASSINE

Tesouros do Caparaó Capixaba

A pandemia tem feito a procura pelo turismo na região crescer consideravelmente nos últimos tempos

Publicado em 02/09/2020 às 16h07
Atualizado em 02/09/2020 às 16h07
Foto Belezas do Sul
Sitio Tia Laura, localizado em Iúna. Crédito: Silvia Goulart

A Região do Caparaó capixaba é um verdadeiro tesouro escondido no Sul do Espírito Santo. Composta por 11 municípios e com uma extensão territorial com quase quatro mil km², esta área é dona de uma fauna e flora ricas e que guardam belezas que ainda são desconhecidas por boa parte da população capixaba. Um lugar perfeito para manter conexão real com a natureza e sua essência.

E foi em busca dessa conexão que a Silvia Goulart decidiu trocar a agitação da cidade de Vitória, para empreender e montar uma hospedagem rural a quatro quilômetros do centro de Iúna. “Temos uma casa montada, com sala, quarto, cozinha e gramado na frente”, contou. Além de poder conhecer a produção de café e manter o contato com a criação de animais, os turistas ainda podem desfrutar das belas cachoeiras da região. No entanto, com a pandemia, a empresária achou que iria ficar fechada por um bom tempo, mas foi surpreendida.

Foto Belezas do Sul
Área de lazer do Sítio Tia Laura. Crédito: Silvia Goulart

“Logo no início começamos a receber solicitações, a princípio não recebemos ninguém, pois ainda era tudo recente. Mas na casa, as pessoas conseguem ficar isoladas e ao mesmo tempo livres em um cenário que o sítio oferece. Minha família não mantém contato com os hóspedes, e é uma pena, pois antes tinha esse calor humano, o café da manhã, caldos à noite”, explica Silvia.

Gastronomia

Além de produzir um dos melhores cafés do país e do mundo, as cidades que compõem o Caparaó capixaba trazem da sua rica colonização uma culinária única. O prato mais famoso é a carne na lata, receita que está na família da Yalana há anos, ela não revela o segredo, mas oferece o prato no restaurante que montou dentro do sítio da família, em Irupi, outra cidade que compõe a região do Caparaó.

“É um restaurante rural, que foi adaptado dentro de uma fazenda centenária. Mantemos um cardápio com pratos raiz, como a carne na lata, mas também temos pratos mais modernos, que atendem a todos os gostos”, revela Yalana. Mas nos últimos meses, não foi apenas o cardápio que se moldou ao gosto do cliente, a pandemia fez com que outras coisas mudassem.

“A gente ficou um tempo parado, deixamos de fazer recepções e eventos. Agora que estamos retornando aos poucos, o cardápio deixou de ser self-service, para ser à la carte. E aqui a gente consegue manter a distância, pois temos espaço amplo e arejado”, conta a empresária.

Futuro

Com as mudanças trazidas pela pandemia, quem mora e vive no Caparaó acredita que os próximos visitantes chegarão lá com um novo olhar. “Acho que as pessoas vão valorizar mais as pequenas coisas, e toda essa discussão que a gente vê. Aqui no Caparaó, vai ter mais visibilidade”, disse Silvia.

Belezas

O Caparaó Capixaba não tem somente as hospedagens e as opções de culinária, sua riqueza bem também do que a natureza oferece, e um dos pontos mais conhecidos é o Parque da Cachoeira da Fumaça, localizado entre Alegre e Ibitirama. Lá está a cachoeira que dá o nome ao parque, com uma queda d’água de 144 metros. E não podemos esquecer o Pico da Bandeira, da Hidrolândia entre tantas outras coisas que estão escondidas nesse baú do tesouro chamado Caparaó.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Belezas do sul

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.