ASSINE

Paisagens panorâmicas de Vitória em livro do fotógrafo David Protti

David lança a segunda edição do seu livro "Vitória PanorAmada", que traz imagens de diversos pontos da cidade

Publicado em 23/07/2019 às 19h04

Em 1981 o fotógrafo David Protti chegou ao Espírito Santo para ser professor na UFES e logo caiu de amores pela cidade. Sua admiração pelo local que o acolheu está refletida em “Vitória PanorAmada”, seu livro com fotografias da Capital que ganha uma segunda edição revista e atualizada que será lançada no dia 24 de julho, na Biblioteca Pública do Espírito Santo.

Dez anos depois da publicação da primeira versão, a obra ganha imagens novas e texto bilíngue (português e inglês), entre outras novidades. “A primeira edição foi feita com propósito de chamar atenção para a cidade que estava sofrendo o processo de verticalização e poluição visual. Também queria mostrar a cidade para o próprio capixaba, que muitas vezes não conhece direito Vitória”, conta. “Mas com os anos percebi que o morador se orgulha das belezas daqui e quer também mostrar para as pessoas conhecidas, enviar o livro para outras pessoas. Então, resolvi fazer algo mais descritível, para apresentar Vitória e também com o texto em inglês”, completa.


ROTEIRO

O passeio começa a partir do morro da Fonte Grande, de onde é possível ver grande parte de Vitória. Dali parte para o Porto e caminha em direção à ponta final de Camburi. Vitória é vista de diversos pontos diferentes, mostrando os cenários naturais e construções imponentes da cidade. Por fim, o percurso termina novamente na Fonte Grande já à noite. “É um roteiro histórico, pessoal e afetivo”, explica David.

Todas as imagens do livro são panorâmicas, o que acabou virando referência para o título da obra, “Vitória PanorAmada”. Diferente da primeira versão, na nova edição as fotografias ocupam páginas inteiras, chamando mais atenção aos detalhes.

“Aqui tem muitos morros, a vista predileta para uma foto panorâmica, que pode ser feita em qualquer lugar, mas se adequa mais a alturas. O morro te dá uma vista muito mais agradável, onde é possível espalhar o olhar. A panorâmica te dá a ilusão do cinema, ela te dá mais espaço e pede mais tempo pra desapressar o olhar. Quando cheguei aqui, eu vi que Vitória tem uma geografia toda acidentada, o olhar não é linear, tem altos e baixos”, diz o fotógrafo.

Entre morros, ilhas, mar, vegetação e instalações históricas e artísticas, David revela lugares que dão identidade para a cidade e formam a memória coletiva de moradores e visitantes, que vivenciam diariamente experiências nesses locais.

“Você tem que ressignificar essa identidade de tempos em tempos. A cidade está em constante mudança, mas é preciso criar medidas preservacionistas dos monumentos sem querer interromper o processo de crescimento do local. Esses monumentos têm referência estética e também são referências geográficas. Existe também a referência histórica, como o Penedo de Vitória, que guarda muitas histórias de invasões. E a referência simbólica, ainda mais abrangente”, reflete David.

O fotógrafo contou com o apoio de moradores que abriram suas casas, condomínios e empresas para ele conseguir os melhores ângulos. Foram três anos para registrar tudo através das suas lentes. Para o resultado final de algumas fotografias foram necessários, em alguns casos, 150 cliques. Ele poderia usar um drone, mas preferiu seguir o modo tradicional.

“Ainda tem o trabalho de montagem, de juntar as imagens como um artesão digital. Eu poderia usar o drone, que está na moda, mas se é um livro voltado para o visitante, as fotos precisavam ser feitas de lugares tangíveis. O drone é legal mas cria uma coisa muito fora da realidade, fica aquém das possibilidades das pessoas. E fazer panorâmica não é fácil, não é como pegar o celular e fazer, o que é muito mais rápido, mas não é possível ampliar, você tem limitações de acabamentos, regulagem de luz... um dia vamos chegar lá, aí vai ser bom”, brinca.

Vitória PanorAmada. Crédito: David Protti
Vitória PanorAmada. Crédito: David Protti

 

VITÓRIA PANORAMADA

David Protti. 2ª edição. 112 páginas. Quanto: R$ 40 (no evento).

Lançamento no dia 24 de julho, às 19h, na Biblioteca Pública do Espírito Santo (Av. João Batista Parra, 165, Praia do Suá, Vitória).

 

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.