ASSINE

Festival de jazz em Vitória relembra a importância de Marien Calixte

“Marien Calixte Jazz Music Festival” acontece na sexta (18) e no sábado (19), em Bairro República, Vitória. Entre as atrações, nomes como  Hermeto Pascoal e Jonathan Ferr

Publicado em 13/10/2019 às 07h00
Atualizado em 13/10/2019 às 07h00
Jonathan Ferr, pianista. Crédito: João Victor Medeiros/Divulgação
Jonathan Ferr, pianista. Crédito: João Victor Medeiros/Divulgação

Uma das referências do país quando o assunto é jazz, Marien Calixte (1935-2017) ganhou uma homenagem a altura de sua importância para a cultura capixaba. Sexta (18) e sábado (19), o Bairro República, em Vitória, recebe a primeira edição do “Marien Calixte Jazz Music Festival” que, como o nome já adianta, vai reunir artistas, cantores e público em comunhão para louvar o ritmo que consagrou Miles Davis, Sara Vaughan e Billie Holiday.

“Marien dedicou mais de 50 anos às artes, seja atuando como jornalista, produtor, radialista, diretor de teatro e poeta. Nossa ideia sempre foi resgatar a paixão que ele tinha pela cultura”, relata Daniel Morelo, um dos organizadores do evento.

Morelo também acentua que Calixte ficou conhecido por massificar o jazz como linguagem musical. “Ele foi um homem de feitos. Escreveu mais de 20 livros (entre romances, poesias e haikais); teve um dos programas musicais de rádio mais longevos do país, “O Som do Jazz”; além de ter recebido celebridades em visitas ao Estado, como o papa João Paulo II (1991) e Nelson Mandella (também em 1991)”, enumera.

BOA MÚSICA

Hermeto Pascoal & Grupo é uma das atrações do “Marien Calixte Jazz Music Festival” . Crédito: Gabriel Quintão/Divulgação
Hermeto Pascoal & Grupo é uma das atrações do “Marien Calixte Jazz Music Festival” . Crédito: Gabriel Quintão/Divulgação

Os shows acontecem sexta (18) e sábado (19). Entre as atrações, nomes consagrados como Hermeto Pascoal e revelações, como Jonathan Ferr (que chega ao Estado após uma concorrida apresentação no “Rock In Rio”), e o grupo Duo Finlândia, que conta com artistas brasileiros e argentinos. O Duo, inclusive, faz um jazz sofisticado, mesclado com ritmos latino-americanos. Como marca registrada, a mistura de violoncielo, acordeão e teclado a sons eletrônicos.

Jonathan Ferr, em bate-papo com A GAZETA, adiantou como será sua apresentação. “Vou repetir parte da atração que fiz no ‘Rock in Rio’, uma espécie de lançamento do meu primeiro álbum, ‘Trilogia do Amor’. Além disso, levarei elementos do Urban Jazz, em que tento misturar jazz ao hip hop, neo soul e música eletrônica”, explica.

Daniel Morelo ressalta que o “Marien Calixte Jazz Music Festival” também vai abrir espaço para a nova cena musical capixaba. “Nossa ideia é dar voz a gente que está se destacando. Como exemplo, temos o Tocata Brass, com toda a sua feminilidade instrumental. Vale muito a pena conferir ainda o grupo Batida Diferente, criado a partir de projetos sociais da Serra. Eles vão se apresentar ao lado da violoncelista Joyce Rodrigues”, pontua.

Um dos pontos altos da festa será o tributo que Afonso Abreu Trio (com participação do saxofonista Colibri) faz a Marien Calixte. Será uma apresentação especial contendo parte das faixas que o jornalista apresentava em seu “O Som do Jazz”.

Além disso, a programação contará com apresentações do grupo Malê Dixieland, fazendo intervenções entre os espetáculos.

SOCIAL

O festival acontece na data em que o homenageado faria 84 anos. “Inicialmente, pensamos em um evento voltado para os artistas locais e tendo como foco a música experimental. Como recebemos mais de 70 inscrições de fora do Estado, resolvemos fazer um projeto mais amplo, contemplando o clássico, com grandes nomes e os novos estilos, com gente que está se lançando, tem talento e merece um espaço”, complementa Daniel.

O “Marien Calixte Jazz Music Festival”, além de música, contará com ações sociais. Haverá um estande com doações para o projeto “Gatinhos da Pedra da Cebola”, além de acessibilidade para idosos e pessoas com necessidades especiais, que ganharão um setor só delas para curtir a boa música.

MARIEN CALIXTE: QUASE CINCO DÉCADAS DE AMOR À CULTURA E AO JORNALISMO

Marien Calixte, jornalista. Crédito: Edson Chagas/ A Gazeta - 04/08/2008
Marien Calixte, jornalista. Crédito: Edson Chagas/ A Gazeta - 04/08/2008

A vida de Marien Calixte se mistura à história da cultura e do jornalismo capixaba. Durante mais de cinco décadas, dedicou-se ao rádio, literatura, pintura, música, foi produtor cultural, diretor de teatro, e também foi diretor de redação do Jornal A GAZETA. Publicou dezenas de livros, entre biografias, ficções e haikais.

Nascido em 20 de outubro de 1935, seus primeiros passos como jornalista foram no final da década de 1950. Na década de 1970, promoveu uma vigorosa modernização de A GAZETA, nos moldes do então vanguardista “Jornal do Brasil”. Também foi redator chefe do histórico jornal "O Diário", um dos veículos mais emblemáticos na luta contra a ditadura.

Também na década de 1950, entrou para o quadro da Rádio Espírito Santo. Apaixonado por música, em 1958 criou o “O Som do Jazz”, que surgiu como quadro do programa “Cinelândia Capixaba” e apresentava trilhas sonoras de filmes. Ele comandou a atração até 2011, então na grade da Rádio Universitária.

Exímio escritor, foi pioneiro no Estado no gênero ficção científica, com títulos como “Alguma Coisa no Céu” (1965), editado em vários países. O pioneirismo lhe valeu a inclusão na coletânea “Os Melhores Contos Brasileiros de Ficção Científica”.

Foi autor, entre outras, da biografia “O Pescador de Sons”, sobre Maurício de Oliveira.  Foi, também, um dos pais do modernismo da pintura capixaba, ao lado de nomes como Maurício Salgueiro, Raphael Samú e Carlos Chenier.

Na música, uma de suas maiores contribuições é a realização das dez edições do Vitória Jazz Festival, entre as décadas de 1980 e 1990. O evento trouxe ao Estado ícones como Sarah Vaughan, Dave Brubeck e Astor Piazzolla.

Marien também foi secretário de Turismo de Vitória, Membro do Conselho Estadual de Cultura e presidente da Fundação Cultural (atual Secretaria de Cultura do Estado). Entre suas realizações estão a criação da Biblioteca Pública do Estado e a reforma do Teatro Carlos Gomes.

Calixte morreu em 25 de dezembro de 2013 por complicações referentes ao Mal de Parkinson.

“MARIEN CALIXTE JAZZ MUSIC FESTIVAL”

  • Quando:  18 (sexta) e 19 (sábado) de outubro
  • Onde: Praça Therezinha Grecchi, Bairro República, Vitória
  • Horário: a partir das 18h
  •  Entrada franca
  • Informações: www.festivalmariencalixte.com.br.

Sexta-feira - 18 de outubro

  • 18h – Banda da Polícia Militar (Repertório Infantil)
  • 19h20 – Tocata Brass (ES)
  • 20h40 – Duo Finlândia (BRA/ARG)
  • 22h - Afonso Abreu Trio com participação de Colibri
  • Malê Dixielad - intervenções

Sábado - 19 de outubro

  • 18h – Batida Diferente com participação de Joyce Rodrigues (Repertório Infantil)
  • 19h20 – Alexandre Borges Quinteto (ES)
  • 20h40 – Jonathan Ferr (RJ)
  • 22h – Hermeto Pascoal e Grupo
  • Malê Dixielad - intervenções

Domingo - 20 de outubro

  • Workshop de Música Universal, com Hermeto Pascoal. Às 14h30, no Rooftop do Ed. Impacto Empresarial. Av. Nossa Senhora da Penha, 2796, Santa Luzia, Vitória. Inscrições encerradas.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.