ASSINE

Centro Cultural Eliziário Rangel anuncia espaço para cineclubismo e mais oficinas

De acordo com Antônio Vitor, coordenador do centro, outra novidade é a ampliação da biblioteca do espaço que está em reformas durante a pandemia, mas com atividades on-line

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 06/05/2021 às 09h42
Centro Cultural Eliziário Rangel
Fachada do Centro Cultural Eliziário Rangel. Crédito: Acervo do centro cultural

O Centro Cultural Eliziário Rangel (CCER), localizado no bairro São Diogo, na Serra, que está fechado para o público desde 17 de março de 2020, em função da pandemia do coronavírus, aproveitará o período restante de fechamento para passar por uma grande reforma. O espaço, cujo nome homenageia um dos ícones da Insurreição de Queimado, é referência no município e trará diversas novidades.

De acordo com Antônio Vitor, coordenador do Eliziário Rangel, a grande novidade na estrutura física do espaço, que conta com três pavimentos, será a ampliação da biblioteca, consequentemente ganhando espaço para aumentar o acervo bibliográfico. "Alteramos espaços, como, por exemplo, o Café Bar João da Viúva, que antes ficava no térreo e agora está no 3º piso. A Biblioteca Carlos Peitos de Homens aumentou de tamanho e agora comporta um acervo de até 10 mil exemplares, além de ganhar uma sala técnica para a biblioteconomia", iniciou.

Centro Cultural Eliziário Rangel
Nova biblioteca do CCER, na Serra. Crédito: Acervo do centro cultural

Ainda no piso térreo, Vitor contou que foi construída uma sala multiúso com enfoque para o audiovisual, para práticas de cineclubismo, além de ter sido erguida uma residência com capacidade para receber dois artistas por temporada.

"Uma grande novidade também é a nova entrada, antes localizada na Rua Gonçalves Dias, agora está na movimentada Humberto de Campos, com nova recepção e uma nova cara para a instituição. Importante frisar que a acessibilidade também foi melhorada, com uma nova rampa mais suave e uma entrada auxiliar na recepção. E também estamos com clube de leitura, produzido pelos residentes Mateus Pedrini e Joana D’arc. Ainda neste ano, pretendemos também concluir o mirante e o café-bar", acrescentou o coordenador.

A reforma teve o custo estimado em R$ 50 mil. Parte do recurso recebido, mais de 50%, foi oriundo da Lei Aldir Blanc, que trouxe auxílio emergencial para espaços culturais. "O restante foi complementado por nós, que fundamos e administramos a instituição. A lei teve uma importância fundamental, ajudando a amenizar os tempos pandêmicos e potencializar a atuação cultural", contou.

ATIVIDADES VIRTUAIS

Diante do momento de restrições da programação, atividades virtuais são oferecidas pelo centro cultural. O CCER foi contemplado em dois editais que garantem programações permanentes ao longo de 2021. No primeiro, o edital Doce, da Fundação Renova, contemplou o espaço com o Projeto Ritornelo, por meio do qual são oferecidas oito oficinas permanentes, gratuitas e virtuais. Ao todo são 90 vagas nessas oficinas, além da oferta dos empréstimos de acervo da biblioteca. Confira as opções:

  • Capoeira; 
  • Ballet baby, ballet infantil e ballet adulto;
  • Circo infantil e adulto;
  • Teatro infantil e adulto;
Centro Cultural Eliziário Rangel
Oficina de Ballet acontecendo na Residência Roda D’água. Crédito: Acervo do centro cultural

Além disso, o CCER também foi aprovado no edital de programação continuada da Secretaria de Cultura (Secult), que garante mensalmente duas edições do Café Periférico, que consiste em debates políticos e éticos sobre a vida na periferia; e uma oficina aberta mensal dentro da grade de oficinas permanentes. "Contávamos com estas antes da pandemia, que totalizavam 20 oficinas permanentes", disse o coordenador.

As atividades já estão acontecendo, sendo o projeto Ritornelo desde janeiro deste ano e a programação do Portas Abertas desde novembro de 2020. "Já as novidades de estrutura serão inauguradas tão logo a pandemia permita a reabertura dos espaços culturais e a vacinação avance para toda a população. Gostaríamos de reabrir com uma segurança sanitária mais estabelecida para todos", afirmou.

Desde o início da pandemia do coronavírus, o centro está desenvolvendo atividades 100% virtuais e o coordenador garante que há ainda mais atividades por vir.

Antônio Vitor

Coordenador do CCER

"Contemplados em outros editais - como para o Festival de Cenas Curtas da Serra; as sessões de cineclube Rosilda Moreira; o Festival Escolas no Teatro Eliziário; além do lançamento do webdoc “Nós Importa”, gravado com jovens de Novo Horizonte; e o curso “Enverda-se” com foco para mulheres de São Diogo, Novo Horizonte e adjacências -,  estamos ocupados na pré-produção e produção de mais e mais atividades culturais para a cidade, sempre com a perspectiva de acesso e difusão"

EXPECTATIVAS

Para Antônio Vitor, a meta com os investimentos é consolidar a instituição de referência no Estado para a promoção, difusão e acessibilidade de bens artísticos e culturais. "Acreditamos que estamos no exercício de inovar desde que abrimos a porta. Acreditamos que a reforma nos ajudará nisso, potencializando nosso fazer e alargando as possibilidades de ações culturais, uma vez que a nova estrutura deixou os espaços mais individualizados e estruturados para acolher propostas culturais dentro dessa visão", pontuou.

Centro Cultural Eliziário Rangel
Arte de grafite feita pelo David de Souza na Escadaria Queimado. Crédito: Acervo do centro cultural
Cultura Serra Literatura serra Arte Lei Aldir Blanc

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.