ASSINE

Para dar certo, Pró-Brasil deverá ter o setor privado como protagonista

Programa estruturante não pode ter bases similares aos PACs petistas, o que seria preocupante, principalmente pelo forçoso uso de recursos próprios

Publicado em 24/04/2020 às 06h00
Atualizado em 24/04/2020 às 06h00
O Departamento Nacional de Infraestrutura (Dnit) lançou um programa para avaliar a periculosidade das rodovias brasileiras e reduzir o risco de acidentes.
Logística e transporte têm destaque no programa do governo federal. Crédito: Governo do Estada de São Paulo/Divulgação

mobilização do governo federal com a apresentação de um plano para a recuperação econômica após a pandemia é bem-vinda. É um planejamento importante, que mostra o Executivo um passo a frente, diante de um inevitável colapso econômico nos próximos meses.

Mas o Pró-Brasil  não pode ser um programa estruturante com bases similares aos PACs petistas, o que seria preocupante, principalmente pelo forçoso uso de recursos próprios. De acordo com o que foi divulgado, serão R$ 30 bilhões retirados dos cofres públicos para bancar as obras. Não ultrapassando esse patamar, o plano tem tudo para ter êxito, principalmente se conseguir atrair investimentos privados.

Os gargalos de infraestrutura brasileiros são históricos, contribuindo para a baixa competitividade nacional. Investir em transporte, logística, saneamento, construção civil e telecomunicações é abrir a porta para uma maior produtividade, mas não sem uma participação maciça de recursos privados.

O país precisa ser um canteiro de obras para prover seu próprio desenvolvimento,  mas com terreno amplo e aberto para o capital privado. É uma injeção de ânimo na economia com potencial sem igual na geração de empregos, sem onerar ainda mais o Estado, já na bancarrota. O Pró-Brasil promete um milhão de vagas.

Além dos custos elevados para os cofres públicos, um projeto desenvolvimentista apegado ao dinheiro público tende a se desmantelar em si mesmo, com obras que nunca terminam e se transformam apenas em lembrança. Em abril do ano passado, 1.400 obras do PAC estavam paradas no país.

O próprio ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, informou que, mesmo tendo uma atenção especial para destravar investimentos,  o programa de concessões e privatizações não deve dar o retorno desejado no curto prazo, por conta da liturgia mais demorada que exige. É preciso, portanto, buscar meios de desburocratizar a entrada do investimento privado nesse que pretende ser um plano de longo prazo, até 2030.

As intenções são muito boas, mas de boas intenções a história recente do país está cheia, com os PACs de Lula e Dilma e o Avança, Brasil de FHC.  Não é só um problema de financiamento, o Estado brasileiro também tem se mostrado incompetente na condução desses grandes projetos estruturantes. E é justamente essa ineficiência que dissemina a corrupção. O setor privado tem um posto relevante demais a ser ocupado nessas obras tão importantes para o desenvolvimento da nação: o de protagonista.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.