ASSINE

Inflação de 10,06% em 2021 castigou principalmente os mais pobres

Não é sem motivo o receio de que se estabeleça novamente no país uma cultura inflacionária que arranque o poder de compra dos assalariados e empurre ainda mais brasileiros para uma situação de pobreza

Publicado em 12/01/2022 às 02h00
Dinheiro
Dinheiro perde o poder de compra com a inflação. Crédito: Divulgação

Seria um alento se a inflação de 2021, confirmada nesta terça-feira (11) pelo IBGE em 10,06%, fosse somente um índice a ser observado pelo retrovisor, sem impactos futuros. A realidade é mais dura, e mesmo que as projeções inflacionárias para 2022 sejam mais otimistas, analistas afirmam que a pressão no bolso da população, sobretudo o dos mais pobres, não deve se reduzir, diante de um cenário nacional que ainda será guiado por redução da renda e desemprego. E, como se observa atentamente, pelo comportamento da variante Ômicron, que tem provocado um crescimento avassalador de casos a ponto de já afetar a força de trabalho em diferentes setores econômicos.

Ao alcançar os dois dígitos, o  Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do país, ficou bem acima da meta estabelecida pelo Banco Central (3,75%). Assim, consolidou-se como a maior alta em seis anos, superando os 10,67% registrados em 2015, no governo Dilma. 

Vitória foi a segunda capital do país com o maior IPCA: 11,5%. Só ficou atrás de Curitiba, com 12,73%.

E não é sem motivo o receio de que se estabeleça novamente no país uma cultura inflacionária que arranque o poder de compra dos assalariados e empurre ainda mais brasileiros para uma situação de pobreza. 

Contudo, o aumento sistêmico dos preços é um fenômeno global desencadeado pela pandemia em 2020, com o desalinhamento de cadeias produtivas em todo o planeta. Mas a inflação registrada em 2021 coloca o Brasil em segundo lugar entre as 20 maiores economias do mundo que divulgaram seus índices até dezembro do ano passado, de acordo com levantamento da Nexgen Capital. A Turquia encabeça a lista.

Em 2021, 88% dos produtos investigados no Brasil tiveram elevação de preços, um crescimento considerável em relação aos 79% em 2020, de acordo com os dados do IBGE. Energia elétrica, combustíveis e alimentos foram os vilões da carestia no ano passado. E a melhora da pandemia no segundo semestre, com a reabertura econômica impulsionada pela vacinação em massa, provocou a recuperação da demanda e, consequentemente, pressionou a inflação.

O Banco Central em 2021 promoveu sucessivos aumentos na taxa básica de juros, medida macroeconômica para conter o aumento de preços ao tornar o crédito mais caro. Atualmente, a Selic está em 9,25% ao ano, o que provoca uma contrapartida negativa: a queda de investimentos capazes de gerar mais empregos e movimentar a economia. O cobertor é curto, sobretudo em um país ainda incapaz de reagir com agilidade diante da intempérie. 

A inflação pode até ser um incômodo para os mais abastados, mas para os mais pobres é um transtorno cotidiano, pois são eles que precisam tomar decisões  sobre o orçamento doméstico que, muitas vezes, não garante nem mesmo a comida na mesa.  Por ser resultado de múltiplos fatores, muitos deles externos e conjunturais, a inflação não é um fenômeno simples de ser combatido. Mas é fato que, quando encontra um país já em frangalhos por sucessivas crises, tende a ser ainda mais cruel com aqueles que mais precisam.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.