ASSINE

Com profissionais de saúde desprotegidos, toda a sociedade está em risco

No Espírito Santo, o número de profissionais de saúde contaminados passou de 500, aumentando as vulnerabilidades do sistema de saúde

Publicado em 28/04/2020 às 06h00
Atualizado em 28/04/2020 às 06h01
Governo vai capacitar profissionais da saúde para combater covid-19
Profissionais de saúde estão no centro da batalha contra o novo coronavírus. Crédito: Marcello Casal Jr | Agência Brasil

As trincheiras da guerra ao novo coronavírus continuam sofrendo baixas sucessivas em todo o Brasil. No Espírito Santo, o número de profissionais de saúde contaminados passou de 500, de acordo com dados da Secretaria do Estado da Saúde (Sesa).  É um drama não só no âmbito pessoal, com médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem e tantos outros profissionais diretamente envolvidos na cadeia de atendimento à saúde tendo que lidar, eles próprios, com uma doença que está sendo desvendada aos poucos, portanto ainda envolta em mistério e medo. Além dessa batalha pessoal, o adoecimento desses bravos soldados deixa desfalcado o próprio sistema de saúde.

O fortalecimento da rede hospitalar está na ordem do dia, e o governo estadual tem sido enfático no direcionamento de recursos para ampliar o socorro aos que precisam. Nesta segunda-feira (27), o governador Renato Casagrande falou da ampliação de hospitais para o tratamento da Covid-19. "Nas próximas semanas devemos chegar com 350 leitos de UTI", prometeu. Com o número de casos confirmados chegando a 1.944 no Estado, a preocupação com a infraestrutura hospitalar não é um capricho, é uma urgência. Mas, sem os recursos humanos a postos e seguros, o colapso será também inevitável.

Por isso, sempre que há denúncias sobre a falta de equipamentos de proteção individual (EPIs) — obrigatórios em qualquer situação médica, não só no atendimento a casos suspeitos ou comprovados do novo coronavírus — ou sobre o descumprimento de protocolos, na rede pública ou na particular, quem está em risco é a própria sociedade. O descaso com a segurança dos profissionais da área clínica e daqueles que atuam nos setores de limpeza ou de administração é uma negligência geral, afetando indiretamente toda a população. Todos saem perdendo, todos acabam em risco, caso faltem esses profissionais quando se precisar deles.

É imprescindível também o cuidado com a saúde mental de quem precisa encarar diariamente a linha de frente de combate à Covid-19, uma preocupação já expressada pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Não está fácil, os relatos expõem o esgotamento. Muitos desses profissionais temem não só pela própria saúde, mas também pela de familiares. É sacrificante, sem exageros. Por conta do crescimento exponencial de casos no setor de saúde, o Rio de Janeiro passou a oferecer hospedagem a quem atua nos hospitais, uma medida que deve ser colocada em prática também pelo governo do Espírito Santo. A dedicação de quem precisa superar os próprios temores para salvar vidas merece esse tipo de cuidado. 

O poder público não pode descuidar da realização de testes desses profissionais. Se ainda se realizam poucos exames com a população em geral, o mesmo não pode ocorrer com o setor de saúde. Os dados da Sesa mostram que médicos, enfermeiros e técnicos têm sido testados, mas não dá para relaxar. O monitoramento de quem está no dia a dia desse enfrentamento é um ponto primordial. Relegar os profissionais da saúde ao abandono é fechar os olhos para cada um dos pacientes, inclusive os futuros.

Saúde Coronavírus medicina Sistema Único de Saúde Epidemia

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.