ASSINE

TCU vê irregularidades em contas do governo Bolsonaro

O relator, ministro Bruno Dantas, chamou a atenção para situações que, segundo ele, "insinuam movimento de afrouxamento das regras fiscais"

Publicado em 11/06/2020 às 11h32
Atualizado em 11/06/2020 às 11h32
Presidente da República, Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro: contas do primeiro ano de governo tiveram recomendação de aprovação com ressalvas. Crédito: Marcos Corrêa/PR

O Tribunal de Contas da União (TCU) apontou seis irregularidades nas contas do primeiro ano do governo Jair Bolsonaro, que tiveram recomendação de aprovação com ressalvas devido à identificação de "dribles" a normas que regem as contas públicas.

O relator, ministro Bruno Dantas, chamou a atenção para situações que, segundo ele, "insinuam movimento de afrouxamento das regras fiscais". Para ele, esses sinais podem ser "nefastos" para a saúde das finanças.

"O país precisa evitar a todo custo a relativização das regras fiscais, seja sob qual pretexto for. A responsabilidade fiscal dever ser o pilar a ser perseguido não apenas formalmente, mas, sobretudo, materialmente", afirmou Dantas. O parecer será enviado ao Congresso, responsável por apreciar as contas presidenciais.

O pagamento de R$ 1,5 bilhão em benefícios previdenciários sem o devido respaldo no Orçamento foi um dos motivos de ressalva às contas. A despesa deveria ter sido executada em 2019, mas acabou virando um "orçamento paralelo" que só foi devidamente registrado no início de 2020.

Na prática, o INSS ficou sem dotação orçamentária, mas continuou executando os pagamentos a aposentados, pensionistas e outros beneficiários do órgão. A prática fere a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), a Constituição e pode ser considerada crime contra as finanças públicas.

RENÚNCIAS TRIBUTÁRIAS IRREGULARES

O relator chamou atenção ainda para a instituição de R$ 182,86 milhões em renúncias tributárias de forma irregular em 2019. Outro alerta veio da capitalização da Emgepron, estatal militar criada para financiar a construção de corvetas e navios para a Marinha.

Segundo Dantas, o aporte de R$ 7,6 bilhões na empresa foi feito apenas para "formar caixa" na estatal e destravar a despesa para a construção das embarcações, que dentro do Orçamento estava limitado pelo teto de gastos, que impede o avanço das despesas acima da inflação.

O TCU recomendou ainda que o governo dê transparência aos gastos com publicidade, inclusive de empresas estatais. No ano passado, quase R$ 1 bilhão foi desembolsado pelos cinco maiores contratantes do governo, incluindo as empresas públicas.

Só o Poder Executivo autorizou R$ 524 milhões em comunicação social, sendo a maior parte (97%) distribuída entre publicidade de utilidade pública (R$ 283 milhões) e comunicação institucional (R$ 226 milhões) - essa integralmente empenhada pela Presidência da República.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.