ASSINE

PIB: Guedes diz que a economia está voltando e governo não vê mais necessidade de auxílio

Embora seja mais forte do que o esperado no início da crise, a retomada ainda é insuficiente para recuperar as perdas do primeiro semestre

Publicado em 03/12/2020 às 12h17
Atualizado em 03/12/2020 às 15h08
Ministro da Economia, Paulo Guedes, participou de audiência pública virtual do Congresso
Ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o desempenho do PIB ainda sinaliza uma retomada forte da atividade. Crédito: José Cruz/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu nesta quinta-feira (3), que o crescimento de 7,7% do Produto Interno Bruto (PIB) no terceiro trimestre ante o trimestre anterior ficou um pouco abaixo do que o governo esperava, mas ressaltou que o desempenho ainda sinaliza uma retomada forte da atividade após o pior momento da pandemia de Covid-19.

"É a economia voltando, está voltando em 'V' como sempre dissemos. Houve revisões de trimestres anteriores, e por isso o resultado veio um pouco abaixo do esperado, mas o fato é que a economia está voltando em 'V', realmente está voltando", afirmou, ao chegar à sede da pasta.

A Secretaria de Política Econômica divulgou nota afirmando que o desempenho no terceiro trimestre abre o caminho para que a economia brasileira "continue avançando no primeiro semestre de 2021 sem a necessidade de auxílios governamentais", como o auxílio emergencial.

O resultado divulgado nesta quinta pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) veio abaixo da mediana das estimativas, de 8,80%, e perto do piso do intervalo das previsões, de 7,40%, dos analistas do mercado financeiro consultados pelo Projeções Broadcast. O teto das projeções era 9,50%. O Ministério da Economia projetava expansão de 8,3% no terceiro trimestre em relação ao período anterior.

Embora seja mais forte do que o esperado no início da crise, a retomada ainda é insuficiente para recuperar as perdas do primeiro semestre. Tanto que o PIB registrou queda de 3,9% na comparação com igual período de 2019.

A retração do PIB em 2020 deverá ficar em 4,50%, conforme pesquisa do Projeções Broadcast feita antes da divulgação dos dados do IBGE.

Ainda que menor do que as primeiras projeções, feitas quando a Covid-19 se abateu sobre a economia, se confirmada, será a maior queda anual da história - a mais intensa até hoje foi registrada em 1990 (-4,35%), na série histórica iniciada em 1901.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.