ASSINE

Golpe do emprego faz uma vítima por semana no Espírito Santo

Falsários utilizam sites de currículos para procurar seus alvos

Publicado em 25/01/2019 às 21h39
Golpistas ficam de olho em vítimas na internet ao oferecer vagas falsas de emprego. Crédito: Divulgação
Golpistas ficam de olho em vítimas na internet ao oferecer vagas falsas de emprego. Crédito: Divulgação

A oferta é tentadora: pagar R$ 200, fazer uma entrevista e ganhar o emprego numa multinacional com salário de até R$ 4.200. Seria excelente se não fosse uma cilada. Um tipo de golpe que faz, pelo menos, uma vítima por semana no Espírito Santo.

“Esse tipo de crime é cíclico. Ele fica um tempo sem ser usado pelos golpistas, depois volta citando outras empresas, mas toda semana ele faz, pelo menos, uma vítima no Estado”, afirma o delegado Brenno Andrade, titular da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Cibernéticos.

Brenno Andrade explicou ainda que neste período do ano, em que muitos buscam um emprego e reduzir as dívidas, as pessoas ficam mais propensas a cair nessas armadilhas. O ambiente de elevado desemprego no país também deixa as vítimas mais vulneráveis aos golpes.

“É uma época com muitas contas a pagar, depois do Natal, Ano Novo e o mês de janeiro. Somando tudo isso, a pessoa fica tentada a conseguir uma solução mais fácil para conseguir dinheiro, e também fica mais suscetível a cair nesses golpes do emprego”, observa o delegado, ressaltando o período de crise econômica pelo qual o país passa também como motivador de golpes.

Somente em 2018 foram detectados mais de 860 mil acessos e compartilhamentos de falsas vagas de emprego em todo o Brasil. Este ano, já foram 49 mil, informou Brenno.

“Os criminosos vão adaptando os golpes. A pessoa está desesperada, precisando de emprego, e vê uma boa oportunidade num site sério, mas acaba caindo num golpe porque, apesar de o site ser confiável, os criminosos que fazem os anúncios das vagas não são”, explica Andrade.

Para o delegado, a tendência é que esses tipos de crimes aumentem porque cada vez mais as empresas estão recrutando pela internet - terreno fértil para esses tipos de golpes -, assim como os interessados nas vagas também enviam os currículos pela web.

“Os contatos profissionais são feitos, em sua maioria, pela internet. As empresas acessam um banco de dados e verificam o currículo dos candidatos, mas os golpistas também podem ter acesso, então as pessoas têm que se precaver”, orienta.

Uma outra vertente do golpe do emprego foi denunciada recentemente por uma moradora de Aracruz. Ela foi até a delegacia contar que uma suposta empresa de São Paulo estaria selecionando modelos comerciais.

“Estavam cobrando R$ 1.800 de cada uma das ‘selecionadas’ para fazer um book fotográfico. Ela desconfiou e veio denunciar”, contou o delegado.

A titular da Delegacia de Defraudações e Falsificações, Rhaiana Bremenkamp, destaca que esse é um golpe recorrente. “Muitas pessoas caem nesse tipo de crime. Houve um caso em que 80 pessoas foram enganadas com a mesma história”, lembra.

Ela cita o montante pedido pelos criminosos. “Geralmente, varia de R$ 400 a R$ 1 mil. São valores que não criam uma desconfiança logo de cara.”

PESQUISAS

De acordo o titular da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Cibernéticos, simples pesquisas na internet e ligações para as empresas podem afastar os riscos de se tornar vítima de golpe do emprego.

“Verifique se a empresa que está ofertando a vaga de emprego realmente tem a vaga em aberto. Procure no Google, jogue o nome da empresa na busca e assim você consegue checar essas informações”, comenta Brenno Andrade.

Por fim, ele destaca que é preciso ter atenção aos links compartilhados com vagas de emprego, já que eles podem conter vírus para roubo de dados do candidato.

SAIBA MAIS

OS TIPOS DE GOLPE

Vaga em multinacional

Uma empresa entra em contato com o candidato e solicita um depósito para bancar os custos da seleção. Os golpistas dizem ainda que o dinheiro vai ser devolvido ao final do processo.

Book fotográfico

Os golpistas entram em contato com as vítimas, geralmente jovens, e dizem que conseguiram uma vaga de modelo em uma agência, mas, para conseguir a vaga, a vítima precisa depositar uma quantia para a produção de um book fotográfico.

Vagas em geral

Os golpistas entram em contato com pessoas que cadastram o currículo em sites especializados, dizem que estão com vagas em aberto e pedem tanto compensações financeiras quanto benefícios sexuais.

EVITE PROBLEMAS

Procure a empresa

A primeira coisa a fazer é se certificar de que a vaga realmente existe. Procure a empresa na internet, ligue para ela, para o setor de Recursos Humanos, e procure informações a respeito da possível vaga.

Desconfie de cobranças

Sempre desconfie de empresas que pedem um pagamento antecipado para a realização de uma entrevista ou outra atividade. Elas podem estar induzindo a um erro e aplicando um golpe.

Atenção ao salário

Suspeite de salários altos demais em relação à média do mercado ou benefícios muitos vantajosos.

Vaga garantida

Desconfie se uma empresa oferece a vaga como se estivesse “garantida” e não assine nada antes de ler uma cópia de tudo.

economia

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.