Empresas terão linha de crédito para financiar folha de pagamento

Programa de R$ 40 bilhões vai atender pequenas e médias empresas que faturam entre R$ R$ 360 mil e R$ 10 milhões. Proposta vai pagar dois meses de remuneração

Publicado em 27/03/2020 às 12h10
Atualizado em 27/03/2020 às 12h15
Presidente Jair Bolsonaro em anúncio de pacote de crédito para ajudar empresas a pagar a folha
Presidente Jair Bolsonaro em anúncio de pacote de crédito para ajudar empresas a pagar a folha. Crédito: Carolina Antunes/Agência Brasil

BRASÍLIA - O governo federal lançou nesta sexta-feira (27) um programa para oferecer linha de crédito a pequenas e médias empresas com a finalidade de financiar o pagamento da folha de pagamento. A medida, que visa a combater a crise provocada pelo coronavírus, foi anunciada pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em pronunciamento em conjunto com o presidente Jair Bolsonaro.

RESUMO DA PROPOSTA
  • Receita da empresa: o crédito atenderá empresas que faturem de R$ 360 mil e R$ 10 milhões por ano
  • Salário: o dinheiro será depositado diretamente para o trabalhador por meio do CPF
  • Carência para demitir: a empresa só poderá demitir o trabalhador depois dos dois meses de pagamento
  • Folha: serão financiados dois meses da folha
  • Prazos: a empresa terá carência de 6 meses para começar a pagar. O empréstimo será parcelado em 36 meses
  • Juros:  a taxa será de 3,75% ao ano

A medida vai atender negócios com faturamento de R$ 360 mil a R$ 10 milhões. Serão liberados no total de R$ 40 bilhões, durante dois meses. "O dinheiro vai direto para as folhas de pagamento, então a empresa fecha o contrato com o banco, mas o dinheiro vai cair direto no CPF do funcionário. A empresa fica só com a dívida", explicou Campos Neto.

O trabalhador que for atingido pelo crédito poderá receber no máximo dois salários mínimos mesmo que ganhe acima desse valor.

Outra medida que o governo quer adotar é a liberação para que o Banco Central compre crédito no mercado, ou seja, que possa emprestar diretamente às empresas, assim como faz o Federal Reserve (Fed), o banco central americano.

Um dos motivos é que as empresas estão com dificuldades de acessar ao crédito porque os bancos estão travando os empréstimos com medo do atual cenário econômico.

Coronavírus no ES

Após pandemia de coronavírus, mulher usa máscara na avenida Reta da Penha.
Após pandemia de coronavírus, mulher usa máscara na avenida Reta da Penha. Vitor Jubini
Data: 17/03/2020 - ES - Vitória - Passageiro com máscara de proteção no aeroporto de Vitória - Editoria: Cidades - Foto: Ricardo Medeiros - GZ
Passageiro com máscara de proteção no aeroporto de Vitória. Ricardo Medeiros
Banhistas na Praia da Sereia durante pandemia de coronavírus.
Banhistas na Praia da Sereia durante pandemia de coronavírus. Ricardo Medeiros
Ruas de acesso à Terceira Ponte estão vazias. Os registros foram feitos por volta das 17h, quando o trânsito em dias normais é congestionado
Ruas de acesso à Terceira Ponte estão vazias. Os registros foram feitos por volta das 17h, quando o trânsito em dias normais é congestionado. Fernando Madeira
Vitória - Efeito coronavírus - Ruas de acesso à Terceira Ponte estão vazias. Os registros foram feitos por volta das 17h, quando o trânsito em dias normais é congestionado
Trânsito livre na rua Duckla de Aguiar, acesso à Terceira Ponte. Fernando Madeira
Data: 17/03/2020 - ES - Vitória - Movimentação de pessoas no Supermercado Perim, Mata da Praia - Editoria: Cidades - Foto: Ricardo Medeiros - GZ
Movimentação de pessoas em supermercado na Mata da Praia. Ricardo Medeiros
Campinho do Convento da Penha vazio devido a pandemia de coronavírus.
Campinho do Convento da Penha vazio devido a pandemia de coronavírus. Ricardo Medeiros
Data: 18/03/2020 - ES - Vitória - Coronavírus - Movimentação de bares no Triângulo das Bermudas na Praia do Canto - Editoria: Cidades - Foto: Vitor Jubini - GZ
Movimentação de bares no Triângulo das Bermudas na Praia do Canto. Vitor Jubini
Após pandemia de Coronavírus o movimento fica abaixo do normal na Avenida Jerônimo Monteiro, Centro da Capital.
Após pandemia de Coronavírus o movimento fica abaixo do normal na Avenida Jerônimo Monteiro, Centro da Capital. Vitor Jubini
Passageiras utilizam máscaras após pandemia de coronavírus na rodoviária da capital.
Passageiras utilizam máscaras após pandemia de coronavírus na rodoviária da capital. Vitor Jubini
Passageiras utilizam máscaras após pandemia de coronavírus na rodoviária da capital.
Passageiras utilizam máscaras após pandemia de coronavírus na rodoviária da capital.
Passageiras utilizam máscaras após pandemia de coronavírus na rodoviária da capital.
Passageiras utilizam máscaras após pandemia de coronavírus na rodoviária da capital.
Passageiras utilizam máscaras após pandemia de coronavírus na rodoviária da capital.
Passageiras utilizam máscaras após pandemia de coronavírus na rodoviária da capital.
Passageiras utilizam máscaras após pandemia de coronavírus na rodoviária da capital.
Passageiras utilizam máscaras após pandemia de coronavírus na rodoviária da capital.
Passageiras utilizam máscaras após pandemia de coronavírus na rodoviária da capital.
Passageiras utilizam máscaras após pandemia de coronavírus na rodoviária da capital.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.