ASSINE

Delta fecha compra de 20% da Latam por US$ 1,9 bilhão

Companhia americana atualmente é sócia da Gol, mas deve vender participação

Publicado em 26/09/2019 às 16h22
Atualizado em 26/09/2019 às 19h35
Voo da Latam. Crédito:  Reprodução/Youtube | Arquivo
Voo da Latam. Crédito: Reprodução/Youtube | Arquivo

A companhia aérea Delta fechou a compra de 20% de participação da Latam por US$ 1,9 bilhão (R$ 7,9 bilhões). A Delta tem participação de 12,3% na brasileira Gol, que deve ser vendida. O acordo depende ainda do aval de autoridades regulatórias, incluindo o Cade (Conselho Administrativo de Defesa da Concorrência).

Em comunicado ao mercado, a companhia americana afirmou que investirá outros US$ 350 milhões (R$ 1,4 bilhão) para apoiar o início da parceria entre as empresas. Além disso, a Delta também comprará quatro aviões modelo A350 da Latam e se comprometeu a comprar outros dez aparelhos do mesmo modelo, que serão entregues entre 2020 e 2025.

O acordo, que será financiado pela Delta com emissão recente de dívida e recursos em caixa, marca o maior investimento da companhia aérea americana desde sua fusão com a Northwest Airlines, uma década atrás. Segundo o comunicado, a Delta espera capturar ganhos com a operação nos próximos dois anos e a aquisição não deve ter impacto significativo nos números da empresa.

Para a Latam, a venda de 20% de participação deve reduzir a dívida futura em US$ 2 bilhões (R$ 8,3 bilhões) até 2025. A dívida bruta total da empresa chinela é de US$ 10,6 bilhões (R$ 44 bilhões). A Delta possui 12,3% das ações preferenciais da Gol, que devem ser vendidas, segundo afirmou o presidente da Delta, Ed Bastian, à agência de notícias Reuters.

Com o anúncio do acordo, das ADRs (recibos de ações) negociados em Nova York da Latam saltaram quase 50%, enquanto as ADRs da Gol recuaram perto de 10%. A Gol é a líder de participação de mercado no Brasil, com 38,2% dos passageiros por quilômetro transportado (RPK), segundo dados da Anac. A Latam vem logo atrás, com 35,9% de participação e é seguida pela Azul, com 25,5%.

Bastian disse ainda não esperar obstáculos regulatórios para a aliança com a Latam, na qual terá representação no conselho de administração. Segundo o executivo, Delta e Latam poderão começar operações de code share (compartilhamento de voos) antes de receberem aprovações governamentais para a aliança, processo que ele disse esperar que leve entre 12 e 24 meses.

Também como resultado do acordo com a Delta, a Latam vai deixar a aliança de companhias aéreas Oneworld, da qual é membro de 2000. Na Oneworld, a Latam compartilhava voos com a American Airlines. A Delta é a maior companhia aérea dos Estados Unidos em receita. Já a Latam é fruto da fusão feita em 2010 da chilena Lan com a brasileira TAM, com operações nos principais países da América do Sul.

As empresas afirmam que juntas voarão para 435 destinos e serão as maiores transportadoras de passageiros entre as Américas do Sul e do Norte. As duas empresas têm sobreposição em apenas uma rota, segundo o executivo da Delta.

No comunicado, o presidente da Latam, Enrique Cueto Plaza, afirmou que "esta aliança com a Delta fortalecerá a nossa companhia e ampliar a nossa liderança na América Latina, ao oferecer a melhor conectividade com através da nossa rota aérea complementar".

DELTA

Receita operacional: US$ 23 bilhões

Lucro: US$ 2,1 bilhões

LATAM

Receita operacional: US$ 4,8 bilhões

Prejuízo: US$ -122,891

Dívida: US$ 10,6 bi

A Gazeta integra o

Saiba mais
economia

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.