ASSINE
Graduado em Economia pela UFES, com pós-graduação em Gestão Financeira pela FGV/Mmurad. Agente de Investimentos autorizado pela CVM. Sócio da Valor Investimentos.

Selic: controle da inflação deve manter juro na trajetória de alta

Relatório do mercado financeiro dá a entender que a taxa básica de juros deve continuar sendo usada durante o aperto monetário

Vitória
Publicado em 20/06/2022 às 11h18

Um breve resumo do mercado na semana passada (13 a 17/6) revela um pouco do que enfrentaremos nos próximos dias. Alguns pontos importantes trouxeram uma forte queda nos mercados globais após a alta de juros por vários bancos centrais, principalmente pelo Federal Reserve (FED) nos Estados Unidos.

O FED subiu os juros em 0,75 pontos percentuais (p.p.), a maior alta desde 1994, elevando a taxa básica de juros americano para o intervalo entre 1,50-1,75%. No Brasil, o Comitê de Política Monetária (Copom) também anunciou a elevação da taxa Selic em 0,5 p.p. para 13,75%.

Data: 13/06/2008 - Charge: Arroz - Editoria: Cidade - Autor: Arabson - GZ
Inflação tira o poder de compra da população. Crédito: Arabson/Arquivo AG

Com isso, o Ibovespa encerrou a semana com uma queda de -5,4% abaixo dos 100 mil pontos, pressionado também pelo aumento de preços de combustíveis anunciados pela Petrobras e a forte pressão da classe política contra esse aumento.

Na sexta-feira (17), ao retomar as atividades após o feriado, o mercado digeriu a piora das expectativas. No comunicado, divulgado após a reunião do Copom, afirmou que a situação “demanda cautela adicional” e prevê outro aumento dos juros, “de igual ou menor magnitude”.

Isso indica que a Selic deverá chegar a 13,5% ao ano na reunião agendada para o início de agosto. E, mais importante do que isso, é o fato de o Copom considerar que “diante de suas projeções e do risco de desancoragem das expectativas para prazos mais longos, é apropriado que o ciclo de aperto monetário continue avançando significativamente em território ainda mais contracionista.”

Em outras palavras, a probabilidade de haver mais um aumento na Selic é alta. Na realidade econômica, a recuperação pós-pandemia não está acontecendo como o previsto. Este período tem servido mais como uma reacomodação das cadeias produtivas.

Em vez da volta à normalidade, a escassez de insumos, agravada pela guerra na Ucrânia e pela elevação das tensões geopolíticas têm criado a elevação nos preços das commodities, pressionando a inflação no Brasil. Assim, os bancos centrais precisam seguir elevando os juros. Veremos em agosto o resultado disso.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.