ASSINE

Suzano investe em tecnologia para prevenir e combater incêndios

Indústria de celulose conta com um dos mais modernos sistemas de monitoramento em tempo real, cobrindo 96% de sua área florestal no Espírito Santo, na Bahia e em Minas Gerais

  • Estúdio Gazeta

    O Estúdio Gazeta é o time de produção de conteúdo para anunciantes da Rede Gazeta, com estrutura independente da Redação de A Gazeta/CBN.
Publicado em 24/11/2021 às 10h23
Central de monitoramento de onde equipes da Suzano acompanham ocorrências na área florestal 24 horas. Crédito: Suzano/Divulgação
Central de monitoramento de onde equipes da Suzano acompanham ocorrências na área florestal 24 horas. Crédito: Suzano/Divulgação

Estar alinhado ao futuro e às necessidades de um desenvolvimento sustentável é uma das premissas da Suzano, referência global na fabricação de bioprodutos desenvolvidos a partir do cultivo de eucalipto. A empresa implementou um moderno sistema de monitoramento capaz de cobrir, em tempo real, 96% da base florestal distribuída em 29 municípios nos Estados do Espírito Santo, da Bahia e de Minas Gerais.

Ela utiliza um sistema de proteção florestal com 39 torres de observação estrategicamente posicionadas e três centrais de monitoramento que operam 24 horas por dia, responsáveis por identificar rapidamente eventuais focos de incêndio. Em campo, a proteção florestal conta com 20 equipes de vigilantes brigadistas que fazem ronda 24 horas por dia em picapes Hilux altamente equipadas e preparadas para fazer o primeiro combate às ocorrências.

O aparato dispõe ainda de 16 caminhões-pipa que, assim como as picapes, são equipados com sopradores, abafadores, tanques de água e retardante a chamas, mangueira de longo alcance e outros recursos. Os veículos incluem rastreadores via GPS e tablets para georreferenciamento e localização das ocorrências.

“A Suzano tem investido permanentemente em tecnologias de monitoramento e controle de incêndios, e na capacitação das equipes que atuam em campo. O controle é importante não apenas para preservar áreas da empresa, mas para evitar que o fogo atinja áreas vizinhas e terrenos que abrigam vegetação nativa", destaca o gerente de Inteligência Patrimonial, Douglas Guedes. Ele acrescenta que a empresa prima pelo desenvolvimento sustentável em todas as suas frentes de atuação e os prejuízos ambientais, sociais e econômicos provocados pelos incêndios estão na contramão desse processo.

Além da infraestrutura relacionada à tecnologia e equipamentos, a Suzano conta com um time de peso em campo, treinado para atuar em ocorrências de incêndios florestais e outras agressões ambientais.

São 345 profissionais que incluem vigilantes brigadistas e equipes de combate a incêndios. As equipes recebem treinamento semestral abordando ações preventivas de monitoramento e preservação do meio ambiente, educação ambiental e combate a incêndios.

Branded da Suzano
Área florestal da Suzano: programa previne incêndios, além de buscar a conscientização quanto à caça e pesca predatórias. Crédito: Suzano/Divulgação

Perdas minimizadas no Norte do Estado

O investimento feito pela Suzano para proteger as áreas florestais contribui para minimizar as perdas, mas somente de janeiro a agosto de 2021 a empresa registrou mais de 3.200 focos de incêndio em áreas distribuídas no Espírito Santo, Bahia e Minas Gerais, que resultaram na queima de mais de 7.100 hectares, incluindo cerca de 600 hectares de áreas de preservação.

Aproximadamente 78% da área queimada correspondem a ocorrências registradas na região Norte do Espírito Santo.

Douglas Guedes

Gerente de Inteligência Patrimonial da Suzano

"As ocorrências de incêndios em áreas florestais são um problema histórico enfrentado pela empresa, mas a incidência tem crescido no último ano. Temos buscado fortalecer o relacionamento com as comunidades locais e orientado a população sobre os prejuízos que a prática acarreta não só para a empresa, mas para todos na região"

Ações de conscientização junto a comunidades

Para sensibilizar a população sobre os riscos gerados pelos incêndios florestais, a Suzano também fortalece as ações de conscientização junto às comunidades vizinhas da empresa. Por meio do Programa Floresta Viva, a companhia mantém um canal direto de comunicação com propriedades rurais vizinhas às áreas florestais da empresa para orientações, denúncias e alertas a emergências florestais.

Conduzido nas Unidades Florestais de todo o Brasil, o Programa tem como principal objetivo a prevenção de incêndios florestais nas áreas de influência da Suzano, além da conscientização quanto à caça e pesca predatórias, ressaltando a importância da colaboração de todos na conservação do meio ambiente.

“O Floresta Viva dissemina informações para prevenir e combater incêndios em nossas florestas ou em comunidades vizinhas, lembrando aos moradores da região que nossas áreas são abrigo e caminho para inúmeras espécies de animais silvestres. O objetivo é mostrar a importância das nossas florestas para a proteção da biodiversidade, do solo e da água, além de ser fonte de renda para inúmeras pessoas”, explica o coordenador de Inteligência Patrimonial da Suzano, Eduardo Soares.

Por meio das ações do Programa Floresta Viva e do investimento em novas tecnologias de monitoramento e controle, a Suzano espera reduzir as ocorrências de incêndios em suas áreas. "Buscamos sensibilizar o máximo de pessoas possível, uma vez que a grande maioria dos incêndios florestais ocorre por ações humanas, mas muitos são provocados pela disseminação do fogo a partir de queimadas não controladas", ressalta o coordenador de Inteligência Patrimonial da Suzano, Eduardo Soares.

Saiba mais

  • A Suzano é referência global no desenvolvimento de soluções sustentáveis e inovadoras, de origem renovável, e tem como propósito renovar a vida a partir da árvore.
  • Maior fabricante de celulose de eucalipto do mundo e uma das maiores produtoras de papéis da América Latina, atende a mais de 2 bilhões de pessoas a partir de 11 fábricas em operação no Brasil, além da joint operation Veracel.
  • Com 97 anos de história e uma capacidade instalada de 10,9 milhões de toneladas de celulose de mercado e 1,4 milhão de toneladas de papéis por ano, exporta para mais de 100 países.

Este é um conteúdo de responsabilidade do anunciante.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.