ASSINE

Exercícios certos ajudam na autonomia dos idosos

Para os mais velhos, atividades direcionadas, como um simples sentar e levantar sozinho, podem evitar a perda muscular

  • Aracê Casa de Vivência

  • Estúdio Gazeta

    O Estúdio Gazeta é o time de produção de conteúdo para anunciantes da Rede Gazeta, com estrutura independente da Redação de A Gazeta/CBN.
Publicado em 23/06/2021 às 19h00
Exercícios são essenciais para manter a qualidade de vida na terceira idade
Exercícios físicos corretos são essenciais para manter a qualidade de vida na terceira idade. Crédito: Freepik

Não é mais novidade dizer que o exercício físico é essencial para a saúde de qualquer pessoa. Para os mais velhos, no entanto, essa prática tem uma função a mais e não menos importante: ajudar na autonomia.

Isso porque, com o avançar da idade, há uma perda muscular que, se não for revertida, traz consequências sérias para a vida do idoso. Sem autonomia, ele pode se tornar dependente para se levantar, para tomar banho ou dar uma simples caminhada, o que limita muito seu dia a dia. Fica mais suscetível a acidentes domésticos, que podem ser muito incapacitantes.

"À medida que vamos envelhecendo, nossas taxas hormonais vão mudando, principalmente nas mulheres, trazendo perda da massa muscular. Além disso, vamos perdendo a capacidade de absorver os nutrientes, o que gera mais fraqueza", explica o fisioterapeuta Rodrigo Lemos Sá Pinto, que atende na Aracê Casa de Vivência, em Jardim Camburi, em Vitória.

Fisioterapeuta Rodrigo Sá
Fisioterapeuta Rodrigo Sá, que atende na Aracê Casa de Vivência, explica a importância da atividade física para idosos . Crédito: Acervo pessoal

Segundo ele, ter uma alimentação saudável e tomar sol são hábitos que auxiliam na qualidade de vida do idoso. Mas para que ele tenha, de fato, autonomia, é preciso reforçar outro componente. E é aí que entra a atividade física.

INDEPENDÊNCIA NA TERCEIRA IDADE

Um exercício direcionado pode dar a força de que o idoso necessita para desempenhar todas as suas tarefas diárias. "A gente faz muito treino de levantar e sentar sozinho, que é como o agachamento realizado na academia. Fazemos ainda o exercício de subir escadas, marcha lateral, marcha de costas... Ações que as pessoas têm que praticar para não perder essa habilidade. Assim, vamos desenvolvendo essa independência, para que esses idosos necessitem cada vez menos de cuidados", cita Rodrigo Sá Pinto.

De acordo com Gilson Pereira dos Santos, que também é fisioterapeuta na Aracê Casa de Vivência, existem exercícios terapêuticos que se adaptam às mais diversas limitações do corpo para resgatar ou manter a função muscular. "Adequamos o exercício para cada limitação que o idoso tenha. Vai desde um simples alongamento ao exercício ativo com resistência para o fortalecimento muscular", afirma.

Fisioterapeuta Gilson Pereira
O fisioterapeuta Gilson Pereira dos Santos, que atende na Aracê Casa de Vivência, explica que existem exercícios terapêuticos que se adaptam às mais diversas limitações do corpo. Crédito: Acervo pessoal

A Casa de Vivência conta com um espaço equipado de fisioterapia, onde são utilizados recursos como bola Bobath ou bola de Pilates, elásticos terapêuticos, halteres, cones, pedalinhos, rampa-escada, além de hidroginástica e hidroterapia.

Um olhar mais atento, diz Gilson Pereira, pode detectar se o idoso já está tendo uma perda muscular. "Se ele fica mais tempo sentado ou deitado durante o dia, se tem dificuldade na marcha, uma falta de equilíbrio, dor, diminuição da mobilidade articular e sensação de perda de força ao realizar movimentos... Tudo isso pode indicar que já há perda de massa muscular".

RISCO DE QUEDAS E FRATURAS

E os problemas que vêm em seguida vão além das limitações. "A perda de massa muscular no idoso traz vários riscos como quedas e fraturas. Ou seja, aumentam as chances de acidentes", alerta Gilson.

Uma fraqueza muscular, como lembra Rodrigo Sá, pode levar, ainda, a uma osteoporose, que é uma condição que deixa os ossos mais frágeis e porosos.

Na Aracê, os idosos mais ativos já voltaram às atividades em grupo, respeitando os protocolos de segurança contra a Covid-19. "Já os mais debilitados precisam de uma supervisão individual", diz o fisioterapeuta.

Aracê  Casa de Vivência tem espaço para que os residentes se exercitem
Aracê Casa de Vivência tem espaço para que os residentes se exercitem da forma correta. Crédito: Divulgação/ Aracê

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde Bem estar idosos Saúde Atividade física

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.