ASSINE

Obra de fábrica de café solúvel em Linhares abrirá 200 vagas de emprego

Construção da companhia começa no final de outubro; contratações serão feitas via Sine

Publicado em 28/08/2019 às 10h39
Atualizado em 30/08/2019 às 04h22
Município de Linhares. Crédito: Felipe Reis / Prefeitura de Linhares
Município de Linhares. Crédito: Felipe Reis / Prefeitura de Linhares

A construção da fábrica da Café Cacique vai abrir 200 vagas de emprego em Linhares a partir de outubro. As oportunidades serão para cargos de pedreiro, mestre de obras, carpinteiros, entre outros. A previsão é de que no pico da obra sejam necessários 300 trabalhadores.

O secretário de desenvolvimento de Linhares, Luiz Fernando Lorenzoni, informou que a seleção deve ocorrer por meio do Sine, um pouco antes do início das obras, priorizando a mão de obra local. A construção será feita por uma empresa contratada pela Café Cacique.

O diretor industrial da companhia, Júlio César Grassano, ressaltou que quando entrar em atividade, em janeiro de 2021, a Cacique vai gerar 235 empregos diretos e outros 600 indiretos. Dentre os cargos previstos estão o de mecânico e eletricista. “Ao começar a operação, serão necessários profissionais técnicos”, destacou.

A pedra fundamental da empresa deve ser colocada no próximo dia 25 de outubro e o início das operações está previsto para o começo de 2021. O investimento para implantação da fábrica será na ordem de R$ 280 milhões.

A Café Cacique é uma empresa de Londrina, no Paraná, que vai atuar na fabricação de café solúvel. Toda a produção será voltada para a exportação.

“Estamos trabalhando para diversificar a economia do município para depender cada vez menos dos recursos dos royalties do petróleo. Esse recurso deverá ser usados somente em infraestrutura”, explicou o secretário.

OUTROS EMPREENDIMENTOS

O secretário de desenvolvimento de Linhares, Luiz Fernando Lorenzoni, destacou que outros empreendimentos serão instalados nos próximos meses no município, gerando um total de 1.500 empregos.

Haverá a construção como a Fibracem (de cabos de fibra ótica), Maxcor (impressões de etiquetas), Fimag (equipamentos agrícolas), hospital Medical Center, Aeroporto, Britânia (eletrodomésticos) e Randon (fábrica de reboques).

Lorenzoni, o diretor industrial Júlio Grassano, além do prefeito do município Guerino Zanon, se reuniram com o governador do Estado, Renato Casagrande, nesta quarta-feira (28), no Palácio Anchieta, em Vitória.

“Hoje usamos o Porto de Santos. No encontro com o governador, conversamos para usar os portos do Espírito Santo, inicialmente o de Vitória e depois o de Aracruz. Escolhemos Linhares por ser uma cidade com perfil industrial e com mão de obra qualificada”, disse Grassano.

Este vídeo pode te interessar

 

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.