ASSINE
Árbitro capixaba com maior número de atuações nacionais e internacionais, especializado em gestão esportiva,e que atuou em dez finais do Campeonato Capixaba, além de partidas das séries A, B, C e D do Campeonato Brasileiro.

Comissão Nacional de Arbitragem é criticada por modelo de escalas dos árbitros

Cerca de 15 árbitros estão sendo escalados e todos os outros não estão tendo oportunidades. Federações estão insatisfeitas

Publicado em 27/06/2022 às 02h00
Arbitragem do Brasileirão pode ter caras menos conhecidas em 2021
Arbitragem do Brasileirão não vem sendo renovada. Crédito: Pixabay

O presidente da Comissão Nacional de Arbitragem, Wilson Seneme, foi muito questionado por vários presidentes de federações de futebol do Brasil em virtude da estratégia que está usando para as escalas dos árbitros para as séries A e B do Campeonato Brasileiro.

Os dirigentes, entre eles Gustavo Vieira, da federação capixaba, reclamam de Seneme ter centralizado as escalas em um grupo de quinze árbitros que estão sendo escalados toda rodada sem oportunizar os outros árbitros do país, ou seja, quinze apitam e mais quatrocentos ficam assistindo sem serem aproveitados nas escalas. Isso sem dúvida gera conflito com os clubes e acaba prejudicando a competição com o desgaste dos próprios árbitros.

Alguns árbitros, inclusive, já apresentaram deficiências em lances tecnicamente fáceis, o que seria resultado desse cansaço. Vale informar que os árbitros brasileiros não são profissionais e, portanto, não contam com uma estrutura adequada para enfrentarem jogos seguidos, viagens, má alimentação, pouco descanso e quase nenhum tempo de recuperação.

Segundo o médico do esporte e ex-atleta, Luciano Rezende, a capacidade de manter o foco, atenção e raciocínio rápido estariam comprometidas. "Um lance decisivo poderia ser mal marcado facilmente pela fadiga causada pelo desgaste de um voo longo, desidratação ou má alimentação. Isso pode, sem dúvida, comprometer a atuação de um árbitro", afirmou Luciano.

E é o que vem acontecendo. O árbitro Fifa Raphael Claus sentiu uma contusão e foi afastado das escalas, além de Bruno Arleu (RJ) e Sávio Sampaio (DF), ambos da Fifa que foram afastados por erros em lances primários de falta de atenção.

Diante de um calendário que tem uma competição longa como o Campeonato Brasileiro, que conta com 38 rodadas, além da Copa do Brasil e Libertadores, se essa estratégia não for revista, certamente ainda teremos muitos problemas e polêmicas até o final do ano. E nesse caso não adianta chamar o VAR. Chamar a maca seria mais indicado. 

EM ALTA

No meio dessa polêmica, um árbitro que vem se destacando apitou o jogo da vitória Flamengo por 3 a 0 sobre o América-MG. Ramon Abatti Abel (SC) teve ótima atuação no Maracanã e vem se firmando para ser um futuro árbitro Fifa no Brasil.

Outra promessa da arbitragem brasileira é o capixaba Arthur Gomes Rabelo, que apitou muito bem a final do Campeonato Brasileiro sub-17 quando o Vasco venceu o Palmeiras por 4 a 2, mas que o time paulista acabou campeão pelo saldo de gols.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Futebol Campeonato Brasileiro Brasileiro Série B Arbitragem

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.