ASSINE
Taynã Feitosa é sommelière e cervejeira apaixonada por uma boa cerveja e suas infinitas possibilidades. Também é jornalista e mercadóloga

O que são escolas cervejeiras? Conheça as quatro principais

Entenda por que elas são fundamentais para entendermos a influência histórica e cultural de alguns países nas cervejas que produzem

Publicado em 22/04/2022 às 02h00

Você já ouviu falar em escola cervejeira? É muito comum ver o termo por aí, e também aqui, nesta coluna. Mas, afinal de contas, o que ele significa? No mundo das cervejas, usamos a palavra "escola" para designar uma região que originou algum estilo da bebida.

Além de entender o uso dos insumos locais para a produção da cerveja, as escolas têm distinções que trazem à tona muito da história e da cultura da região onde ela é feita.

Degustação de cervejas.
As escolas cervejeiras trazem muito da cultura de onde a bebida é feita. Crédito: Shutterstock

Conheça a seguir as quatro principais escolas cervejeiras do mundo.

  1. 01

    Escola Alemã (Alemanha, Áustria e República Tcheca)

    A alemã é, sem dúvida, a escola cervejeira mais popular e cultuada de todas. Algumas figuras emblemáticas, como o alemão com trajes típicos bebendo uma caneca de chope, copos de cerveja sempre cheios e a própria Oktoberfest nos remetem à escola alemã, também ovacionada por sua precisão. A Lei da Pureza Alemã (Reinheitsgebot) e as cervejas da família Lager surgiram na região que abrange Alemanha, Áustria e República Tcheca. Outros grandes marcos da Escola Alemã são a criação do estilo Pilsen (originário da cidade de Pils, na República Tcheca), a criação das Weizen (as cervejas de trigo) e também de outros estilos icônicos, como as Bock e as Gose.

  2. 02

    Escola Belga (Bélgica, Holanda e França)

    A belga é a escola cervejeira da inovação e da criatividade. Bem antes da Escola Americana criar cervejas diferentonas, já eram marcos dessa escola fermentações espontâneas, adição de ingredientes inusitados e de frutas e especiarias. As famosas cervejas trapistas, feitas por monges da Ordem Trapista, também são, em sua maioria, dessa região. Outra característica interessante da escola é o teor alcóolico das receitas, que geralmente fica acima dos 10%. Alguns dos estilos mais relevantes da Escola Belga são as Dubbel, as Tripel e as Quadruppel, além das Farm Ale, das Strong Ales e, claro, das cervejas de fermentação espontânea, também conhecidas como Lambics.

  3. 03

    Escola Inglesa (Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda)

    Viva o lúpulo e as draught beers! A região que criou as famosas IPAs é a mesma que difundiu a cultura dos pubs e das cervejas armazenadas em barris. Também pertencem às ilhas que formam a Grã-Bretanha os icônicos estilos Pale Ale, Porter e Stout. As cervejas da Escola Inglesa são as Ale conhecidas pelo uso de diferentes torras de malte, de lúpulos com notas terrosas e herbais e também pelas receitas menos carbonatadas, com o corpo mais elevado, mais amargor e também com teor alcoólico mais alto. Além dos estilos já citados, pertencem à escola inglesa as cervejas do tipo Brown Ale, as Scotch Ale, as Bitter (e ESB) e as Barley Wine.

  4. 04

    Escola Americana (EUA)

    Mesmo que os tradicionalistas torçam o nariz para a Escola Americana, é inegável reconhecer que esse estilo de cerveja (o mais bebido nos dias de hoje) pertence à Escola Americana: refiro-me às American Lager. Os EUA se destacam, principalmente, por fazer releituras de estilos que já existem, como as American Pale Ale (que variam da Escola Inglesa) e as American Lager (herança óbvia da Escola Alemã). O hábito cervejeiro no continente americano veio com os imigrantes alemães e britânicos e teve um período de baixa durante a Lei Seca estadunidense. Após o período, a cena local se reinventou e segue como responsável por boa parte das novidades cervejeiras nos dias atuais. Uma das características mais legais da Escola Americana é o uso de lúpulos específicos do Novo Mundo, que geralmente carregam notas cítricas e frutadas, como o Mosaic, o Citra, o Amarillo e o Cascade, para citar os mais conhecidos pelos cervejeiros e entusiastas.

Este vídeo pode te interessar

Acompanhe a colunista também no Instagram.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Gastronomia Cerveja opinião

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.