ASSINE
A jornalista Renata Rasseli cobre os eventos sociais, culturais e empresariais mais importantes do Estado. Sua marca é aliar notícias a tendências de moda, luxo, turismo e estilo de vida

Turismo de bem-estar é a tendência para o pós-pandemia

Depois de um ano de pandemia, a hotelaria voltada para a saúde física e mental ganha força em todo o mundo

Vitória
Publicado em 22/03/2021 às 02h00
Atualizado em 22/03/2021 às 02h01
Wellness é uma das tendências da hotelaria que ganharam força em 2021
Wellness é uma das tendências da hotelaria que ganharam força em 2021. Crédito: Divulgação

Para tentar restaurar energias exauridas no longo, exaustivo e doloroso 2020, e do 2021 que promete ainda de grandes desafios,   hotéis em todo o mundo investem em ofertas de bem-estar e saúde física e mental. O wellness (bem-estar em inglês) é das tendências da hotelaria que ganham força em todo o mundo, como turismo regenerativo (com viajantes e empresas se esforçando para deixar o lugar melhor do que encontraram), buyout, workcation, staycation.

No blog Hotel Inspectors, a jornalista Carla Lencastre explica como hotéis em todo o mundo estão adotando as tendências de wellness. Entre os principais investimentos estão spas de grife, atividades associadas à natureza e a práticas sustentáveis e tratamentos com aromaterapia e metais nobres.

MÊS DA MULHER

Marianne Pernambuco
Marianne Pernambuco: em evento only for women, antes da quarentena. Crédito: Léo Gurgel

CAPIXABA DA CONCERTINA

Um dos mais antigos instrumentos de fole do mundo, a concertina, conhecida dos capixabas pelas mãos dos pomeranos, é foco de pesquisa de um grupo de artistas pernambucanos que está realizando um amplo levantamento histórico e desenvolvendo um protótipo digital do instrumento. Se no Espírito Santo o instrumento é conhecido e reconhecido - desde 2014 foi instituído por Lei o Dia Estadual da Concertina e do Tocador de Concertina, além da existência de um festival em sua homenagem - em outros estados e regiões brasileiras a beleza de seu som permanece quase desconhecida.

Este vídeo pode te interessar

Na última sexta (19), o tocador, luthier e professor de concertina de Domingos Martins, Angelino Zaager, conhecido como Seu Angelino, levou seu conhecimento e experiência ao grupo de artistas que está desenvolvendo o projeto Foles Digitais, em uma conversa realizada pelas redes sociais do projeto. 

CAPIXABA CRIA IMAGEM 

A artista capixaba Margarette Mattos
A artista capixaba Margarette Mattos. Crédito: Divulgação

A artista capixaba Margarette Mattos assina a imagem oficial do projeto "Carnival Society of Boston", sociedade carnavalesca de Boston, nos EUA. O convite foi feito no final de fevereiro pelo presidente da Society, Johann Correa. Com o tema "Metamorphose Real", a artista se inspirou no mar, nos minerais, na biodiversidade e trouxe na imagem pintada uma borboleta coroada. "A obra é composta de pequenas borboletas estampadas ao fundo, onde todas passaram pela metamorfose, mas só uma delas se destaca para o Carnaval de Boston".

A artista visual leva na bagagem prêmios como Brazilian Internacional e Focus Brasil, ambos realizados nos Estados Unidos. Desde 2020, Margarette participa como co-fundadora do projeto Mostra Sua Cara, que une artistas do mundo todo em um bate-papo cheio de boas histórias e muito aprendizado.

MÊS DA MULHER 2

Patricia Soares e Marcela Altoé
Patricia Soares e Marcela Altoé: encontro só pra elas, antes das restrições da pandemia, em Vix. Crédito: Léo Gurgel

SÍNDROME DO OLHO SECO AUMENTA NA PANDEMIA

Têm aumentado as queixas associadas ao olho seco, cansaço ocular, pressão nos olhos e vista irritada no Brasil durante a pandemia da Covid-19. Este crescimento, segundo a oftalmologista Liliana Nóbrega, é consequência do aumento de atividades como o teletrabalho ou o incremento da utilização de dispositivos móveis. “O olho seco é uma das síndromes oculares mais comuns atualmente e é resultado da falta de lágrimas ou sua má qualidade. Trata-se de uma síndrome crônica que afeta a superfície ocular por não estar devidamente hidratada”, explica.

Dentre as principais causas da síndrome durante a pandemia está no tempo excessivo gasto em frente a telas de dispositivos digitais como celulares, televisões, computadores, entre outros. Para reverter o problema, já existe em Vitória um tratamento feito por meio de uma tecnologia francesa, o E-Eye.

Inédito, o equipamento médico é o primeiro desenvolvido especificamente para o tratamento das glândulas que produzem lipídios e proteínas para as margens das pálpebras, responsáveis por 85% dos casos do olho seco. A técnica utiliza a tecnologia IRPL (Luz Pulsada Regulada de Alta Intensidade) e está disponível em sua clínica na capital.

MÊS DA MULHER 3 

Nathalia Cinelli
Nathalia Cinelli: em almoço festivo na Ilha, antes da nova quarentena. Crédito: Léo Gurgel

10 ANOS DE ARTE

Rubiane Maia, artista mineira, radicada em Vitória/ES desde os 4 anos de idade, terá um livro para chamar de seu. A obra, de autoria do curador e pesquisador Lindomberto Ferreira Alves, trata sobre os dez primeiros anos de carreira dessa artista multimídia. A artista já trabalhou com Marina Abramović, Ayrson Heráclito, Roberto Conduru e Marcelo Campos, só para citar alguns. Além de ter sido indicada, em 2017, ao “Prêmio Pipa”, uma das mais relevantes premiações, em âmbito nacional, da produção de Arte Contemporânea.

Rubiane Maia
Rubiane Maia. Crédito: João Agelini

A artista, hoje, vive entre Vitória e Folkestone (Reino Unido), além de percorrer o mundo com suas apresentações. Afinal, seus trabalhos foram apresentados, mais de uma vez, em pelo menos 13 países (além do Brasil). O livro “Rubiane Maia: corpo em estado de peformance” terá lançamento online no dia 29 de março.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.