ASSINE
A jornalista Renata Rasseli cobre os eventos sociais, culturais e empresariais mais importantes do Estado. Sua marca é aliar notícias a tendências de moda, luxo, turismo e estilo de vida

Pesquisadora estuda a realidade de mulheres no isolamento social no ES

A psicológa Gina Strozzi coordena a pesquisa "Mulheres, Isolamento e Covid-19", que pretende reunir dados de violência doméstica, sobrecarga de trabalho e a auto-estima do sexo feminino durante a pandemia

Publicado em 21/04/2020 às 05h00
Atualizado em 21/04/2020 às 05h01
Gina Strozzi
Gina Strozzi. Crédito: Mônica Zorzanelli

Pesquisadora, psicóloga clínica e palestrante internacional, Gina Strozzi   coordena a pesquisa "Mulheres, Isolamento e Covid-19", que pretende reunir dados de violência doméstica, sobrecarga de trabalho e a auto-estima do sexo feminino durante a pandemia. Os dados da pesquisa servirão de subsídios para ações a favor das mulheres, entre elas ações públicas principalmente para a proteção e prevenção da saúde mental e segurança das mulheres.

Segundo a estudiosa da saúde mental, as  medidas de isolamento e confinamento social  provocaram mudanças nas relações humanas e impactaram a condição das mulheres no mundo todo. Suas práticas cotidianas, - somadas as angústias e medos - vêm sendo alteradas em profundidade e carecem de observações, análises e intervenções para possíveis ações de apoio, suporte e prevenção nos itens: saúde, economia, segurança e proteção social.

Em sua pesquisa, Gina analisa três pontos:

  1. A sobrecarga da mulher nas tarefas domésticas dentro de casa com a família - os filhos e marido ajudam? Ela tem que pedir? Quero medir a carga mental: quando a mulher só tem ajuda e é auxiliar da quando solicita. 
  2. A ocorrência da violência doméstica. Há números alarmantes sobre denúncias nesta quarentena, com os pares opressores confinados no mesmo espaço que elas.
  3. Auto-estima: como as mulheres se veem nesta situação. O isolamento impacta sua produção de trabalho e também a visão e sentimento para consigo mesma. Estão fortes ou deprimidas? Ansiosas ou esperançosas?

COMO RESPONDER A PESQUISA?

A participação na pesquisa é voluntária, anônima e destinada a mulheres acima de 18 anos. Os dados são confidenciais, mesmo no caso de futuras publicações dos resultados. O questionário está disponível neste link.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.