ASSINE
Crítico de cinema e apaixonado por cultura pop, Rafael Braz é Jornalista de A Gazeta desde 2008. Além disso é colunista de cultura, comentarista da Rádio CBN Vitória e comanda semanalmente o quadro Em Cartaz

"O Culpado": Jake Gyllenhaal brilha em bom thriller da Netflix

Refilmagem do ótimo dinamarquês "Culpa", "O Culpado" tem grande atuação de Jake Gyllenhaal na construção de um policial tenso e cheio de camadas

Vitória
Publicado em 01/10/2021 às 14h47
Filme
Jake Gyllenhaal em "O Culpado", suspense da Netflix. Crédito: Glen Wilson/Divulgação

Lançado em 2018, o dinamarquês “Culpa”, de Gustav Möller, foi indicado a diversos prêmios internacionais, premiado em Sundance, e, inclusive, foi o filme selecionado pela Dinamarca para o Oscar do ano seguinte. Apesar da boa carreira internacional, o filme obviamente foi ignorado no mercado americano, que se recusa a consumir qualquer obra com legendas. A solução, óbvia para a indústria americana, foi adaptá-lo transportando a história para Los Angeles e com um rosto conhecido como protagonista.

“O Culpado”, dirigido por Antoine Fuqua (“O Protetor”), chegou nesta sexta (1º) à Netflix com uma adaptação que pouco acrescenta ao original. Na trama, Jake Gyllenhall é Joe Baylor, um policial responsável pelo atendimento ao 911 em Los Angeles. É seu último dia nessa função; ele tem uma audiência no final do dia e desde o início fica claro existir uma possível complicação nessa história.

Joe atende uma ligação abafada, de uma mulher que chora e despista o que está dizendo fingindo estar conversando com a filha. O policial identifica um possível sequestro e passa a fazer de tudo para identificar os envolvidos e dar um fim à situação.

“O Culpado” é um filme de ambiente único, ficando o tempo todo confinado ao local de trabalho de Joe e com Gyllenhaal em tela - daí a importância de se ter não apenas um rosto com o qual o público simpatiza, mas também um ator capaz de segurar o filme praticamente sozinho em tela por quase 90 minutos. Há, claro, interações com a tal mulher, Emily (RIley Keough), e outros funcionários da segurança de Los Angeles, além de personagens que não valem ser citados para não estragar nenhuma surpresa, mas é Joe que conduz toda a trama em suas ligações. 

"O Culpado" foi filmado em novembro de 2020 e é difícil imaginar um filme mais ideal para ser filmado em situação de pandemia. O roteiro adaptado por Nic Pizzolato não traz grandes surpresas para quem já viu o original, ele apenas tenta inserir algumas novas camadas. Joe claramente não quer estar naquela função e tem preocupações muito maiores do que boa parte de suas chamadas. A vindoura audiência é importante, assim como sua relação com a ex-mulher e a filha - ele usa aliança, então imaginamos ser algo recente, que ainda dói.

O texto também leva a trama para uma crise de incêndios em Los Angeles, o que complica o atendimento policial ao caso e, por consequência, deixa Joe ainda mais nervoso. O personagem de Gyllenhaal é construído como um sujeito aparentemente explosivo e disposto a contornar algumas regras para alcançar seu objetivo. O roteiro de Pizzolato ainda acrescenta ao drama do policial a filha que não existia no filme original e dá uma motivação adicional ao personagem, que se identifica com a situação da sequestrada.

Em sua versão hollywoodiana, “O Culpado” ganha ares mais americanizados e tecnológicos. Enquanto a central de atendimento dinamarquesa era um ambiente simples, a americana é tecnológica, com grandes monitores e uma iluminação baixa que confere um clima de suspense adicional à trama. A câmera também é muito mais agitada, refletindo o estado de espírito do protagonista a cada momento e tentando imprimir um senso de urgência à narrativa.

“O Culpado” tem uma ótima virada no início do terceiro ato e segue assim até seu encerramento. O recurso funciona devido à atuação de Jake Gyllenhaal, que dá vida a um policial visivelmente em conflitos particulares e um sujeito não necessariamente adorável - torcemos não por ele, mas para que a situação se resolva da melhor maneira possível.

Filme
Jake Gyllenhaal em "O Culpado", suspense da Netflix. Crédito: Glen Wilson/Divulgação

Assim como o filme original, “O Culpado” é direto, sem espaços para subjetividades ou diferentes interpretações. É um suspense policial claustrofóbico que funciona pela atuação de Jake Gyllenhaal e também pela escolha dos produtores de manter o texto o mais fiel possível ao dinamarquês. O filme deixa claro haver muito mais acontecendo na vida de Joe e isso serve para dar um mínimo de profundidade ao policial em um cenário tão restrito. Apesar de simples, o filme se desenvolve de maneira às vezes surpreendente e o faz organicamente, sem nunca soar exagerado ou distante da realidade.

“O Culpado”, ao fim, é um bom filme da mesma forma que “Culpa” é um bom filme. O lançamento da Netflix obviamente perde potência se o espectador tiver conhecimento prévio do filme dinamarquês, pois é mais um dos tantos remakes americanos que não fazem muito sentido. Isso, no entanto, não tira o mérito da atuação de Jake Gyllenhaal e da boa ambientação de Pizzolato e Fuqua, que entregam um filme tenso e bem construído.

Este vídeo pode te interessar

Filme
Jake Gyllenhaal em "O Culpado", suspense da Netflix. Crédito: Glen Wilson/Divulgação

A Gazeta integra o

Saiba mais
Netflix Fique bem Rafael Braz Streaming

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.