ASSINE
Crítico de cinema e apaixonado por cultura pop, Rafael Braz é Jornalista de A Gazeta desde 2008. Além disso é colunista de cultura, comentarista da Rádio CBN Vitória e comanda semanalmente o quadro Em Cartaz

"Ataque dos Cães", da Netflix, é um dos melhores filmes de 2021

"O Ataque dos Cães" marca o retorno de Jane Campion ("O Piano") às telas com um drama psicológico tenso e tecnicamente primoroso

Vitória
Publicado em 01/12/2021 às 03h40
Filme
Filme "Ataque dos Cães", de Jane Campion, na Netflix. Crédito: KIRSTY GRIFFIN/NETFLIX

Vencedora do Oscar de Melhor Roteiro Original em 1993 e indicada ao prêmio de direção no mesmo ano por “O Piano”, que também rendeu a ela a Palma de Ouro em Cannes, Jane Campion não lançava um filme desde 2009, quando lançou o bom “O Brilho de Uma Paixão”. Nesse meio tempo, escreveu a ótima série “Top of the Lake” e dirigiu quase todos os episódios dela - as duas temporadas finalmente estão disponíveis no Brasil, na HBO Max.

Jane Campion volta agora com “Ataque dos Cães”, que chega à Netflix nesta quarta (1º) com a assinatura da cineasta neozelandesa adaptando, à sua maneira, o livro homônimo de Thomas Savage. Campion deixa boa parte do romance do material original de lado e volta suas atenções para criar um tenso drama psicológico.

“Ataque dos Cães” se situa em 1925, um rancho de propriedade dos irmãos Phil (Benedict Cumberbatch) e George Burbank (Jesse Plemmons). Desde o início, o filme já deixa a entender haver algo que não vai bem na relação entre eles. Phil é um sujeito controlador que não hesita antes de atacar o elo fraco de qualquer relação, seja ela de poder, como com seu irmão, ou profissional, como acontece com o jovem Peter (Kodi Smit-McPhee). Já George é quieto, trata todos com educação e não parece mais querer fazer parte daquele rústico universo de cowboys; os EUA viviam anos de grandes avanços econômicos na década de 1920 e também de grande urbanização.

George se solidariza com a viúva Rose (Kirsten Dunst), mãe de Peter, após a situação causada pelo irmão. Não demora e ambos se casam, com Rose indo morar no rancho dos Burbank enquanto Peter vai para a cidade estudar medicina. A relação dos irmãos, que já não andava boa, desanda - Phil nem sequer dirige a palavra à esposa do irmão e ainda tenta sabotá-la sempre que possível.

Este vídeo pode te interessar

Filme
Filme "Ataque dos Cães", de Jane Campion, na Netflix. Crédito: KIRSTY GRIFFIN/NETFLIX

Nesse conflito silencioso entre Phil e Rose, “Ataque dos Cães” tem grandes momentos. Ambos são solitários, ele, por optar por um autoisolamento, ela, pelo tempo que o marido passa na cidade, e cada um lida com isso de forma diferente. Quando Peter vai ao rancho durante as férias passar um tempo com a mãe, a relação familiar se complica. Naquele ambiente bruto de cowboys, o jovem tem interesses e comportamentos totalmente diferentes.

É interessante, neste ponto, como o texto tira George de cena para se concentrar em Phil. O irmão “alfa”, construído inicialmente como um bruto misógino, ganha profundidade e camadas a serem exploradas pela narrativa. À sua forma, Phil vive um luto até pela vida que abandonou para se concentrar nos negócios do rancho da família. Com uma dinâmica meio torta, o filme desenvolve uma relação entre ele e Peter que nos faz temer pelo destino do jovem.

“Ataque dos Cães” é um filme quieto, construído em cima de suas atuações. Cumberbatch, um ator do contestado “método”, demonstra entrega para conferir a intensidade necessária a Phil sem nunca nos passar a impressão de que ele é apenas o que se vê - há mais, há mistérios que cercam o personagem e são fundamentais para as viradas da trama.

Outro destaque é Kristen Dunst, que ganha a simpatia do público com uma Rose às beiras de um colapso nervoso, uma mulher que vive se esgueirando pela casa para fugir de conflitos e acaba mergulhada na própria solidão.

Filme
Filme "Ataque dos Cães", de Jane Campion, na Netflix. Crédito: KIRSTY GRIFFIN/NETFLIX

O roteiro tem dois momentos narrativos distintos. No primeiro deles, o texto aposta na construção da tensão entre Phil e Rose num clima quase de suspense psicológico, sentimento que é muito reforçado pela trilha sonora do genial Jonny Greenwood. As músicas do guitarrista do Radiohead e colaborador habitual de Paul Thomas Anderson conferem ao filme um clima que se assemelha a “Trama Fantasma” (2017), do supracitado diretor.

O clima de suspense também se dá na fotografia de Ari Wegner, que aposta em ambientes escuros, com luz natural, para representar o frágil psicológico dos personagens, mas também tem sequências de tomadas abertas pelas belas paisagens da Nova Zelândia, onde o filme foi gravado. Além disso, o design de produção de Grant Major é incrível, criando uma casa sempre vazia, com um clima inóspito para Rose e de solidão para Phil.

Filme
Filme "Ataque dos Cães", de Jane Campion, na Netflix. Crédito: KIRSTY GRIFFIN/NETFLIX

O segundo momento de “Ataque dos Cães” é na relação de Phil e Peter, quando o filme praticamente abandona o clima de tensão silenciosa da primeira metade e cria uma narrativa sustentada pela dúvida. Quando as viradas surgem, é fácil identificar que as pistas estavam lá desde o início - o roteiro não desperdiça informação alguma.

“Ataque dos Cães” é um filme tecnicamente primoroso e com a narrativa cadenciada que se espera de uma obra de Jane Campion. Por mais que não tenha grandes ousadias, o ritmo pode incomodar alguns, mas a recompensa é entregue na forma de um drama psicológico que alterna tensão e dúvida com temas interessantes e grandes atuações. Um dos grandes filmes do ano e presença certa na temporada de premiações.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Netflix Oscar Rafael Braz Streaming

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.