ASSINE
Uma jornalista que ama os animais, assim é Rachel Martins. Não é a toa que ela adotou duas gatinhas, a Frida e a Chloé, que são as verdadeiras donas da casa. Escreve semanalmente sobre os benefícios que uma relação como essa é capaz de proporcionar

6 dicas para evitar o impacto dos fogos de artifício nos pets

A médica-veterinária, Nathalia Fleming, explica que os cães e gatos não conseguem identificar a origem do ruído, com isso o interpretam como uma ameaça, o que desperta sentimentos desconfortáveis no animal

Publicado em 30/12/2021 às 02h01
Pets com medo dos fogos de artifício no réveillon
Saiba como proteger os animais do estresse causado pelo barulho dos fogos de artifício no réveillon. Crédito: Shutterstock

O réveillon está próximo e daqui a pouco entraremos em 2022. Este ano, não teremos fogos de artifício na praia de várias cidades por conta da pandemia. Mas muitas pessoas acabam comprando os artefatos para comemorar a chegada do novo ano. Mas esse momento de confraternização entre os humanos pode ser um verdadeiro desafio para os pets, principalmente cães e gatos, que acabam sofrendo com estresse e pânico.

E essa fobia é muito comum nesses animais. Os cães e gatos têm uma audição aguçada que faz com que detectem sons a longa distância. No caso da queima de fogos, os pets ouvem o barulho em uma frequência diferente dos humanos e não conseguem identificar a origem do ruído, com isso o interpretam como uma ameaça o que desperta sentimentos desconfortáveis no animal.

É comum nessa situação que os animais procurem um local para se esconder, e em casos graves a fobia pode até mesmo provocar a fuga ou acidentes graves. Com isso, as festas de fim de ano podem ser desafiadoras para os pets.

Segundo a médica-veterinária e gerente de produtos da Unidade de Pets da Ceva, Nathalia Fleming, o primeiro passo para tornar o momento menos estressante para o cãozinho ou o gatinho é identificar se ele sente medo dos artefatos. Em caso afirmativo, ela explica que o tutor deve investir em uma série de medidas que podem auxiliar na manutenção do bem-estar do seu “filho de quatro patas”.

Este vídeo pode te interessar

A médica-veterinária listou seis dicas para ajudar nesta missão. Confira:

1 - FIQUE ATENTO AO COMPORTAMENTO DO PET

O cão ou o gato pode manifestar o medo de fogos em qualquer fase da vida. Por isso, o tutor deve ficar sempre atento em situações de grande barulho quando o animal apresentar sinais como tremores, agitação, latido ou miado em excesso e até aumento do ritmo cardíaco, além de mudanças comportamentais, como procurar se esconder pela casa, buscar pelos tutores ou ficar mais agressivo.

2 - FAÇA ASSOCIAÇÕES POSITIVAS

O ideal é que ao longo da vida do cão ou do gato sejam feitas associações positivas com os sons de fogos, iniciando o processo ainda quando filhotes, fase onde o animal está mais aberto a novas descobertas. Dessa forma, o animal entenderá o barulho como algo “normal” dentro da rotina. Uma boa dica, por exemplo, é associar barulho à comida. De forma muito delicada, comece a colocar sons como trovão e fogos de artifício em volume muito baixo quando ele for comer. Aos poucos, aumente o volume. Mas é importante que o pet não sinta medo em momento nenhum. Se ele parar de comer, volte ao volume anterior.

3 - GASTAR ENERGIA É IMPORTANTE

O acúmulo de energia pode deixar o pet ainda mais estressado e contribuir para um maior desconforto. O ideal nessas datas é proporcionar um dia com mais atividades físicas e mentais para os animais, isso irá fazer com que eles gastem energia e fiquem mais relaxados no período noturno, onde tipicamente ocorre o barulho dos artefatos.

Pets com medo dos fogos de artifício no réveillon
Os fogos podem soar como ameaça para os bichinhos. Crédito: Shutterstock

4 - PREPARE O AMBIENTE PARA SEGURANÇA DO PET

Durante a queima de fogos o ideal é deixar os pets em locais onde seja possível minimizar o barulho externo e onde não possam se ferir. É importante que ele já esteja habituado a esse lugar, além de fechar as janelas e as portas. Não deixe jamais o pet preso na coleira, ele pode se ferir ao tentar escapar. Se você mora em apartamento, é primordial que as janelas e básculas sejam teladas.

5 - DISTRAIA O PET DURANTE A QUEIMA DE FOGOS

Uma vez que o pet já está nesse local protegido, o tutor pode tornar o momento agradável oferecendo ao cão seu petisco preferido e brincando com ele. Dessa forma o animal fará uma associação positiva com aquele cenário. Caso ele vá ficar sozinho, deixe uma TV ligada, a ciência já comprovou que a voz humana acalma e transmite segurança para os cães e gatos, ou coloque músicas em um volume um pouco mais alto, para ajudar a abafar o som dos fogos

6 - DEIXE O PET LIVRE PARA ACHAR UM ESCONDERIJO

Se ele preferir escolher um esconderijo, respeite. É onde ele se sente seguro. Pode ser atrás do armário, embaixo da cama ou da roupa de cama. Simplesmente deixe ele lá o quanto quiser. Outra dica é colocar com delicadeza um chumaço de algodão hidrófilo nos ouvidos do animal um pouco antes do horário da queima. Mas lembre-se de retirá-lo após o barulho cessar.

Pets com medo dos fogos de artifício no réveillon
Muitos pets procuram refúgio embaixo dos móveis. Crédito: Shutterstock

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Réveillon Pets

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.