ASSINE
Uma jornalista que ama os animais, assim é Rachel Martins. Não é a toa que ela adotou duas gatinhas, a Frida e a Chloé, que são as verdadeiras donas da casa. Escreve semanalmente sobre os benefícios que uma relação como essa é capaz de proporcionar

10 perguntas para fazer antes de levar um animal para a sua casa

Está pensando em levar um pet para te fazer companhia? Antes de fazer isso, responda essas perguntas e veja se você se encaixa no perfil de “pai” ou “mãe” de um animal de estimação. O que não vale, é levar o bichinho para casa, e no primeiro problema abandoná-lo ou devolvê-lo ao abrigo

Publicado em 16/03/2021 às 02h00
Cachorros precisam passear pelo menos duas vezes ao dia
Cachorros precisam passear pelo menos duas vezes ao dia. Crédito: Freepik

Você é apaixonado por animais de estimação e sempre desejou levar um para sua casa. Mas, acredite, essa decisão não é tão simples quanto parece (segundo especialistas, os casos de abandono ou devolução de pets são altos e quem sofre quando isso acontece é sempre o animal).

Animal de estimação não é um objeto que pode ser descartado a qualquer hora, ele tem sentimentos e cada vez que é abandonado ou devolvido sofre um trauma e começa a ficar com medo diante dos humanos (e restabelecer essa confiança, acredite, leva um bom tempo).

Idosos devem optar por animal adulto
Idosos devem optar por animal adulto. Crédito: Freepik

O pior é que as desculpas para o abandono e a devolução de animais são as mais surreais: “Adotei um filhote mas ele destruiu meu sofá”, “Desde ontem quando o levei para casa, ele não para de latir ou miar”, “Descobri que não vou poder arcar com as despesas de alimentação”, “Vou viajar e agora não tenho com quem deixar o animal”, e assim por diante.

Por isso, antes de levar um pet para sua casa é necessário avaliar uma série de pré-requisitos para ver se realmente não é apenas aquela vontade que dá e logo passa. E sim um ato de amor e responsabilidade. Para te ajudar na decisão, elaboramos 10 perguntas que você precisa fazer a si mesmo antes de levar um “filho de quatro patas” para dentro de casa.

  1. 01

    Você está pronto para um compromisso a longo prazo?

    Se você acha que levar um pet pra casa é só questão de dinheiro (embora também seja, porque eles precisam de alimentação adequada e cuidados visando a sua saúde), está enganado. Levando-se em consideração que cães pequenos vivem entre 14 e 19 anos e os maiores de 10 a 15 anos, enquanto gatos podem viver de 15 a 20 anos e papagaios de 50 a 60 anos, é importante considerar a idade de quem será o seu dono. Por exemplo, idosos devem optar por um animal adulto. Já quem tem filhos em casa, precisa avaliar a idade e o nível de maturidade da criança. O melhor é que essa decisão seja debatida em família: todos concordam? Qual será a responsabilidade de cada um para com esse novo membro? Como será a rotina da casa?

  2. 02

    Você tem disponibilidade de tempo para passar na companhia do pet?

    Isso é muito importante, porque é a partir desse dado que você vai decidir qual o melhor animal para ter em casa. Por exemplo, cachorros exigem muita atenção de seus donos, necessitam passear pelo menos duas vezes por dia e gostam muito de interagir, portanto, atividades diárias são essenciais para o seu bem-estar. Já os gatos, por exemplo, não precisam fazer passeios diários pelas ruas, são capazes, inclusive, de viver a vida inteira só em casa. Mas isso não significa que dispensem atenção. Eles adoram carinho e brincadeiras, desde que seja no tempo deles. No caso dos peixes, eles não necessitam de carinho, mas por outro lado exigem manutenção semanal do aquário. Então, antes de decidir, pesquise bastante e de preferência consulte um especialista para ajudá-lo nessa missão.

  3. 03

    Você já avaliou se a casa comporta a chegada de um pet?

    Acredite, esse é um aspecto muito importante. Até porque levar um pet para casa exige algumas mudanças na estrutura da residência, o que chamamos de ambientação. Por exemplo, se você mora em apartamento, será necessário passear com o seu cachorro todos os dias, o que não seria uma exigência caso residisse em uma casa, com quintal. No caso de gatos, por exemplo, o apartamento precisará ser totalmente telado (gatos pulam pela janela). As casas também precisam de mudanças quando o novo membro é um felino, para evitar que eles fujam para as ruas. Não dá para levar um cachorro grande para dentro de um apartamento pequeno. Todas essas questões, e outras, precisam ser avaliadas.

  4. 04

    Você acha que sua situação financeira é estável para receber um pet em casa?

    Alimentação e cuidados com a saúde do animal de estimação podem pesar no bolso. Um levantamento feito pelo Instituto Pet Brasil aponta que o gasto mensal médio com um cão é de R$ 338,76. No caso de gatos, o custo é de R$ 196,56. Com os peixes, as despesas são de R$ 66,50 (10 peixes em um aquário de 40 litros) por mês. No caso das aves, o custo é bem menos, R$ 7,80 por mês. Lembrando, que quando esses animais vivem em casas de pessoas das classes A e B, esse valor pode ultrapassar R$ 1 mil mensais. Portanto, antes de tomar a decisão de ter um pet, coloque seus gastos em uma planilha e veja se é possível inserir os gastos que vão surgir com esse novo membro na família. Lembrando que ainda podem surgir algumas intercorrências que não estão dentro desse valor mensal.

  5. 05

    Você costuma viajar com frequência?

    Se a resposta for sim, seus hábitos de viagem devem, então, influenciar na escolha do pet. Caso, por exemplo, você não abra mão de um cachorro para te fazer companhia, vai precisar ter alguém todos os dias em sua residência para cuidar dele e levá-lo para passear, enquanto estiver fora, viajando. Os gatos já se viram melhor sozinhos, mas também vão necessitar de uma pessoa, mesmo que em dias alternados, para cuidar deles. E se a opção for uma cat sitter ou uma dog walker, coloque esses gastos em seu orçamento. A vantagem dos cachorros é que é bem mais fácil levá-los juntos na viagem.

  6. 06

    Você aguenta quanto de bagunça?

    Na hora de escolher um pet para levar para casa, a maioria prefere um filhotinho, bem fofinho, daqueles que qualquer um se derrete. O problema é que eles são bem conhecidos pela bagunça que promovem, adoram brincar, mordem tudo e até aprender podem fazer as necessidades em todo canto. A pergunta é: “Você está preparado para chegar em casa e ver, por exemplo, seu sofá, digamos, com uma parte, ou totalmente, destruído? Sim, acredite, isso pode acontecer. E tanto faz se é um cachorro ou um gato. Então, caso queira um animal mais tranquilo, talvez um adulto seja mais indicado. Mas nesses casos, claro, é bom conversar antes para saber a personalidade do pet: é quietinho, agitado, amoroso, bravo… O que não vale, e é extremamente cruel, é levar o bichinho para casa e depois não aguentar a onda e abandoná-lo à própria sorte ou devolvê-lo de onde o retirou.

  7. 07

    Você é alérgico ou alguém na sua casa sofre com isso?

    Acredite, uma das grandes causas de desistência do pet é quando ele chega na sua nova casa e alguém começa a ter sintomas alérgicos. Apesar de isso não ser motivo para se desfazer do animal, é o que mais acontece, mesmo que existam meios da convivência entre o pet e o humano ser possível nessas situações. Então, antes de levar um amigo peludo para dentro de sua vida avalie todos os aspectos ligados a essa enfermidade.

  8. 08

    Você está pretendendo levar um pet de presente para alguém da sua casa?

    Lembre-se, pets não são objetos que podem ser trocados. Um presente assim pode ser recebido com muito amor, mas também com desgosto se a pessoa não estiver preparada para a surpresa. O melhor, sempre, antes de dar um mimo como um lindo filhotinho de cachorro, gato, hamster, entre outros, é conversar antes com todos que estarão envolvidos no seu processo de criação. Nada de surpresa!

  9. 09

    Você se imagina como daqui a 5 ou 10 anos?

    Hoje, até pode ser que você tenha tempo de sobra para cuidar do seu “filho de quatro patas”, mas não custa nada pensar (dentro do possível) o que está planejando num futuro próximo. Vamos supor que você more sozinho e está estudando a possibilidade de ir estudar fora, no exterior, viajar ao redor do mundo, ou realizar qualquer outra coisa que vá exigir mais de você. Já pensou o que vai fazer com o seu pet? Nem todo mundo, mesmo da família, estará disposto a cuidar dele na sua ausência. E mudanças drásticas são bem estressantes para os animais.

  10. 10

    Você, mesmo depois de tudo o que leu, decidiu levar um animal para casa. O que fazer?

    Quando se trata de ter um animal de estimação existem duas opções: comprar ou adotar. Nós, da coluna É o bicho, sempre sugerimos a adoção, evitando, assim, o comércio de pets, que muitas, muitas vezes, é cruel. E são centenas de bichinhos abandonados à procura de um lar, doce lar, para receber e dar muito amor. São muitas ONGs de proteção animal com abrigos lotados de pets, vá até um e escolha o seu “filho de quatro patas”. Ele será eternamente grato a você e mudará sua vida. Mas se quiser de qualquer maneira um animal de raça, com pedigree, pesquise muito o canil onde vai adquiri-lo. Lembre-se, ele precisa ser registrado na Confederação Brasileira de Cinofilia, peça a documentação do local para ver se está tudo certo e vá até lá para ver de perto como são tratadas as matrizes e os filhotes

A Gazeta integra o

Saiba mais
Pets

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.