ASSINE
É Fisioterapeuta, acupunturista e especialista em avaliação e tratamento de dor crônica pela USP. Entende a saúde como um estado de equilíbrio para lidar com as adversidades da vida de forma mais harmônica

Insônia na primeira infância

Bebês podem ainda sofrer de insônia por má higiene do sono, normalmente por hábitos impróprios, como excesso de estimulação física, mental ou emocional próximo ao horário de dormir

Publicado em 14/03/2022 às 02h00
criança na cama
Para estabelecer um ritmo de sono adequado deve-se agir precocemente, estabelecendo horário, rotinas e rituais consistentes para o sono. Crédito: Freepik

A pessoa que diz: “Essa noite dormi como um bebê”, certamente nunca teve um bebê que luta contra o sono em casa. A família inteira sofre de insônia junto. Às vezes, para adormecer, a criança requer condições especiais, como embalar no colo por muito tempo ou passear de carro e, pela repetição, acabam demandando tempo e investimento dos pais. E quando não lançam mão desses procedimentos, há prejuízo no sono, com atraso tanto ao iniciar quanto para retomar o sono quando interrompido.

Em outros casos, os pais ou cuidadores impõem poucos limites para a criança, somados à queixas associadas de problemas de comportamento durante o dia. Quando se vê insônia por imposição de limites inconsistentes vemos recusa ou protelação por parte da criança em ir para a cama.

Bebês podem ainda sofrer de insônia por má higiene do sono, normalmente por hábitos impróprios, como excesso de estimulação física, mental ou emocional próximo ao horário de dormir e falha no estabelecimento de horário e de rituais para adormecer. O bebê sempre será uma imagem do que se vive na família.

Os recém-nascidos passam grande parte do dia dormindo, pois o sono tem papel importante no desenvolvimento no início da vida. O tempo total de sono diário, com o aumento da idade, vai reduzindo.

Até os dois a três meses, o ritmo circadiano se estabelece e as crianças tornam-se mais sensíveis ao meio ambiente, respondendo ao claro e escuro para organizar seu ritmo vigília e sono. O ritmo da casa e as rotinas noturnas passam a funcionar como sinais sociais ou ambientais. Rituais e hábitos de higiene do sono costumam ser importantes e no primeiro ano de vida da criança, o tempo dormindo pode atingir cerca de onze a dezessete horas por dia.

A insônia pode ocorrer de forma comportamental em muitos casos, mas também pode ter causas mais orgânicas, como otites, distúrbios respiratórios, alergia ao leite de vaca causando despertares frequentes e com ciclos de sono curtos, refluxo gastroesofágico, que costuma acordar a criança por dor, usualmente após a terceira hora de sono.

Para estabelecer um ritmo de sono adequado deve-se agir precocemente, estabelecendo horário, rotinas e rituais consistentes para o sono, evitar estimulação física, mental ou emocional perto da hora de dormir, evitar oferecer alimentação durante a noite e evitar dormir com alguma fonte luminosa durante toda a noite.

Este vídeo pode te interessar

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.