ASSINE
Bastidores e informações exclusivas e relevantes sobre os negócios e a economia do Espírito Santo

Marcopolo vai ajudar a desenvolver empresas capixabas de autopeças

Com dificuldades logísticas para recebimento de peças e com poucos fornecedores locais, multinacional vai apoiar empresários  que quiserem entrar na área

Publicado em 13/05/2022 às 16h47
Centro de treinamento da Marcopolo
Centro de treinamento da Marcopolo montado na unidade de São Mateus. Crédito: Divulgação/Marcopolo

Espírito Santo não é um Estado com histórico no mercado automotivo. A primeira montadora a se instalar por aqui foi a Marcopolo/Volare, em 2014, em São Mateus, especializada em ônibus leves. Exatamente por esse motivo a produção de autopeças (todas as peças que compõem um veículo) por aqui é muito pequena. Essa é uma grande dificuldade enfrentada pela montadora por aqui, que enxerga na produção local de peças a principal alternativa.

"Estamos avançando na nossa produção em São Mateus, mas temos dificuldades com parceiros e fornecedores, a logística para trazer peças para cá é complicada. Nossa estratégia está sendo internalizar o máximo possível, mas não dá para fazer tudo. A intenção é substituir os fornecedores de fora por parceiros locais. Estamos trabalhando para isso", explica José Antonio Valiati, diretor Institucional da Marcopolo.

Hoje, o grosso da produção nacional de autopeças está em São Paulo e no Sul do Brasil. "É uma cadeia a ser desenvolvida por aqui. Estamos trabalhando junto ao poder público e às entidades com esse objetivo. Sem dúvida é uma grande oportunidade para investimento e crescimento", diz Valiati. O apoio, bom destacar, não será financeiro, mas técnico.

O Espírito Santo tem um vasto leque de empresas com experiência no setor metalmecânico. Sem dúvida é uma boa oportunidade de diversificação do negócio.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Economia Espírito Santo São Mateus Investimento ES Norte

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.