ASSINE

O dia em que escrava salvou jovem de naufrágio e ganhou liberdade no ES

De acordo com livro, após o ato heroico, a multidão recebeu, delirante, Catarina. O fato aconteceu há quase 145 anos

Vitória
Publicado em 03/10/2019 às 14h01
Escrava salvou jovem na Baía de Vitória em 1874. Crédito: Arte|Amarildo
Escrava salvou jovem na Baía de Vitória em 1874. Crédito: Arte|Amarildo

O futebol ainda não tinha chegado ao Brasil e a regata era um esporte querido pelos vitorienses em 1874. A cidade estava envolvida com as chamadas Regatas de Santa Catarina. Era dia de festa e um fato marcou a data: uma escrava se jogou ao mar para salvar um jovem e acabou ganhando a liberdade como recompensa e o sobrenome de uma família tradicional de Vitória.

O fato aconteceu há quase 145 anos. Hoje, a santa não é tão cultuada em terras capixabas, mas tinha grande prestígio entre os moradores da época, como lembra o historiador e comentarista da Rádio CBN Vitória, Fernando Achiamé.

"Na época, o dia da santa era até feriado, 25 de novembro. No dia 29, um domingo, foi feita a regata, onde hoje é a Praça Oito. Antes, no local tinha um cais, chamado Cais Grande. As canoas saíam do Penedo e iam até ali, era o ponto de chegada. Não eram barcos modernos, eram canoas pesadas - a turma tinha músculos para remar. A cidade estava dividida entre peroás e caramurus", conta Achiamé.

PEROÁS E CARAMURUS

Segundo o professor, caramurus eram as pessoas ligadas ao Convento de São Francisco e tinham a cor verde. E os peroás eram da Igreja de São Benedito do Rosário, com cor azul. Nesse ano, tinha uma canoa lilás chamada peroá dissidente.

Estava tudo preparado e muita gente embarcava em canoas maiores para assistir à regata no meio da Baía de Vitória. O resgate heroico foi registrado no livro “História do Espírito Santo”, de Maria Stella de Novaes".

O RESGATE

"Alinhadas, diante do Penedo, as canoas aguardavam apenas o tiro acompanhado de girândolas e foguetes. Sinal da partida, o jovem Artur Neto, cujo apelido era Capitão, aceitou um lugar num batelão, para assistir à corrida, no centro da baía, apesar da agitação do mar. Nas primeiras remadas, a embarcação submergiu, perto do cais! 'Salvem o Capitão', foi o grito angustioso geral", diz a publicação.

Uma escrava da família Neto, Catarina de Oliveira, atira ao chão seu xale (pano da costa) e, corajosa, rompe a multidão e joga-se ao mar. "Desaparece... O barbeiro Fontes Corrêa despe-se do fraque, do colete, com relógio e corrente de ouro, chapéu e bengala, para seguir o exemplo de Catarina. Passados alguns momentos de ansiedade, ei-la que surge, a nadar, com um braço e o outro preso ao sinhô moço", detalha a obra.

SOBRENOME DOS DONOS

De acordo com o livro, a multidão a recebeu delirante. "Formou-se um préstito, para acompanhar a heroína e o quase afogado à residência do Sr. Manuel Pinto Neto, pai do Capitão. Não faltou a banda de música Peroá nessa manifestação. Liberta, naquele momento, Catarina passou a assinar Catarina de Oliveira Neto".

O historiador explica que a família Neto era conhecida na cidade. "Tem a Rua Aleixo Neto, a Rua Eugênio Neto. É uma família importante de advogados".

Após a liberdade de Catarina, a festa prosseguiu, com entusiasmo, e os peroás venceram, com a vitória da sua canoa toda azul.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Capixapédia vitória vitória

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.