ASSINE

A história do "avião da chuva" que injetava sal nas nuvens do ES

Não é ficção científica. Aeronave que fazia chover em locais específicos atuou no Espírito Santo quando o Estado enfrentava fortes períodos de seca

Tempo de leitura: 4min
Publicado em 26/11/2021 às 17h52
Avião injetou sal nas nuvens do Espírito Santo
Avião injetou sal nas nuvens do Espírito Santo. Crédito: Arte | Aglisson Lopes

Durante os períodos mais secos da história do Espírito Santo, em agosto de 1984, cada governo tentou, à sua maneira, encontrar uma forma de minimizar os efeitos da estiagem. Uma das muitas alternativas utilizadas no Estado capixaba foi a contratação de uma aeronave que fazia chover em locais específicos. Parece ficção científica, não é? Mas aconteceu!

Em pelo menos três ocasiões diferentes, durante a década de 1980, uma aeronave do governo do Ceará foi enviada ao Espírito Santo com a promessa de fazer chover e acabar com o sofrimento da população rural. A primeira tentativa aconteceu em agosto de 1984, em Colatina — hoje, carinhosamente apelidada por "Calortina" devido às altas temperaturas no município da região Noroeste do Estado.

O "avião da chuva" que injetava sal nas nuvens do ES

A pedido do governador da época, Gérson Camata, a Fundação de Meteorologia do Ceará enviou gratuitamente uma aeronave Bandeirante para atuar no Estado, que atravessava um período de seca de cinco meses. O mesmo se repetiu em 1986 e 1987. Apesar de curiosa, a técnica não era nova.

Nos anos 50, o Estado do Ceará já fazia os primeiros experimentos do tipo para tentar contornar a seca no semiárido nordestino. O mesmo avião foi usado no sul da Bahia. O método é conhecido por especialistas como semeadura de nuvens ou nucleação. Mas como é possível fazer chover de forma artificial?

Em janeiro de 2017, a meteorologista do Instituto Climatempo, Josélia Pegorim, explicou: "A aeronave injeta, dentro de determinadas nuvens, alguns produtos que vão servir de aglutinador e acelerar o processo de formação de gotas". No caso do Espírito Santo, o produto utilizado foi o cloreto de sódio, mais conhecido como sal de cozinha.

Jornal A Gazeta de agosto de 1984 sobre a chuva artificial no Norte do Espírito Santo
Jornal A Gazeta de agosto de 1984 sobre a chuva artificial no Norte do Espírito Santo. Crédito: Arquivo | A Gazeta

Toneladas de sal eram carregadas na aeronave Bandeirante, que transportava o material até as nuvens, onde era injetado. O sal unia as gotículas minúsculas de água presentes das nuvens até elas ficarem pesadas o suficiente para quebrar a corrente de ar e cair sob forma de chuva. 

Jornal A Gazeta de agosto de 1984 sobre a chuva artificial no Norte do Espírito Santo
Jornal A Gazeta falou sobre a contratação do serviço de chuvas artificiais pelo governo do ES em agosto de 1984. Crédito: Cedoc | A Gazeta

Parece infalível? Mas não é bem assim. Ainda segundo a meteorologista, para que a empreitada funcione, são necessárias condições muito específicas. "Para funcionar, a nuvem bombardeada tem que ser do tipo 'cumulus' , mesmo assim, não serve qualquer uma", explicou, na ocasião.

Ela ainda afirmou, à época, que seria necessário que a nuvem em questão já tenha propensão a fazer chover. É preciso ainda torcer para que as correntes de vento não a tirem do lugar após a nucleação, fazendo, assim, chover na região errada. Resumindo, o procedimento é custoso e as chances de sucesso costumam ser mínimas.

CHUVAS ARTIFICIAIS EM 1986

No dia 10 de abril de 1986, o avião Bandeirante iniciou com dois voos e injetaram o sal em nuvens cumulus, localizadas em municípios da Região Norte do Estado. Em consequência, foram registradas as primeiras chuvas artificiais, ainda que esparsas, em áreas de São MateusLinharesColatina e Nova Venécia.

À época, para a reportagem de A Gazeta, o coordenador da Fundação Centro de Meteorologia do Ceará (Funcem), Antônio Zaranza afirmou que no primeiro voo, realizado na parte da manhã, foram aplicados cerca de 400 litros de solução de água e sal. 

Avião provocou primeiras chuvas no Norte do ES em 1986
Avião provocou primeiras chuvas no Norte do ES em 1986. Crédito: Cedoc | A Gazeta

No dia 10 de abril de 1986, aproximadamente vinte nuvens cumulus detectadas ao longo de Colatina, Linhares, Rio Bananal, Jaguaré e São Mateus. O tempo de voo da primeira operação durou exatamente 1h40.

À tarde, no mesmo dia, outro voo teve início às 16h25, com o avião abastecido de 500 litros de água e sal. Basicamente, foram percorridos os mesmos municípios, embora fosse menos o nível de nuvens cumulus encontradas ao longo de 1h15 de voo.

PROJETO FOI ABANDONADO

Justamente por ter alto custo e com chances mínimas de sucesso, o órgão cearense de meteorologia abandonou o projeto em 2000, após constatar que a nucleação não demonstrou aumento significativo nas precipitações. A técnica, no entanto, não ficou esquecida no passado.

Entre 2001 e 2014, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) usou a mesma técnica, dessa vez de uma empresa privada, para tentar aumentar a incidência de chuvas sobre as represas do Sistema Cantareira, em São Paulo. O uso foi contestado por especialistas paulistas e abandonado.

* Com informações de Laís Magesky e Natalia Bourguignon

A Gazeta integra o

Saiba mais
Colatina Rio Bananal São Mateus aviao Capixapédia colatina são mateus ES Norte

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.