Venda de cloroquina quase dobra no ano da pandemia

O medicamento, sem eficácia comprovada contra a Covid-19, tem sido usado por muitos pacientes em tratamento precoce, prática defendida por Jair Bolsonaro.

Publicado em 14/01/2021 às 19h50
OMS retirou em definitivo a cloroquina dos testes para tratamento de Covid-19
OMS retirou em definitivo a cloroquina dos testes para tratamento de Covid-19. Crédito: jcomp/ Freepik

A venda de caixas de cloroquina no mercado farmacêutico quase dobrou em 2020, no acumulado de janeiro a novembro ante igual período de 2019. A alta de 94% foi registrada pela consultoria de informações sobre saúde IQVIA e obtida pela coluna a partir do setor.

Até novembro do ano passado, foram comercializadas a farmácias e drogarias 1,7 milhão de caixas do produto.

O medicamento, sem eficácia comprovada contra a Covid-19, tem sido usado por muitos pacientes em tratamento precoce, prática defendida por Jair Bolsonaro. O fármaco é indicado para tratar malária, lupus e outras doenças.

A cloroquina está centro de debate em Manaus, onde a prefeitura da cidade foi pressionada pelo Ministério da Saúde a distribuir o remédio.

Na pandemia, também explodiu a venda de ivermectina, sem respaldo científico para tratar o coronavírus. A alta foi de 466% na mesma base de comparação.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.