ASSINE

PT e PSB definem limite de 15 de junho para resolver impasses estaduais

Ainda há indefinições nos palanques dos estados do Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Pernambuco

Tempo de leitura: 5min
Publicado em 01/06/2022 às 18h26
Atualizado em 01/06/2022 às 18h26

Os presidentes do PT e do PSB, ao lado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e do ex-governador Geraldo Alckmin (PSB), que será seu vice na chapa, fixaram o prazo de 15 de junho, em duas semanas, para resolver entraves das duas legendas nas disputas nos governos estaduais - inclusive São Paulo.

Ainda há indefinições nos palanques dos estados de Rio de JaneiroRio Grande do SulEspírito Santo e Pernambuco.

Esses estados foram tratados em reunião nesta terça-feira (31), em São Paulo. Segundo relatos, Lula e Alckmin delegaram aos presidentes dos dois partidos a missão de desatar esses nós.

Lula (PT) e Geraldo Alckmin (PSB) em evento da pré-campanha presidencial
Lula (PT) e Geraldo Alckmin (PSB) em evento da pré-campanha presidencial. Crédito: Bruno Rocha/Agência Enquadrar/Folhapress

O presidente do PSB, Carlos Siqueira, cobrou o desprendimento do PT em estados como Rio Grande do Sul e Espírito Santo, sinalizando a possibilidade de se esforçar pela retirada da candidatura do ex-governador Márcio França em São Paulo.

Em São Paulo, maior colégio eleitoral, o PT defende a candidatura do ex-prefeito Fernando Haddad, que lidera as pesquisas de intenção de voto no estado, enquanto Márcio França (PSB) resiste à ideia de desistir de ser candidato ao governo.

"Óbvio que temos que fechar em relação aos estados. Achamos que tem de ser de forma sistêmica e integrada. Não tem como resolver um estado e não outro. Queremos estar juntos em todos os estados. Está ai exatamente a nossa força", afirmou a presidente Gleisi Hoffmann (PT).

Para a petista, não há justificativas para o PT e PSB estarem em palanques diferentes nos estados onde ainda não há definições. "Entendemos que sair separado enfraquece. Essa é uma eleição polarizadara. A tendência é que a polarização esteja nos estados", continuou a petista.

Carlos Siqueira afirmou que, pessoalmente, nunca defendeu a ideia de decidir com base no resultado de pesquisas. "O critério deve ser o que é importante politicamente para fortalecer nossa unidade", disse.

"Achamos que o PT será um pouco generoso em compreender a situação do PSB e chegar em acordo em vários lugares", disse.

Em um gesto a França, Lula convidou o ex-governador para acompanhá-lo em sua viagem ao Sul do país. Segundo um aliado do pessebista, França tem relatado, reservadamente, que é "difícil dizer não a Lula". Ao mesmo tempo, diz que pretende manter sua candidatura e tem repetido a frase que "foguete não dá ré".

Entre petistas, a avaliação é a de que França passa sinais dúbios: ele se mostra aberto para se reunir com Lula e membros do partido, mas também demonstra que estaria ganhando tempo para insistir na candidatura e torná-la inevitável.

Como a Folha de S.Paulo mostrou, há também o entendimento entre petistas e pessebistas de que um fator que pesa na decisão do ex-governador é a possível candidatura de José Luiz Datena (PSC) para o Senado em São Paulo. Isso porque, nessa avaliação, a candidatura do apresentador seria competitiva e um risco para França.

Em cerca de duas horas de reunião, Lula, Alckmin, Gleisi e Siqueira se debruçaram sobre o mapa das coligações nos estados.

Um dia antes da viagem do ex-presidente ao Rio Grande do Sul, o comando da pré-campanha de Lula não sabe como acomodar os pré-candidatos no palanque no estado.

Lá, o PSB reivindica o apoio do PT à candidatura do ex-deputado Beto Albuquerque. Mas o PT lançou a candidatura do deputado estadual Edegar Pretto. No PSOL, o candidato é Pedro Ruas.

Após a reunião com Gleisi, Alckmin e Siqueira, Lula recebeu o presidente do PT de Santa Catarina e pré-candidato ao governo, Décio Lima, ao lado do do ex-deputado Gelson Merísio (Solidariedade), na tentativa de construção de um acordo no estado.

No Espírito Santo, o PT ameaça lançar o senador Fabiano Contarato ao governo do Estado, caso o atual mandatário, Renato Casagrande (PSB), não abrace a candidatura de Lula.

Em Santa Catarina, o PSB defende o lançamento da candidatura do senador Dário Berger, sob o argumento de que tem maior capacidade de aglutinação.

A falta de consenso acerca de um nome pesou para adiamento da viagem de Lula ao estado, até então programada para quinta-feira (2).

Em Pernambuco, há uma pressão do PSB para que Lula apoie única e exclusivamente o pré-candidato da legenda ao governo, o deputado federal Danilo Cabral. A ex-petista Marília Arraes (Solidariedade), que também disputa o governo, já anunciou que seguirá apoiando o ex-presidente, mesmo tendo rompido com o PT no começo do ano.

Em entrevista em abril, Lula afirmou que o seu candidato é Danilo Cabral. Nela, disse também que, por outro lado, não irá criar problemas caso Marília queira usar sua imagem na pré-campanha.

No Rio, parte do PT resiste à aliança em favor da candidatura de Marcelo Freixo (PSB), ameaçando construir uma coligação com o PSD, do prefeito Eduardo Paes, ou, até mesmo, articulando um acordo informal com o governador Cláudio Castro (PL).

Lá, o embaraço se dá em torno da candidatura ao Senado. O PSB quer lançar o deputado Alessandro Molon. Já o PT pleiteia a candidatura do presidente da Assembleia, André Ceciliano, ao Senado.

PALANQUES INDEFINIDOS

Espírito Santo

Governo

  • PT tem Fabiano Contarato (PT)
  • PSB tem Renato Casagrande (PSB)

São Paulo

Governo

  • PT tem Fernando Haddad (PT)
  • PSB tem Márcio França (PSB)

Rio Grande do Sul

Governo

  • PT tem Edegar Pretto (PT)
  • PSB tem Beto Albuquerque (PSB)

Santa Catarina

Governo

  • PT tem Décio Lima (PT)
  • PSB tem Dário Berger (PSB)

Pernambuco

Governo

  • PT tem Danilo Cabral (PSB) e Marília Arraes (Solidariedade)
  • PSB tem só Danilo Cabral (PSB)

Rio de Janeiro

Governo

  • PT está rachado entre Marcelo Freixo e outras alianças
  • PSB tem Marcelo Freixo (PSB)

Senado

  • PT tem André Ceciliano (PT)
  • PSB tem Alessandro Molon (PSB)

Este vídeo pode te interessar

Veja também

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.