ASSINE

Polícia caça serial killer baiano acusado de matar família no DF

Lázaro Barbosa Sousa, de 33 anos, está sendo procurado e há uma mobilização da polícias do DF e de GO

Publicado em 14/06/2021 às 13h06
Lázaro é procurado após ter matado família no Distrito Federal
Lázaro é procurado após ter matado família no Distrito Federal . Crédito: Divulgação

A polícia do Distrito Federal faz uma caçada a criminoso identificado como Lázaro Barbosa Sousa, de 33 anos. Lázaro, natural da Bahia, é acusado de matar uma família em Ceilândia (DF) no ultimo dia 9 de junho. Segundo o jornal Correio Braziliense, ele invadiu uma casa, matou Cláudio Vidal, 48, e os dois filhos, Gustavo Marques Vidal, 21, e Carlos Eduardo Marques Vidal, 15.

Após o triplo homicídio, ele fugiu levando a esposa de Cláudio, a empresária Cleonice Marques, 43, que foi feita refém. No entanto, a mulher conseguiu ligar para o irmão, que chegou à casa da família e encontrou os três corpos no chão, mas Lázaro já tinha fugido com a refém.

Cleonice foi encontrada morta três dias depois, no sábado (12). O corpo estava em um córrego próximo a Sol Nascente, uma área de favela também no Distrito Federal. O cadáver estava sem roupa e com diversos cortes.

Por conta desses e outros crime, Lázaro passou a ser chamado de “serial killer do DF”. A denominação, traduzida para o portugues, significa assassino em série.

Segundo o site Yahoo Notícias, Lázaro foi localizado numa região de matagal de Cocalzinho (GO), no entorno do Distrito Federal, mas disparou 15 tiros contra policiais militares de Goiás e conseguiu escapar.

Neste domingo (13), ele quase foi preso perto de Edilândia (GO), a 82 km de Brasília. Lázaro havia furtado um carro em uma chácara de Cocalzinho e abandonou o veículo, um Corsa vermelha, depois de avistar um ponto de bloqueio montado pela polícia na rodovia.

O criminoso já foi condenado por homicídio na Bahia e também é acusado de crimes como roubo, estupro e porte ilegal de arma. Em 2018, Lázaro chegou a ser preso em Goiás, mas fugiu do presídio quatro meses depois, no dia 23 de julho. Desde então, estava foragido.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.