ASSINE

Menino acha árvore de Natal no lixão e fotos viralizam nas redes sociais

Gabriel é catador e trabalhava no local quando encontrou a árvore de Natal jogada entre outros resíduos. Atualmente, existe uma vaquinha com meta de R$ 80 mil para ajudar a família de Gabriel

Tempo de leitura: 2min
Publicado em 02/12/2021 às 08h48
Foto de jovem com árvore de natal encontrada no lixão de Maranhão viraliza
Foto de jovem com árvore de natal encontrada no lixão de Maranhão viraliza. Crédito: João Paulo Guimarães

Fotos de um garoto que encontrou uma árvore de Natal no meio de um lixão e a levou para casa viralizaram na internet nos últimos dias. O menino, que se chama Gabriel e tem 12 anos, estava acompanhando a mãe em um lixão na cidade de Pinheiro, interior do Maranhão.

As fotos são de autoria de João Paulo Guimarães. Segundo publicação dele no Twitter, Gabriel é catador e trabalhava no local quando encontrou a árvore de Natal jogada entre outros resíduos.

O fotógrafo também afirmou que, depois de divulgar as imagens no Instagram, pessoas se prontificaram a comprar uma árvore de Natal nova para o garoto, além de doar outros presentes.

Atualmente, existe uma vaquinha com meta de R$ 80 mil para ajudar a família de Gabriel. Até a noite desta quarta-feira (1º), a campanha já havia arrecadado mais de R$ 16 mil.

Este vídeo pode te interessar

"[Ele] e a família moram numa casa de barro, sem estrutura alguma numa comunidade em Pinheiro. O sonho deles é conseguir construir uma casinha de alvenaria", afirma o texto da ação, que também pretende adquirir cestas básicas e roupas para o garoto.

As imagens tiveram grande repercussão na internet. Muitos, ao compartilharem as cenas, afirmaram que a realidade de Gabriel é um retrato da miséria e da desigualdade vividas no Brasil, que pioraram durante a pandemia.

Outros usuários de mídias sociais chamaram atenção para o fato de que Gabriel é uma criança negra.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.