ASSINE

Em mensagem de Ano Novo, papa Francisco condena violência contra mulher

"Quanta violência existe contra a mulher! Chega! Machucar uma mulher é ultrajar a Deus, que tirou a humanidade de uma mulher", disse o pontífice neste sábado (1°)

Publicado em 01/01/2022 às 16h49

O papa Francisco aconselhou o mundo neste sábado (1º) a "arregaçar as mangas" pela paz em sua mensagem de Ano Novo, na qual pediu aos fiéis que sejam positivos e trabalhem para construir uma sociedade melhor.

Em mensagem de Ano Novo, papa Francisco condena violência contra mulher e pede paz
Em mensagem de Ano Novo, papa Francisco condena violência contra mulher e pede paz. Crédito: Reprodução | Instagram @franciscus

No 55º Dia Mundial da Paz, o pontífice dedicou seu discurso para encorajar o fim da violência e disse à multidão reunida na Praça de São Pedro para manter a paz em seus pensamentos.

"Vamos voltar para casa pensando em paz, paz, paz. Precisamos de paz", disse o papa após a oração do Angelus. Sob um céu ensolarado, Francisco lembrou aos fiéis que a paz exige "gestos concretos", como perdoar os outros e promover a justiça.

Este vídeo pode te interessar

Mais cedo, durante a missa na Basílica de São Pedro em homenagem à Virgem Maria, Francisco fez uma homilia na qual chamou a violência contra as mulheres um insulto a Deus.

Papa Francisco

"Quanta violência existe contra a mulher! Chega! Machucar uma mulher é ultrajar a Deus, que tirou a humanidade de uma mulher"

Francisco dedicou a sua homilia às mulheres e mães, e disse que são elas que "conseguem manter juntos o sonho e o concreto, evitando desvios do pragmatismo asséptico e da abstração". As mães, continuou, "sabem como manter unidos os fios da vida" e, portanto, são essenciais no mundo de hoje, pois são "capazes de tecer fios de comunhão, que se contrapõem aos arames farpados das divisões, que são tantos".

(Com informações de agências internacionais)

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.